Seculo

 

Tribunal de Justiça nega liminar para relaxamento de prisão do tenente-coronel Foresti


19/05/2017 às 16:01
A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado (TJES) negou habeas corpus ao tenente-coronel Carlos Alberto Foresti, alvo de prisão preventiva acusado de incitar o movimento de familiares de policiais militares que paralisou o policiamento durante 22 dias no mês de fevereiro deste ano. O habeas corpus foi relatado pelo desembargador Adalto Dias Tristão, que alegou que um dos pedidos do recurso já havia sido atendido e que aguardaria a manifestação da Procuradoria de Justiça para uma decisão mais abalizada quanto ao segundo pedido da defesa.

De acordo com o advogado do tenente-coronel, Paulo César Vieira, o pedido de habeas corpus foi impetrado quando o militar ainda estava recolhido no Quartel do Comando Geral (QCG). No entanto, antes que o pedido fosse julgado, Foresti foi colocado em menagem, no equivalente à prisão domiciliar, para tratar da saúde. A menagem era justamente um dos pedidos da defesa do tenente-coronel, que já havia sido atendido antes do julgamento.

No entanto, o segundo pedido, de relaxamento da prisão, não foi atendido, sob a alegação do magistrado de que vai alegar manifestação da Procuradoria de Justiça.

O advogado, que assumiu a defesa do tenente-coronel nesta semana, vai recorrer da decisão por considerar que a prisão não se justifica mais. Ele aponta que o militar está há quase 81 dias preso, desde fevereiro deste ano, e não representa risco à sociedade e à segurança pública e que o movimento dos familiares dos policiais militares já acabou. Paulo César também ressalta que Foresti não tem qualquer influência no movimento.

O tenente-coronel Foresti ficou conhecido durante o movimento pela crise nervosa que o levou para o hospital. O oficial surtou ao saber que policiais que faziam o policiamento ostensivo a pé haviam sido baleados. Ainda sob forte emoção, ele fez circular um áudio na internet que chocou quem ouviu. Um verdadeiro desabafo sobre a situação de opressão à qual os policiais estavam sendo submetidos.

No dia 25 de fevereiro, data do encerramento do movimento, Foresti postou um texto no qual se mostra surpreso com a decretação de sua prisão. “Não me informaram o motivo até o momento, mas parece ser relativo ao movimento das esposas dos policiais militares”.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Espelho democrático

PH, com certeza, vai jogar pra frente dúvida sobre candidatura à reeleição. Mas não o vejo fora da disputa e sem mandato

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Espelho democrático

Condenados por tortura continuam trabalhando no sistema penitenciário capixaba

Junta de Impugnação Fiscal do Meio Ambiente de Vitória tem novo presidente em menos de quatro meses

Professora cobra do MEC cumprimento da lei de ensino de cultura afro-brasileira

Gestão do prefeito Chicão na Saúde é denunciada pelo Ministério Público