Seculo


  • Lava Jato no ES

 

Justiça Federal prorroga salário-maternidade para mãe de recém-nascidos prematuros


18/04/2017 às 18:00
O juiz federal Rogério Moreira Alves, do 3º Juizado Especial Federal de Vitória, deu razão ao pedido de uma mãe de gêmeos prematuros e condenou o Instituto Federal do Seguro Social (INSS) a prorrogar o salário-maternidade, contando o prazo de 120 dias a partir do dia em que os filhos saíram da Utin, somado ao tempo que já havia corrido desde o nascimento dos filhos.

Uma mãe que deu à luz gêmeos prematuros pediu na justiça que o prazo do seu salário-maternidade fosse ampliado. Os filhos, que nasceram em 18 de dezembro de 2016, ficaram internados na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (Utin) em um hospital da Grande Vitória e só tiveram alta em 7 de fevereiro de 2017. Se o salário-maternidade dela fosse mantido durante apenas os 120 dias a partir do nascimento dos filhos, ela teria que voltar a trabalhar apenas pouco mais de dois meses depois que estava os filhos em casa.

O salário-maternidade é um benefício previdenciário custeado pelo INSS e que é pago com a finalidade de garantir para a gestante uma remuneração provisória para que ela possa ficar sem trabalhar e poder cuidar de seu filho recém-nascido.

As mulheres gestantes que contribuem para a previdência social têm direito ao salário-maternidade a partir do oitavo mês de gravidez, desde que apresentem documentos médicos que comprovem a situação física. Caso não requeira o benefício nesse momento, a gestante pode requerer o benefício após o nascimento do filho. Se a trabalhadora estiver empregada, é só comunicar ao departamento de Recursos Humanos (RH) da empresa, que fará a solicitação do Salário Maternidade diretamente, além de prestar todas as orientações necessárias a funcionária. Por lei, o salário-maternidade tem duração de 120 dias.

O juiz entendeu que, embora a lei não permita expressamente a extensão do salário-maternidade por mais de 120 dias, a Constituição Federal contém princípios que asseguram essa prorrogação. Ele destacou que a Constituição assegura proteção à maternidade e à infância e à convivência familiar.

“A prorrogação da licença-maternidade e, consequentemente, do salário-maternidade nos casos de parto prematuro é necessária para assegurar a consecução dessas normas constitucionais. Afinal, a licença-maternidade destina-se a proteger a saúde da mãe e da criança, proporcionar um período de convivência entre mãe e filho necessário ao desenvolvimento dos vínculos afetivos e assegurar o bem-estar do bebê. Quando o recém-nascido é prematuro e precisa ficar submetido a internação em UTI neonatal, é razoável supor que a consecução daqueles objetivos exige que a licença-maternidade seja contada a partir do momento em que o bebê tem alta hospitalar e pode de fato iniciar sua convivência com a mãe a e família no recinto do lar.”, diz a sentença.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Armadilha para pegar Majeski falhou

Por mais que o Palácio Anchieta tenha caprichado no requinte da produção, o deputado oposicionista não só sobreviveu como saiu ainda mais forte

OPINIÃO
Renata Oliveira
No rastro
Quando o governador Paulo Hartung retornar de Paris, vai enfrentar um Sérgio Majeski ainda mais incômodo
JR Mignone
As notícias na internet
Conteúdos sensacionalistas parecem ter grande apelo na internet
Geraldo Hasse
Seremos todos boias-frias?
A palavra reforma, sempre associada a avanços, está sendo aplicada a um retrocesso
Lídia Caldas
A importância dos probióticos e prebióticos
Se você não se preocupar com isso estará dando passos largos para engrossar as estatísticas de doenças de causas evitáveis
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Nenna – parte II: early years na ilha
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Odebrecht quebrou a "Omertá", e agora?
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A sombra
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Hartung contratou advogado preso na Lava Jato para se defender de delação da Odebrecht

Ação civil pública requer atuação efetiva da prefeitura no controle da poluição do ar em Vitória

'A gente espera que o Tribunal de Contas revogue o reajuste', diz líder comunitário

Fraude em Bom Jesus mostra farsa da participação feminina na eleição

Tribunal Regional do Trabalho realiza Semana de Conciliação a partir de segunda-feira