Seculo

 

Sindipúblicos é aceito como interessado em ação que questiona contratação temporária


15/07/2017 às 18:21
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, admitiu o Sindicato dos Servidores Públicos do Estado (Sindipúblicos-ES) como interessado na ação direta de inconstitucionalidade (ADI) 5664, em que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pede a declaração de inconstitucionalidade de leis capixabas que permitem a contratação temporária de pessoal.

Com a decisão, o sindicato passa a poder apresentar informações que subsidiam o voto dos demais ministros, produzindo provas para a decisão do julgamento em questão.

Em março deste ano, Janot ajuizou no STF a ADI 5664, com pedido de liminar, na qual questiona leis complementares do Estado que autorizam a contratação temporária de pessoal pelo governo Paulo Hartung (PMDB) na área da saúde e contra a Lei Complementar 559/2010 que contrata como temporários agentes socioeducativos e técnicos de nível superior para o Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santo (Iases). Ainda questiona a Lei Complementar 772/2014, também quanto à contratação temporária para atender a necessidades urgentes do Iases.

Na ação, Janot destaca que as leis instituíram mais de dois mil servidores como temporários, em afronta aos artigos 37 (incisos II e IX) e 39 (caput) da Constituição Federal.

“As leis complementares capixabas preveem preenchimento de postos de trabalho de natureza técnica e permanente por meio de emprego público, por contrato, ao amparo das regras da CLT [Consolidação das Leis do Trabalho], sem que tenha havido demonstração da necessidade dessa modalidade”, afirma a ADI.

O procurador-geral afirma que, desde 2004, o governo Hartung edita normas autorizando esse gênero de contratação sem elaborar edital convocatório de concurso para preenchimento permanente desses cargos, que têm natureza perene e demandam provimento efetivo. Janot argumenta que a contratação temporária só se justifica para funções de natureza transitória, não bastando indicar, no texto da lei, que sua finalidade é atender necessidade emergencial por excepcional interesse público.

“É indispensável que a necessidade na qual se baseie a norma se configure temporária, que os serviços contratados sejam indispensáveis e urgentes, que o prazo de contratação seja predeterminado, que os cargos estejam previstos em lei, e que o interesse público seja excepcional. As normas implicam clara burla da obrigatoriedade de concurso público, que, no caso, abrangeria mais de dois mil vagas”, ressalta.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Lá e cá

Enquanto Rose volta a se movimentar em Brasília, Casagrande delimita território no Estado. Cada um no seu quadrado...

OPINIÃO
Gustavo Bastos
Black Block
Pensou que a poeira iria baixar, que ele estava mascarado e ninguém iria identificá-lo. Resolveu ir ao RJ...
Geraldo Hasse
Vendilhões no comando
Os governos petistas deram mole aos Mercados, mas o MDB escancara a prática do entreguismo
Roberto Junquilho
Nem tudo o que parece é!
Investigação a Ferraço, exoneração no Iema...casos podem dar dor de cabeça aos envolvidos em ano de eleição
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Admirável mundo novo
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Familiares de soldado preso fazem manifestação em frente ao comando da PM

Bancários param atividades nas agências do BB por uma hora nesta sexta-feira

Filho de Jango vem a Vitória em março e lança candidatura à Presidência

Graffiti e o não graffiti de Renato Ren

Anama expõe argumentos ineptos da ArcelorMittal para se livrar de ação na Justiça