Seculo

 

Audiência pública escancara distância entre a população e a Samarco/Vale-BHP, em conluio com o governo


30/06/2016 às 11:25

Fotos: Reinaldo Carvalho/Ales

 

“A alma da gente está doída”, desabafou o pescador José de Fátima, de Colatina. “Perdemos nossa dignidade e nossa credibilidade. Vamos viver a vida inteira com salário mínimo?”, esbravejou, sendo aplaudido pelo presentes, que lotaram o plenário da Assembleia Legislativa do Espírito Santo durante a audiência pública realizada na tarde dessa quarta-feira (29).




O lamento do senhor José de Fátima simboliza bem o sentimento de abandono, tristeza e revolta da população, que há quase oito meses sobrevive em meio ao caos deixado pelo maior crime ambiental da história do país e um dos maiores do mundo. Somada à impunidade – a empresa não pagou sequer uma multa emitida pelos órgãos ambientais – e ao claro conluio dos governos estaduais e federal – consubstanciado no famigerado Acordo (TAC) – o que se viu na audiência foi um espetáculo real tão trágico que mais parece ficção.

“A Samarco precisa se adequar ao nosso perfil e não nós ao perfil dela”- Bruna, de Regência

Convocada pelo Fórum Capixaba em Defesa do Rio Doce, a audiência teve um de seus objetivos alcançados, que foi colocar frente a frente, num mesmo espaço, os representantes das comunidades capixabas prejudicadas pelo crime ambiental da Samarco/Vale-BHP. Foram quatro exaustivas horas de denúncias, desabafos e cobranças por parte da população, que não resultaram, infelizmente, em nenhuma mudança considerável de postura por parte da empresa e do governo Hartung.

O que se conseguiu foi apenas um singelo reconhecimento, por ambos, de que a comunicação com os atingidos precisa ser melhorada. “Precisamos nos comunicar melhor”, afirmou Aladim Cerqueira, secretário estadual de Meio Ambiente e recursos hídricos, em sua fala final. “Vamos manter os esforços para nos aproximar mais, compreender e atender melhor a cada um”, escorregou Alexandre Souto, gerente-geral da Samarco, o único representante da empresa a compor a mesa.

“Não estamos sendo tratados como vítimas. Só nos ouvem quando fazemos protestos. A empresa não está acostumada a lidar com pobre” – Regiane Soares Lordes, de Mascarenhas

Vítor Noronha (foto à direita), em nome do Fórum Capixaba, ao longo de suas intervenções, enfatizou várias vezes que a meta prioritária do coletivo estadual é anular o acordo, chamado por ele de golpe contra o povo atingido. “Há um vício de princípio: não houve participação direta dos atingidos”, denunciou, o que fere a legislação nacional e internacional. A Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), por exemplo, determina que em casos como esse é preciso haver consulta livre, prévia e informada dos atingidos, o que definitivamente não aconteceu. “Não é acordo, é tramoia!”, resumiu o jovem Sidcley Ribeiro, da Pastoral da Juventude de São Mateus.

São Mateus? Sim, importante registrar que a presença de moradores de São Mateus e de membros de ongs ambientais da Grande Vitória não se mostrou menos legítimo que a das comunidades “formalmente” atingidas. O crime foi tão brutal que revoltou toda a sociedade. E a condução autoritária por parte do governo e a sequência de irresponsabilidades e mentiras da empresa têm suscitado uma reflexão sobre o modelo de mineração vigente e o próprio modelo de desenvolvimento, baseado na extração predatória dos recursos naturais e na submissão das comunidades humanas, especialmente as mais humildes, compensadas irrisoriamente com uma política rasa de compensação de danos. “Somos contrários a essa mineração predatória”, afirmou Vítor Noronha.

“Até criança de seis anos levou tiro de borracha da Polícia. A Polícia só atende às empresas” – Jorge Manoel Gramelixe, do Assentamento Cezinio (MST), em Linhares

Em sua apresentação de abertura, Alexandre Souto citou os canais de comunicação em funcionamento hoje, que tiveram aumento de aproximadamente 1000% no número de atendimentos/dia. Mesmo assim, absolutamente insuficiente para dar vazão à angústia da população.

Em outro momento, Souto (foto à esquerda) chegou a sustentar uma das afirmações vexatórias da empresa, de que “não houve alteração importante das águas no oceano”. Lamentável foi a ausência de um contraponto por parte do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que não foi chamado a compor a mesa. O ICMBio tem levantado, junto da Universidade Federal do Estado (Ufes) e outras universidades públicas do país, os dados reais do impacto ambiental do crime, pelo menos os mais próximos da realidade, visto que a tecnologia necessária à exata medição ainda precisa ser desenvolvida. 

“Repudiamos o Iema, pelo seu posicionamento tecnicista e reducionista. Repudiamos o prefeito de Colatina, pela defesa desavergonhada dos interesses da Samarco. Repudiamos a Carta de Vitória, o Comitê da Bacia não nos representa” – Márcia Maria, do Fórum SOS Rio Doce de Colatina

Os estudos feitos pelo ICMBio e universidades mostram claramente os impactos mensuráveis referentes à alteração de zooplâncton e à presença de metais pesados, entre outros. Esses dados já foram confrontados em Brasília pelos dados da empresa, sendo determinado que a empresa adote a metodologia do ICMBio e universidades, o que ainda não aconteceu.


Um novo round do desmascaramento da metodologia ineficiente da empresa está previsto para acontecer a partir do final deste mês de junho, quando a Samarco deve apresentar, ao Comitê Interfederativo, sua proposta de Termo de Referência (TR) para o diagnóstico e o monitoramento dos impactos a longo prazo. A Câmara Técnica de Biodiversidade do Comitê, que é coordenada pelo ICMBio, vai avaliar a proposta e propor ajustes. Os pesquisadores do órgão e das universidades, no entanto, já estão se antecipando aos trâmites e preparando uma contraproposta de diagnóstico e monitoramento, provocando um novo confronto de metodologias. Na proposta, indicam não somente os métodos mais adequados, mas também a equipe de análise e avaliação a ser contratada, que deve vir dessas universidades que já estão atuando no caso.



“Convivemos diariamente com práticas delituosas. A OAB quer que os culpados sejam identificados. A sociedade precisa ser reparada adequadamente. Precisa mais do que boa vontade. O rio está morto e morreu de morte matada” - Simone Silveira, vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil/Seção ES.

A decisão final será do Comitê, ou seja, será necessária mobilização da comunidade acadêmica e da sociedade em geral para que o viés político-econômico se submeta ao técnico. Esse aspecto técnico-ambiental está diretamente relacionado à esfera criminal do caso, cujos inquéritos das polícias civil e federal já foram concluídos, integrados e tramitam na Justiça Federal, junto da ação civil pública do Ministério Público Federal.

As outras duas esferas do crime, segundo lembrou Alexandre Souto, em entrevista ao final da audiência, são a retomada das operações da empresa e o processo de reparação de danos. Ele é responsável exclusivamente pela reparação, mas teve a ousadia de refutar a acusação da Polícia Federal, de que os vazamentos nas represas continuam.

“A corrupção sucateou os órgãos ambientais. Qual o substrato da barragem de Santarém, que tem o dobro do volume das duas que já romperam? Quem vai assumir todo esse passivo socioambiental quando acontecer a falência da Samarco?” – Gilson Mesquita, Juntos - SOS Espírito Santo Ambiental

Enquanto a empresa nada de braçadas num mar de mentiras e irresponsabilidades, o governo patina em sua montanha de cumplicidade e a mídia corporativa se acomoda em denunciar apenas quando os fatos são bradados vigorosamente pela Polícia, a academia e o Ministério Público. A imprensa engajada, os técnicos e ativistas ambientais e sociais éticos e a sociedade em geral mantém a vigília e a luta, para que o maior crime ambiental do país seja um marco, o início de uma grande transformação do modelo de exploração socioambiental vigente, para um novo paradigma de desenvolvimento, que tenha o bem-estar social e a sustentabilidade integral como meta e pré-requisito inegociáveis. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Menino do Rio

Melhor para os fluminenses/cariocas, só se Hartung levar seu time todo de ‘craques’ para salvar o Rio de Janeiro. Receita de sucesso, mas pode chamar também de cilada...

OPINIÃO
Editorial
Vendedor de ilusões
Em recente entrevista, Hartung alertou sobre o risco dos ''vendedores de terrenos na Lua''. Estaria o governador fazendo uma autoreflexão?
Renata Oliveira
Fica Majeski?
O resultado da eleição interna do PSDB pode ser fundamental para o destino do deputado Sergio Majeski
Caetano Roque
Movimento oculto
Em vez de enfrentar a luta, alguns sindicatos evitam se expor para não sofrer críticas
Geraldo Hasse
Recuerdos de Buenos Aires
''A leitura é o melhor exercício para a memória'', afirma o psiquiatra argentino Ivan Izquierdo
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Novo comando estadual do PSDB vai definir se partido segue no projeto de Hartung ou lança candidatura própria

Tribunal de Justiça vai decidir sobre pedido de prisão do prefeito de Irupi

Conselho de Educação da Ufes repudia parceria entre governo e Ensina Brasil

Credores vão decidir sobre fim de recuperação judicial das lojas Eletrocity

Menino do Rio