Seculo

 

William Blake, mais poemas


17/07/2017 às 12:53
AS MUDANÇAS NA POESIA DE WILLIAM BLAKE
 
William Blake tem em suas obras posteriores uma mudança de orientação em relação à composição de seus poemas, a esperança revolucionária concreta de seus primeiros trabalhos, como podemos ver em Revolução Francesa e Canção de Liberdade, dá lugar a um clima mais dominado pela imaginação do que pela luta direta de ideais políticos, este mundo com demandas concretas e reais sai de cena, e temos enfim o ingresso da poesia de William Blake em temas mais metafísicos e imaginativos como a visão profética e o perdão, como uma nova utopia mais profunda que a dos temas políticos, renovação visionária da poesia de William Blake que seria direcionada a abrir as portas da percepção, o leitmotiv mais conhecido de seu legado poético e literário.
 
Essa nova orientação poética e temática estará já presente em seus poemas-profecia como América e Europa. Pois, depois de suas primeiras obras, Blake realiza a confecção de dois grandes ciclos que recebem pela crítica os títulos de Poemas Continentais e Livros de Urizen. Temos no primeiro ciclo poemas como América, uma profecia, seguido de Europa, uma profecia e A Canção de Los, poema este que, por sua vez, se divide em duas partes, que são África e Ásia. Se em América temos um Blake esbanjando otimismo, em Europa o poeta-pintor vai à dúvida e à desilusão, continuando tal estado de espírito em A canção de Los.
A mais que discutida razão do silêncio literário de William Blake a partir de 1795, que só veio a ser rompido uma década mais tarde, pode ser interpretada como efeito da aprovação naquele mesmo ano dos Dois Atos Constitucionais de William Pitt contra discursos e escritos revolucionários, o que foi de encontro às ambições revolucionárias e de propagação de ideais políticos da primeira fase da obra de Blake. E tal silêncio só acaba quando nos aparece a publicação de Milton em 1804, e neste ínterim, com Blake se dedicando antes desta publicação, durante cerca de dez anos, à composição do épico Vala ou Quatro zoas, poema este que não chegou a ser finalizado por Blake.  
 
Depois de uma revolução individual em Milton, o ponto final do projeto de transformação de Blake se dá em seu último poema, Jerusalém, já na fase em que a revolução social e histórica ou ainda política, presentes em sua primeira fase, é agora neste poema a consumação de um projeto espiritual, em sua manifestação poética, com a cidade ideal que daria fim às diferenças sociais, esta cidade sendo a Jerusalém mítica e utópica por excelência, muito diferente da Londres que conhecera e da Paris da qual o poeta tinha uma ideia. O projeto político termina em Blake com a cidade ideal, agora a consumação de um poeta conhecido como vidente e visionário, o poeta das portas da percepção, com a sua poesia da imaginação e que culmina como projeto espiritual.
 
POEMAS
 
À ESTRELA VÉSPER: O poema é um tema dedicado ao vulto estelar, primeiro ser que desponta no céu noturno, Vênus bem conhecida dos poetas delirantes, no que Blake nos diz: “Tu, anjo noturno de alva cabeleira,/Agora, enquanto o sol se inclina sobre a colina, inflama/Teu reluzente lume, coloca a radiante coroa/E sorri sobre o leito da noite!”. A ação estelar sui generis desta estrela planetária ilumina a noite, e o poema segue: “Fala em silêncio com os teus luminosos olhos/Banha de prata o crepúsculo e de repente/Te retiras enquanto enfurece o lobo,”. Bate em retirada, a estrela vésper, e o poema dá enfim um tom espiritual ao tema, com a ideia cara de proteção: “Os velos de nossos rebanhos recobriram-se/Com o teu sagrado orvalho;/Protege-os com os teus sutis sortilégios.”.
 
