Seculo

 

Deputados consolidam manobra e CPI da Cesan é indeferida


19/04/2017 às 15:46
A manobra que teve início na Assembleia Legislativa no último dia 5, com a inclusão de uma emenda do deputado Gildevan Fernandes (PMDB) em um projeto do deputado Sérgio Majeski (PSDB), mesmo com o protesto do tucano, se consolidou na manhã desta quarta-feira (19). A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa indeferiu o pedido de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Cesan.
 
 
 
O requerimento foi lido na sessão ordinária, juntamente com os pedidos dos deputados Padre Honório (PT), José Esmeraldo (PMDB) e Gilsinho Lopes (PR) para a retirada de seus nomes do documento. Isso foi possível com a publicação nessa terça-feira (18), da Resolução que permite a retirada de assinaturas dos requerimentos após o protocolo do documento.
 
Com a retirada das assinaturas, o requerimento não conseguiu atingir os 10 nomes necessários para o pedido de abertura. De iniciativa dos deputados Euclério Sampaio e Josias da Vitória, ambos do PDT, o objetivo era investigar denúncias contra a Companhia Espírito Santense de Saneamento, como a prática de “taxas abusivas”.
 
Mantiveram a assinatura, além dos pedetistas, os deputados Sérgio Majeski (PSDB), Theodorico Ferraço (DEM), Marcos Bruno (Rede), Freitas (PSB) e Enivaldo dos Anjos (PSD).
 
Na Fase das Comunicações, Euclério Sampaio afirmou que continuará tentando emplacar a CPI. “Quem pensa que me venceu está enganado. Eu vou montar outra e vou passar todo dia colhendo a assinatura dos deputados. Por que não querem investigar a Cesan, gente? O ex-presidente (Paulo Ruy Carnelli) está denunciado na Lava Jato. O Palácio quer proteger”, afirmou o deputado.
 
Durante a Fase das Comunicações, Sergio Majeski também comentou o assunto: "Não há democracia verdadeira se segredos são mantidos. Se não há nada de errado acontecendo, não há o que se temer. Se foi tudo feito dentro dos preceitos legais e éticos, não há o que se temer. Essa CPI se faria necessária, sim. Os contratos da Cesan com a Odebrecht giram em torno de R$ 210 milhões. Diretores da Cesan se tornaram diretores da Odebretch e vice-versa. Há muita coisa nebulosa. Essas coisas precisam vir à tona", afirmou.
 
(Com informações do site da Ales)

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato