Seculo

 

Prefeito de Pancas vai responder a ação penal no Tribunal de Justiça


19/05/2017 às 14:20
O prefeito de Pancas (região noroeste), Sidiclei Giles de Andrade, o Doutor Sidiclei (PDT), vai responder a uma ação penal no Tribunal de Justiça, em separado dos demais réus. A decisão é do relator, desembargador Arthur José Neiva de Almeida, que decidiu pelo desmembramento (separação) do processo. O pedetista foi denunciado pelo Ministério Público Estadual (MPES) por suposta participação na tentativa do ex-prefeito Luiz Pedro Schumacher de influenciar na eleição da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores, em 2010.

O caso tramita na Justiça há mais de cinco anos, ainda sem julgamento de mérito. A denúncia foi recebida em maio de 2012, porém, o caso retornou à primeira instância em janeiro do ano seguinte com o fim do mandato do então prefeito. No entanto, o juiz de 1º grau reconheceu em março do ano passado a incompetência da 2ª Vara de Pancas para processar a ação em decorrência do foro especial de Doutor Sidiclei, que tomou posse no cargo de prefeito no início desse ano. O processo foi remetido então ao Tribunal de Justiça para prosseguir em relação a todos os sete réus.

Na decisão assinada no último dia 11, o desembargador-relator considerou que a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) permite aos tribunais decidirem sobre a separação da ação entre os réus que têm foro especial e os que devem ser processados na Justiça comum. Arthur Neiva justificou que a medida deve assegurar uma maior celeridade no julgamento do caso.

Na denúncia inicial (0000530-88.2012.8.08.0000), o MPES acusa o ex-prefeito Luiz Pedro Schumacher e outras seis pessoas, entre vereadores à época, um advogado e o atual alcaide, da prática dos crimes de corrupção ativa, prevaricação e associação criminosa na tentativa de interferência na eleição da Câmara. Sobre a conduta de Doutor Sidiclei, o órgão ministerial cita o depoimento de uma testemunha, dando conta que o médico teria jogado R$ 25 mil no carro na tentativa de subornar um dos vereadores. Caso seja condenado pelos crimes, o pedetista pode pegar até 15 anos de prisão.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Espelho democrático

PH, com certeza, vai jogar pra frente dúvida sobre candidatura à reeleição. Mas não o vejo fora da disputa e sem mandato

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Espelho democrático

Condenados por tortura continuam trabalhando no sistema penitenciário capixaba

Junta de Impugnação Fiscal do Meio Ambiente de Vitória tem novo presidente em menos de quatro meses

Professora cobra do MEC cumprimento da lei de ensino de cultura afro-brasileira

Gestão do prefeito Chicão na Saúde é denunciada pelo Ministério Público