Seculo

 

Voluntários realizam tratamento de pele em crianças vítimas do crime da Samarco/Vale/BHP


11/09/2016 às 17:02

“Criança que brinca na areia, é normal que tenha micose, mas não na proporção que eu vi, na pele toda”, relata a artesã e artista plástica Marcely Perroni Fraga. Atuando em oficinas de arte em Areal desde o final de 2015 – quando a comunidade foi atingida pelos rejeitos de mineração oriundos da barragem de Fundão, rompida no dia 5 de novembro do ano passado, em Mariana/MG – Marcely se assustou durante a última oficina, quando pôde perceber, em todas as crianças que participavam, as mesmas manchas e feridas, por todo o corpo: pernas, braços, pescoço.

Não há nenhum laudo oficial sobre a origem do problema, pois a empresa e o governo abandonaram a comunidade. Perguntando às mães, também não há certeza, mas uma impressão é comum entre elas: a de que os problemas de pele, normais em crianças que brincam na areia, afloraram muito intensamente após a chegada da lama.

“A gente abre a torneira da escola e a água é laranja. Elas estão em contato direto com essa água contaminada”, relata a artesã. “E o mais triste é saber que esse crime está impune, não está tendo acompanhamento, as pessoas estão ali deixadas ao léu”, indigna-se.

A primeira pessoa que Marcely angariou para a causa foi sua terapeuta holística, Maria Flor Oliveira, que imediatamente se prontificou a ajudar. Rapidamente, a mobilização se estendeu às redes sociais e a adesão continua.

A ideia das voluntárias é utilizar técnicas de aromaterapia e pomadas, tanto para tratamento da pele como para limpeza no ambiente. Areal é muito impressionante, com todas aquelas tubulações passando no meio das casas das pessoas, é preciso harmonizar o ambiente”, observa.

Um ponto importante é conseguir o apoio de um profissional de dermatologia. “É preciso fazer anamneses, pra saber se é micose de areia ou se é mesmo por causa dos metais na água”, indaga.

A equipe ainda precisa de mais voluntários para colaborar nos dias do evento e também de doadores de materiais terapêuticos, como creme de mameleuca, de calêndula e de recue, além de álcool 70 e toalhas de papel.

Senso de pertencimento

Quando a lama chegou à região, Marcely estava implementando um novo projeto de vida, de se mudar para Regência e viver uma vida mais simples, em contato com a natureza. Percebendo que a comunidade vizinha, de Areal, estava em situação de maior abandono, se uniu a um grupo de voluntários que levou mantimentos e água para as famílias.

Em seguida, começaram as oficinas de artes, cada um levando uma técnica diferente, com objetivo de ensinar um novo ofício, já que a pesca, que movimentava a economia local, já não podia mais ser exercida. “São todos muito habilidosos e, para as crianças, acaba sendo uma recreação, porque lá não tem muitas opções de lazer a não ser brincar no meio das tubulações”, conta.

A artesã conta que se sente parte daquele território, por isso o impulso de atuar é imenso e, felizmente, contagiante. “Quem tem um laço com um lugar sabe o que é esse sentimento”, compartilha. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Menino do Rio

Melhor para os fluminenses/cariocas, só se Hartung levar seu time todo de ‘craques’ para salvar o Rio de Janeiro. Receita de sucesso, mas pode chamar também de cilada...

OPINIÃO
Editorial
Vendedor de ilusões
Em recente entrevista, Hartung alertou sobre o risco dos ''vendedores de terrenos na Lua''. Estaria o governador fazendo uma autoreflexão?
Renata Oliveira
Fica Majeski?
O resultado da eleição interna do PSDB pode ser fundamental para o destino do deputado Sergio Majeski
Caetano Roque
Movimento oculto
Em vez de enfrentar a luta, alguns sindicatos evitam se expor para não sofrer críticas
Geraldo Hasse
Recuerdos de Buenos Aires
''A leitura é o melhor exercício para a memória'', afirma o psiquiatra argentino Ivan Izquierdo
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Novo comando estadual do PSDB vai definir se partido segue no projeto de Hartung ou lança candidatura própria

Tribunal de Justiça vai decidir sobre pedido de prisão do prefeito de Irupi

Conselho de Educação da Ufes repudia parceria entre governo e Ensina Brasil

Credores vão decidir sobre fim de recuperação judicial das lojas Eletrocity

Menino do Rio