Seculo

 

'Candidaturas-laranja' podem tirar mandatos de oito dos nove vereadores de Bom Jesus do Norte


16/05/2017 às 14:35
Oito suplentes de vereadores de Bom Jesus do Norte, no sul do Estado pedem à Justiça Eleitoral a anulação dos votos dos titulares das vagas. A defesa dos suplentes alega que as coligações teriam inscritos "candidaturas-laranja” apenas para cumprir a cota de gênero, que estabelece que a coligação respeite a cota de 30% nas chapas proporcionais. As candidatas devem ter ainda votações consistentes, justamente para não configurar fraude.
 
Dez candidatas, por exemplo, tiveram apenas um voto ou simplesmente zeraram. Se a Justiça acatar o pedido, a Câmara, que tem nove vereadores, vai mudar completamente sua composição. A denúncia só livraria o vereador José Manoel do PDT, eleito na composição com o Pros. A coligação PDT/Pros não teria desrespeitada a cota de gênero. A denúncia atinge o presidente do Legislativo municipal, Camilo da Auto-Escola (PTN).
 
Os vereadores que podem perder os mandatos são de três coligações que não teriam respeitado a legislação eleitoral: Charles Diniz, que é vice-presidente da Casa, e Joãozinho da JB Móveis, foram eleitos na coligação PSDC e PEN.
 
A coligação PSD, PP, PV, PTN elegeu três vereadores: Camilo da Auto Escola – presidente da Câmara –, Pedrinho enfermeiro e Xandão Mudanças. Já a coligação PSDB, PRP e PSB elegeu outros três vereadores: Fernando Broa, Romeu da Auto Escola e Aquiles Zanon.
 
O caso, que parece bizarro, não é isolado. Em vários estados, a discussão sobre a fraude eleitoral, com a “inclusão de fachada” de mulheres na chapa para obedecer a cota imposta pela Justiça eleitoral, tem causado consequenciais judiciais. 
 
Até dezembro de 2016, o Tribunal Superior Eleitoral havia apurado 16.131 candidatos que terminaram a eleição municipal sem ter recebido sequer um voto. O levantamento mostrou também que o número de mulheres nessa condição era muito superior ao de homens: 14.417 candidatas contra 1.714 candidatos, quase nove mulheres para cada homem.
 
De olho nas movimentações estão os suplentes do PDT, Pros e PMN que podem ser beneficiados com a ação. Mas se a anulação das três chapas for confirmada pela Justiça, o município pode passar por um processo bem raro, uma nova eleição para vereadores, já que a anulação de três chapas pode comprometer mais da metade dos votos válidos para a eleição do ano passado. Na disputa de 2016, Bom Jesus contabilizou 6.926 votos, a grande maioria para os candidatos das três chapas.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesmo barco

Se Majeski deixar o PSDB e decidir por uma candidatura majoritária, primeiro tucano a revoar atrás será Luiz Paulo Vellozo Lucas

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Piero Ruschi
Perseguição à honra de Ruschi
Infelizmente, de nada valeram meus 14 anos de contribuição mediante a minha postura de defender o Museu Mello Leitão, criado por meu pai
Renata Oliveira
Só espuma
Os pretensos vices-presidentes Paulo Hartung e Magno Malta se mostram ao mercado, mas só terão seus encaixes em 2018
Gustavo Bastos
A adolescência e o mal
Crianças doces podem se tornar verdadeiros celerados na adolescência
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Caetano Roque
Agora é tarde
Não adianta a bancada fazer discurso a favor do trabalhador se ela votou quase à unanimidade a favor do impeachment
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

MPES quer fim do uso de comissionados na segurança da Assembleia

Mesmo barco

Mesa Diretora da Assembleia 'desomenageia' ex-presidente Lula

Agora é tarde

Arquivada denúncia de irregularidades na compra de software pelo IPAJM