Seculo

 

Deputados consolidam manobra e CPI da Cesan é indeferida


19/04/2017 às 15:46
A manobra que teve início na Assembleia Legislativa no último dia 5, com a inclusão de uma emenda do deputado Gildevan Fernandes (PMDB) em um projeto do deputado Sérgio Majeski (PSDB), mesmo com o protesto do tucano, se consolidou na manhã desta quarta-feira (19). A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa indeferiu o pedido de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Cesan.
 
 
 
O requerimento foi lido na sessão ordinária, juntamente com os pedidos dos deputados Padre Honório (PT), José Esmeraldo (PMDB) e Gilsinho Lopes (PR) para a retirada de seus nomes do documento. Isso foi possível com a publicação nessa terça-feira (18), da Resolução que permite a retirada de assinaturas dos requerimentos após o protocolo do documento.
 
Com a retirada das assinaturas, o requerimento não conseguiu atingir os 10 nomes necessários para o pedido de abertura. De iniciativa dos deputados Euclério Sampaio e Josias da Vitória, ambos do PDT, o objetivo era investigar denúncias contra a Companhia Espírito Santense de Saneamento, como a prática de “taxas abusivas”.
 
Mantiveram a assinatura, além dos pedetistas, os deputados Sérgio Majeski (PSDB), Theodorico Ferraço (DEM), Marcos Bruno (Rede), Freitas (PSB) e Enivaldo dos Anjos (PSD).
 
Na Fase das Comunicações, Euclério Sampaio afirmou que continuará tentando emplacar a CPI. “Quem pensa que me venceu está enganado. Eu vou montar outra e vou passar todo dia colhendo a assinatura dos deputados. Por que não querem investigar a Cesan, gente? O ex-presidente (Paulo Ruy Carnelli) está denunciado na Lava Jato. O Palácio quer proteger”, afirmou o deputado.
 
Durante a Fase das Comunicações, Sergio Majeski também comentou o assunto: "Não há democracia verdadeira se segredos são mantidos. Se não há nada de errado acontecendo, não há o que se temer. Se foi tudo feito dentro dos preceitos legais e éticos, não há o que se temer. Essa CPI se faria necessária, sim. Os contratos da Cesan com a Odebrecht giram em torno de R$ 210 milhões. Diretores da Cesan se tornaram diretores da Odebretch e vice-versa. Há muita coisa nebulosa. Essas coisas precisam vir à tona", afirmou.
 
(Com informações do site da Ales)

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Tapa na cara'

Na semana do Dia do Professor, os homenageados da Assembleia: Hartung, Haroldo Rocha e a vitrine Escola Viva. É mole ou quer mais?

OPINIÃO
Editorial
Ajuste fiscal, a 'isca' do negócio
Hartung tem feito publicidade nacional para mostrar que o ES é o novo paraíso para investidores. Esconde, porém, os problemas internos, que não são poucos
Renata Oliveira
Hartung fica?
O tempo passa e nada de Hartung deixar o PMDB. Já tem gente apostando que ele não sai do partido
JR Mignone
Meio a meio
Seria esta a solução para ter uma programação de rádio com a participação de emissora de fora?
Caetano Roque
Do limão, uma limonada
É hora de o movimento sindical exercitar sua capacidade de mobilização nas negociações com as empresas
Geraldo Hasse
Está começando o ano 2018
Tudo indica que o único evento positivo do próximo ano será a Copa do Mundo
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Tapa na cara'

Ricardo Ferraço tenta construir imagem de ficha limpa e prega tolerância zero à corrupção

Está começando o ano 2018

Mais veneno para o Espírito Santo

Editora Cousa completa oito anos com festa no Centro de Vitória