Seculo

 

‘Balé das Iyabás’ promove intercâmbio com mulheres negras no Mucane


30/08/2016 às 18:12

Não é comum ainda a presença da mulher negra no balé tradicional, apesar da trajetória histórica da dança. Contudo, iniciativas como a do grupo cultural Balé das Iyabás são realizadas no intuito de questionar esses cenários e incentivar a presença de mulheres negras nessas artes – mesmo que ressignificando a dança.

O Balé das Iyabás é um grupo do Rio de Janeiro, formado por mulheres negras que se estrutura em cima de uma questão maior, discutir o protagonismo da mulher na sociedade a partir da mitologia dos Orixás. Aliás, o nome Iyabás é o feminino de Orixás. Existem seis principais Orixás femininos que são responsáveis pelo equilíbrio da terra e da vida.

O grupo estruturou o projeto Vivências do Balé – Protagonismo de Pretas, que se resume em uma oficina com dinâmicas de interação entre a mitologia das Iyabàs e suas manifestações e significações no cotidiano. A proposta é, como o próprio grupo define: “analisar aspectos políticos, sociais e culturais das mulheres no nosso dia a dia. Entre narrativas, mitologia, diálogos e experiências, traremos também para o corpo, movimentos inspirados na gestualidade das Iyabàs, propondo uma leitura que dialogue com este universo e expresse o balé dessas Orixás”.

E para trazer esse trabalho à Vitória, o Movimento de Mulheres Negras Capixabas convidou e recebe o grupo de Balé das Iyabás para a apresentação do projeto Vivências do Balé – Protagonismo de Pretas, que será realizado no sábado (3), a partir das 15h, no Museu capixaba do Negro, que fica no Centro de Vitória. A proposta maior do encontro é propor diálogos e trocas de saberes entre mulheres negras que atuam no movimento negro com mulheres que não atuam. A atividade comporta a participação de 40 mulheres e é gratuita – por meio de inscrição online.

Acompanhe as atividades do grupo cultural Balé das Iyabás

O Movimento Mulheres Negras Capixabas

O Mulheres Negras Capixabas é um movimento dinâmico que surge como proposta de ser intermédio de encontros, reflexões, trocas de conhecimentos, aprendizados, valorização, vivências e empoderamento das mulheres negras na busca de possibilidades de transformação de suas realidades. E, para tanto, é um espaço de garantia do dizer de sua história, de reconhecimento de sua ancestralidade na busca constante de construção, mudanças e transformações que contribuam para um novo modo de ser e estar nesta sociedade.

Serviço

A oficina Vivências do Balé – Protagonismo de Pretas, do grupo Balé das Iyabás, será realizada no sábado (3), a partir das 15h, no Mucane – avenida    República, 121, Centro de Vitória. A atividade é gratuita. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Até tu?

A situação está tão difícil, que PH almejou fazer uma dobradinha com os senadores Magno Malta e Ricardo Ferraço

OPINIÃO
Editorial
Quem paga a conta senta na cabeceira?
O financiamento pela Arcelor de uma pesquisa da Ufes de R$ 2 milhões acende o alerta sobre a autonomia universitária e a transparência nos acordos entre academia e capital privado
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
Roberto Junquilho
A montagem da cena
Em baixa junto aos prefeitos da Grande Vitória, Hartung dispara para o interior do Estado
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Servidores do Ibama e ICMBio no Estado protestam contra loteamento político do órgão

Quem paga a conta senta na cabeceira?

A montagem da cena

Até tu?

Advogados questionam gestão de Homero Mafra à frente da OAB no Estado