Seculo

 

Estado pode perder até R$ 1 bilhão em 'acordo' com Fibria


15/05/2017 às 14:05
A crise financeira dos estados não dá sinais de ser superada, mas apesar disso o governo Paulo Hartung segue benevolente com os empresários – nem que isso afete a própria arrecadação estadual. Prova disso foi a liberação do uso dos créditos de ICMS acumulados pela antiga Aracruz Celulose (hoje Fibria), que poderá compensar o imposto devido na importação de máquinas e peças para integrar seu patrimônio. O termo de acordo assinado pelo secretário da Fazenda, Bruno Funchal, pode causar um rombo de até R$ 1 bilhão ao erário até janeiro de 2019.
 
Pelo acordo publicado no Diário Oficial desta segunda-feira (15), a empresa poderá utilizar (quase) livremente os seus créditos tributários gerados pela Lei Kandir já a partir do início de junho. Na realidade, a Fibria que praticamente não gera ICMS em suas atividades – devido à isenção de tributos das commodities (neste caso, a produção de celulose) para exportação – vai deixar também de recolher o imposto nas operações em que é devido, caso da importação dos equipamentos, transformando a benesse em um duplo prejuízo ao erário.
 
De acordo com informações do mais recente balanço financeiro divulgado ao mercado, a Fibria Celulose S/A acumulava um total de R$ 1,11 bilhão em ICMS e IPI a recuperar até o final do primeiro trimestre deste ano. O documento não revela qual é o tamanho dos créditos referentes ao tributo estadual. Hoje, o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) é a principal fonte de arrecadação da Fazenda Estadual – por exemplo, em abril, o tributo respondeu por R$ 434,4 milhões dos R$ 1,16 bilhão que entraram no caixa, ou seja, mais de um terço das receitas.
 
Esse ato de benevolência à poluidora guarda relação com a tentativa de beneficiamento da mineradora Vale que, em setembro de 2016, havia sido autorizada a utilizar R$ 129,4 milhões em créditos de ICMS acumulados. No entanto, o ato teve que ser anulado por problemas técnicas. Entretanto, o caso chamou atenção para a perda de milhões de reais em uma só “canetada”. Neste caso envolvendo a antiga Aracruz Celulose, não há sequer a menção de valores envolvidos.
 
A falta de transparência na administração de créditos tributários é alvo de questionamentos pelos órgãos de fiscalização. O Ministério Público de Contas (MPC) questiona os critérios adotados pela da Secretaria da Fazenda (Sefaz) para homologação desses créditos gerados pela Lei Kandir. Pesa ainda o fato desse tipo de benefício fiscal, casos dos termos de acordo e regimes especiais concedidos pela Sefaz, não entraram no cálculo da renúncia fiscal estimada pelo governo – que hoje já ultrapassa R$ 1 bilhão por ano.
 
Acordos dessa natureza também não são novidade no governo Paulo Hartung (PMDB). Na primeira “era Hartung” (2003/2010), o Estado beneficiou a empresa produtora de celulose com a possibilidade de uso dos créditos de ICMS na importação de equipamentos para outras unidades industriais do grupo Votorantim, que adquiriu a empresa após a crise internacional de 2008. A mesma Aracruz já havia adotado esse expediente na construção da Veracel, unidade no sul da Bahia, que era uma joint venture com a empresa finlandesa Stora Enso.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Espelho democrático

PH, com certeza, vai jogar pra frente dúvida sobre candidatura à reeleição. Mas não o vejo fora da disputa e sem mandato

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Espelho democrático

Condenados por tortura continuam trabalhando no sistema penitenciário capixaba

Junta de Impugnação Fiscal do Meio Ambiente de Vitória tem novo presidente em menos de quatro meses

Professora cobra do MEC cumprimento da lei de ensino de cultura afro-brasileira

Gestão do prefeito Chicão na Saúde é denunciada pelo Ministério Público