Seculo

 

'Negros no Espírito Santo' aborda escravidão, cultura e racismo


22/08/2016 às 14:32

 A trajetória histórica dos negros nas terras capixabas é o tema da obra Negros no Espírito Santo, do professor e pesquisador Cléber Maciel, que será lançado pelo Arquivo Público do Estado do Espírito Santo (APEES), às 19h, no Palácio Anchieta, Centro de Vitória. O evento desta terça-feira (23) acontece dentro da programação Agosto da Cultura com o livro que é uma versão ampliada da edição original de 1994, uma publicação da linha editorial Coleção Canaã, no Arquivo Público.

Cléber Maciel afirma – na introdução – que o seu objetivo é abordar as origens africanas, bem como a escravidão, as contribuições culturais e o racismo e, por meio desses elementos, repensar o papel que os negros podem desempenhar frente à sociedade brasileira. “Entretanto, muito mais que organizar dados, o trabalho pretende mostrar que, apesar do extermínio escravista, do massacre racista e da exploração discriminatória, os negros capixabas continuam lutando e trabalhando, construindo e enriquecendo os aspectos culturais, sociais, políticos e econômicos”.

Os professores da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Leonor Araújo, e o organizador do livro, Osvaldo Martins de Oliveira, na apresentação à segunda edição, ressaltaram que a obra de Cléber Maciel traz uma maneira específica de fazer a História. “Ao abordar a memória dos africanos e descendentes no Estado, na qual o próprio autor militante e intelectual negro estava implicado, ele mostra a sua procura simbólica pela própria identidade. Nesse sentido, Maciel, e nós também, estamos comprometidos na busca de nossos destinos comuns, isto é, na construção de projetos políticos para nós e para nossas futuras gerações”, argumentam.

Pode-se considerar que o autor estava mais interessado em uma história das lutas contra a escravidão do que na escravidão em si, assim como se preocupava com os estudos sobre a organização de ações contra o racismo. “Não estava interessado em alimentar que os integrantes da ‘Comunidade Negra’ eram ‘descendentes de escravos’, mas descendentes de reis, rainhas, guerreiros e de homens e mulheres sábios e livres que, em circunstâncias de domínios advindos por meio de guerras e armas, foram escravizados pela força das ‘companhias de comércio’, que, na maioria das vezes eram ‘companhias de guerra’ para abater e dominar sociedades africanas e comunidades de seus descendentes no Brasil, em especial no Espírito Santo”, afirmam Leonor e Osvaldo.

Nesta segunda edição foram agregados novos textos prefaciais e posfácio nos quais se tem a exposição de pesquisas e reflexões recentes que atualizam os assuntos explorados como, por exemplo, a luta dos quilombos pelos direitos territoriais e culturais e os agrupamentos em torno dos direitos ao patrimônio cultural afro-brasileiro, como o jongo, caxambu, ticumbi e congo. Atuaram como colaboradores os seguintes pesquisadores: José Elias Rosa dos Santos, Milena Xilibe Batista, Gustavo Henrique Araújo Farde, Sérgio Pereira dos Santos, Andrea Bayerl Mongim, Suely Bispo e Sandro José da Silva.

Além dos textos que contextualizam os movimentos relativos à luta dos afrodescendentes no Espírito Santo nas duas últimas décadas, foram agregadas à nova edição diversas fotografias que ilustram as manifestações culturais e personagens representativos da cultura negra, incluindo-se quatro registros fotográficos sobre a visita do Presidente da África do Sul, Nelson Mandela, ao Estado em 1991, durante o governo de Albuíno Azeredo, o primeiro governador negro capixaba.

Serviço

O lançamento do livro Negros no Espírito Santo, de Cleber Maciel - 2 º Edição, será realizado na terça-feira (23), a partir das 19h, no Palácio Anchieta – Praça João Clímaco, 142, Centro de Vitória. A entrada é franca.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

A montagem da cena

Até tu?

Advogados questionam gestão de Homero Mafra à frente da OAB no Estado