Seculo

 

É preciso reflorestar


04/09/2016 às 10:02
Cidades inteiras sem água potável no norte, fechamento de parque natural nas montanhas, perdas de 70% na agricultura familiar em praticamente todo o Estado, ameaça de racionamento de água na Capital, rios poluídos e assoreados, matas ciliares retiradas, nascentes desprotegidas ... Soluções? Não! Ao invés disso, mais autorizações para plantios de monoculturas (desertos verdes), mais benefícios ao agronegócio, mais negligência com os pequenos agricultores.
A crise hídrica do Espírito Santo é resultado de um processo histórico de descaso com a floresta. É fato que as populações autóctones já promoviam sua cota de devastação quando os europeus aportaram aqui com suas botas e ganância. Mas a verdadeira guerra contra a Mata Atlântica foi deflagrada mesmo pelos europeus, especialmente os imigrantes italianos que, praticamente jogados à própria sorte, iludidos pelas promessas de uma vida melhor longe da guerra bélica na Europa, se viram obrigados a inventar estratégias de sobrevivência no mundo selvagem, em meio ao verdadeiro pavor que a floresta fechada, os mosquitos, os animais ferozes, as cobras e os índios – em defesa de seu território – lhes provocavam.
 
E assim, munidos de medo e ambição, imigrantes europeus foram devastando incansavelmente a floresta até meados do século XX, quando os grandes projetos industriais – especialmente as então Companhia Vale do Rio Doce e Aracruz Celulose – se encarregaram de continuar a inglória missão de exterminar a floresta e seus protetores (sim, protetores, mesmo com sua cota de devastação, intrínseca à condição humana), os índios e quilombolas.
 
Todo esse esforço conjunto, fruto de tanta ignorância disfarçada de progresso, alta tecnologia e, mais recentemente, desenvolvimento sustentável, resultou na redução da cobertura das nossas florestas primárias a níveis críticos. Na primeira década do século XXI, era de apenas um dígito, cerca de 8%. Até que novas ferramentas de monitoramento identificaram áreas em estágio avançado de recuperação, dobrando o índice oficial, hoje em torno de 15%.
 
O processo é histórico, vem de décadas, isso é fato. Mas quem está sofrendo os efeitos trágicos somos nós, geração atual, século XXI, ano de 2016. O que fazer? As alternativas são muitas e várias pessoas e organizações da sociedade civil, ao redor do mundo, têm feito muito. No Espírito Santo também há iniciativas interessantes de recuperação, conservação e uso sustentável dos recursos florestais. O que precisa acontecer é a replicação dessas iniciativas, seu fortalecimento e potencialização.
 
Os governos, porém, proporcionalmente, fazem muito pouco. É impressionante a falta de visão. O reflorestamento não é bandeira de nenhum candidato a vereador ou prefeito no pleito de 2016, nem do governo estadual, que embora tente mostrar o contrário, tem ações muito tímidas - ou até inexistentes.
 
Discurso x prática
 
A novela de descaso com o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), que se estende há quase um ano, é uma das provas da postura omissa e elitista do governo Paulo Hartung, quando o assunto é proteção ambiental e apoio aos movimentos sociais.
 
Um dos nove pontos da pauta de reivindicações da Jornada Unificada Campo-Cidade Por Nenhum Direito a Menos é a realização do Programa Reflorestar nas pequenas propriedades familiares. Os agricultores estão abrindo suas propriedades e oferecendo sua mão-de-obra, conhecimentos e cuidados em prol da recuperação ambiental do meio rural, mas o governo ignora.
 
“O secretário de Agricultura [Octaciano Neto] disse que não tem dinheiro pra fazer o Reflorestar nas nossas propriedades”, lamenta o agricultor familiar José Izidoro Rodrigues, diretor de Política Agrícola e Meio Ambiente da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Espírito Santo (Fetaes). “Nós camponeses é que temos condições de cuidar das arvores até que elas possam sobreviver na natureza”, afirma.
 
Recentemente, o governo divulgou matéria sobre as expectativas, para os anos de 2016 e 2017, de beneficiar 1.700 produtores rurais. Na página do programa no site do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), no entanto, não consta a divulgação de nenhum contrato celebrado entre o governo e os produtores rurais em 2015 e 2016, mas apenas em 2013 e 2014, ainda governo de Renato Casagrande (PSB).
 
No Planejamento Estratégico 2015-2018, o governo estadual anunciou como meta principal do Reflorestar aumentar em 80 mil hectares a cobertura de Mata Atlântica no Estado, até o ano de 2018. “A mesma meta também foi estabelecida como contribuição do Estado ao aderir o Desafio 20x20, proposto na Conferência das Partes (COP 20), ocorrida no Peru em 2014, por países da América Latina e Caribe (LAC) para restaurar e/ou evitar o desmatamento em 20 milhões de hectares até 2020”, informa o site. Mas, até agora, a atual gestão tem mesmo ficado só no discurso e no marketing. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Menino do Rio

Melhor para os fluminenses/cariocas, só se Hartung levar seu time todo de ‘craques’ para salvar o Rio de Janeiro. Receita de sucesso, mas pode chamar também de cilada...

OPINIÃO
Editorial
Vendedor de ilusões
Em recente entrevista, Hartung alertou sobre o risco dos ''vendedores de terrenos na Lua''. Estaria o governador fazendo uma autoreflexão?
Renata Oliveira
Fica Majeski?
O resultado da eleição interna do PSDB pode ser fundamental para o destino do deputado Sergio Majeski
Caetano Roque
Movimento oculto
Em vez de enfrentar a luta, alguns sindicatos evitam se expor para não sofrer críticas
Geraldo Hasse
Recuerdos de Buenos Aires
''A leitura é o melhor exercício para a memória'', afirma o psiquiatra argentino Ivan Izquierdo
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Novo comando estadual do PSDB vai definir se partido segue no projeto de Hartung ou lança candidatura própria

Tribunal de Justiça vai decidir sobre pedido de prisão do prefeito de Irupi

Conselho de Educação da Ufes repudia parceria entre governo e Ensina Brasil

Credores vão decidir sobre fim de recuperação judicial das lojas Eletrocity

Menino do Rio