Seculo

 

Ufes apresenta relatório consolidado sobre lama da Samarco/Vale-BHP


15/07/2017 às 10:22

Os resultados de oito expedições realizadas pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) na plataforma continental norte do Espirito Santo, entre novembro de 2015 e dezembro de 2016, foram entregues ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) nessa sexta-feira (14).

O relatório consolidado contém estudos sobre a qualidade da água, a presença de metais pesados e a contaminação de organismos marinhos, como fitoplânctons e zooplânctons, e a presença de rejeitos depositados no fundo do oceano.

Denominado Monitoramento da Influência da Pluma do Rio Doce Após o Rompimento da Barragem de Rejeitos em Mariana/MG – Novembro de 2015: Processamento, Interpretação e Consolidação de Dados, foi produzido por uma equipe de dezenas de profissionais de diversas áreas do conhecimento e coordenado pelo professor Alex Cardoso Bastos.

Segundo divulgado pela ICMBio, os estudos mostram que, no período pesquisado, a lama se espalhou rapidamente no oceano, tanto ao norte quanto ao sul da Foz, extrapolando em ambas as direções as divisas do Espírito Santo. Foi possível perceber a presença dos metais da pluma de rejeitos desde a cidade do Rio de Janeiro até o Arquipélago de Abrolhos, na Bahia.

O ICMBio destacou que, “no banco de Abrolhos, onde o Instituto administra o parque nacional marinho, houve o registro de micropartículas de ferro, metal ainda muito presente em toda a área atingida, o que indica a necessidade de se manter o monitoramento. Há a preocupação de que os sedimentos, alojados no fundo do mar, possam estar sendo levados, lentamente, para a região pelo movimento das correntes marinhas”.

Dentro dessa grande área, foi mais fortemente atingida a região entre Barra Nova/São Mateus e Barra do Riacho/Aracruz, incluindo três unidades de conservação mantidas pelo ICMbio: a Área de Proteção Ambiental (APA) Costa das Algas e o Refúgio de Vida Silvestre (Revis) Santa Cruz, em Aracruz, e a Reserva Biológica (Rebio) Comboios, em Linhares.

Sem cadastro

O reconhecimento das comunidades do norte da Foz como atingidas, no entanto, só foi acontecer em março de 2017, por meio da Deliberação nº 58 do Comitê Interfederativo (CIF) – colegiado de entidades governamentais criado logo após o crime, para fiscalizar e deliberar sobre os programas de compensação e reparação dos danos.

Passados quatro meses da Deliberação 58, porém, a Fundação Renova, responsável pelo financiamento e execução dos programas, ainda não cadastrou as comunidades e mantém sua estratégia de tentar desarticular as comunidades, incitando disputas e desentendimentos, para enfraquecer a luta dos atingidos. As Defensorias Públicas Estadual e da União cogitam judicializar a questão, caso a Fundação não cumpra a determinação do CIF.

Em declaração a este Século Diário há cerca de um mês, o defensor público estadual Rafael Mello Portella Campos criticou a postura da Fundação Renova em continuar se negando a cadastrar as comunidades. “Indica que a Fundação não está disposta a reconhecer que a extensão do dano atingiu todo o litoral norte do Espírito Santo”, avaliou.

O sofrimento dos pescadores e moradores em geral das comunidades localizadas entre Pontal do Ipiranga/Linhares e Campo Grande/São Mateus é gritante. A escassez hídrica dos rios e manguezais, a poluição do mar e a queda nos estoques pesqueiros em todo o ambiente estuarino e marinho, que já vinha sendo sentido há muitos anos, tomou uma proporção até então inimaginável após o crime da Samarco/Vale-BHP.

Saúde

Peixes e caranguejos foram praticamente exterminados e os poucos que sobrevivem, com várias anomalias, como feridas e baixo peso, ou mesmo os que não aparentam alterações, não conseguem ser vendidos, pois o consumidor rejeita todo pescado que venha da região atingida. A população também sofre duramente com problemas de saúde, especialmente as crianças e os profissionais que mantém mais contato com a água contaminada.

Feridas na pele que não se curam afetam toda a região, além de dores de cabeça, diarréias e vários outros males. Mais impressionante do que todo o horror que se espalhou sobre a região em decorrência da lama de rejeitos, é a omissão da Fundação e do Poder Público em prestar atendimento a essas pessoas.

Órgãos de saúde e vigilância sanitária estão ausentes, deixando a população local – e também a da cidade, que, inadvertidamente consome o pescado oriundo da área atingida – sem qualquer informação sobre os problemas de saúde provocados pelo contato com a água (e consumo da água, no caso de algumas famílias sem recursos financeiros para comprar água potável) e consumo do pescado.

A situação vem sendo denunciada pelos moradores e chamou atenção do Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP), que organizou um seminário em junho passado sobre o assunto. O evento reuniu pescadores e pescadoras de toda a bacia do Rio Doce, em Minas Gerais e Espírito Santo, e impressionou os agentes pastorais, por meio de relatos do sofrimento diário dessas pessoas que convivem com a lama e o abandono dos entes que deveriam lhes atender. “O rio não é só um local de trabalho. Esse relato dos pescadores é muito profundo, porque afeta a economia e a saúde. Eles perderam um referencial de vida”, conta Ormezita Barbosa de Paula, secretária executiva do CPP.

Novos parâmetros sanitários 

Na última visita à região de Barra Seca, em São Mateus, uma das comunidades ainda não atendidas pela Fundação Renova, o oceanógrafo Joca Thomé, coordenador nacional do Centro Tamar/ICMBio, constatou mais uma vez o agravamento da situação dos pescadores após o crime. “Os pescadores relatam muita mortandade de peixes e ausência de aves nos manguezais. Esse é o quadro: ninguém pesca direito, ninguém compra os peixes de lá, eles estão realmente num quadro de miséria”, lamenta.

O relatório consolidado da Ufes já foi compartilhado pelo ICMBio com os demais membros do CIF, será enviado também para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O oceanógrafo ressalta que há outros relatórios, de outras universidades e do próprio ICMBio, já produzidos, que precisam ser enviados e reenviados à Anvisa.

Entre eles, o estudo apresentado no final de junho ao ICMBio por pesquisadores das universidades Federal do Rio Grande (Furg) e Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) e da Ufes, mostrando que a contaminação do mar e do estuário do Rio Doce entrou numa fase crônica, com alguns metais ainda aumentando sua concentração.

“É preciso ter muito cuidado”, alertou o oceanógrafo Adalto Bianchini, da Furg, enfatizando a necessidade de atuação da Vigilância Sanitária, em coro com seu colega do Centro Tamar/ICMbio. “É preciso maior envolvimento dos órgãos de saúde e vigilância sanitária. Porque muitos dos parâmetros que estão sendo identificados nem constam na legislação sanitária atual e precisam ser mais discutidos, como por exemplo altos teores de ferro, alumínio e manganês observados, cuja concentração é crescente no meio”, informa Joca Thomé

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Menino do Rio

Melhor para os fluminenses/cariocas, só se Hartung levar seu time todo de ‘craques’ para salvar o Rio de Janeiro. Receita de sucesso, mas pode chamar também de cilada...

OPINIÃO
Editorial
Vendedor de ilusões
Em recente entrevista, Hartung alertou sobre o risco dos ''vendedores de terrenos na Lua''. Estaria o governador fazendo uma autoreflexão?
Renata Oliveira
Fica Majeski?
O resultado da eleição interna do PSDB pode ser fundamental para o destino do deputado Sergio Majeski
Caetano Roque
Movimento oculto
Em vez de enfrentar a luta, alguns sindicatos evitam se expor para não sofrer críticas
Geraldo Hasse
Recuerdos de Buenos Aires
''A leitura é o melhor exercício para a memória'', afirma o psiquiatra argentino Ivan Izquierdo
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Novo comando estadual do PSDB vai definir se partido segue no projeto de Hartung ou lança candidatura própria

Tribunal de Justiça vai decidir sobre pedido de prisão do prefeito de Irupi

Conselho de Educação da Ufes repudia parceria entre governo e Ensina Brasil

Credores vão decidir sobre fim de recuperação judicial das lojas Eletrocity

Menino do Rio