AO VERÃO: O poema solar se abre com a visão de Blake da tenda dourada, eis o Verão, o sol em que as flamas se arrojam, e as narinas respiram e sopram no poema, que vem: “Ó tu, que percorres nossos vales, com/Tua força, detém teus violentos corcéis, amaina as/flamas,/Que se arrojam por suas imensas narinas! Tu, Ó Verão,/Várias vezes aqui erguestes tua tenda dourada,”. A voz do Verão ecoa, e Blake segue a sua descrição vidente: “Nas paragens mais sombrias, muitas vezes escutamos/Tua voz, quando o sol sobre seu carro abrasador,/Percorre as profundezas do céu;”. Os bardos enfim aparecem, como célebres intérpretes da canção deste verão solar, e a canção é sobretudo de prazer: “Nossos bardos, que tangem a corda de prata, são famosos” (...) “Não nos faltam canções ou instrumentos de prazer,/Nem doces ecos, nem águas claras como o céu/Nem coroas de louros frente teu calor sufocante.”.
 
À PRIMAVERA: A primavera nos encanta, sua imagens são as mais ricas para a poesia e fonte das delícias infinitas para o poeta, a descrição de Blake é perfeita, da estação mais poética em que o poema segue: “Ó tu com anéis úmidos de orvalho, que contemplas/Por entre os claros vitrais da manhã, volve/Teus olhos angélicos à nossa ilha ocidental,/Que repleta de coros saúda tua vinda, ó Primavera!”. O poema saúda a vinda da primavera, e o poema segue: “Descobre as colinas do Leste, e deixa nossos ventos/Beijar tuas perfumadas vestes; Deixa-nos degustar/Teu alento da manhã e da noite; esparge tuas pérolas/Sobre nossa terra carente de amor que por ti chora.”. O amor da primavera vem preencher o vazio da terra, e assim tal terra é coroada com o perfume da primavera, que aqui é alento, lenitivo, e uma suprema alegria: “espalha/Teus ternos beijos sobre seu seio; coloca/Tua coroa dourada sobre sua lânguida cabeça,/Cujos cachos modestos foram feitos para ti!”.
 
INTRODUÇÃO DE CANÇÕES DA EXPERIÊNCIA: O poema é curto e direto, e o bardo ecoa a sua voz, que é bem delineada neste poema, no que temos: “Ouça a voz do Bardo!/Que vislumbra as Imagens;/E cujos ouvidos têm escutado/O Verbo Sagrado/Pelas remotas paragens,”. O poema segue, e finaliza, com o romper do dia, no que vem: “O chão estrelado/A imensa costa/São seus até romper o dia.”.
 
CANÇÃO LOUCA: O poema é um lamento de Blake, ecoa o vento, ele quer este sopro e a agonia aparece também, no que temos: “O vento selvagem chora,/E a noite é tão fria;/Ó sono, vem sem demora,/E abraça minha agonia;”. A desventura também eclode, e o poema segue seu rumo: “Cheias de desventuras/Minhas notas são levadas:/Batem nos ouvidos das noites escuras,/Os olhos dos dias lacrimejam/Enlouquecem os ventos que rugem,/E com as tormentas pelejam.” (...) “Persigo a noite neste instante,/E com a noite vou embora;”. Enfim, o poeta, todo angustiado, segue a noite como seu instante poético, sua canção louca que se encerra aqui.
 
POEMAS
 
À ESTRELA VÉSPER
 
Tu, anjo noturno de alva cabeleira,
Agora, enquanto o sol se inclina sobre a colina, inflama
Teu reluzente lume, coloca a radiante coroa
E sorri sobre o leito da noite!
Sorri sobre nossos encantos enquanto recolhes
As cortinas azuis do céu, esparge teu argênteo orvalho
Sobre cada flor que cerra ao sono seus doces olhos,
Deixa que o vento do oeste adormeça sobre o lago
Fala em silêncio com os teus luminosos olhos
Banha de prata o crepúsculo e de repente
Te retiras enquanto enfurece o lobo,
E o leão o escuro bosque espreita:
Os velos de nossos rebanhos recobriram-se
Com o teu sagrado orvalho;
Protege-os com os teus sutis sortilégios.
 
AO VERÃO
 
Ó tu, que percorres nossos vales, com
Tua força, detém teus violentos corcéis, amaina as
flamas,
Que se arrojam por suas imensas narinas! Tu, Ó Verão,
Várias vezes aqui erguestes tua tenda dourada, pois
muito
Temos dormido sob nossos carvalhos, contemplando
Com alegria teus rubros membros e tua opulenta
cabeleira.
 
Nas paragens mais sombrias, muitas vezes escutamos
Tua voz, quando o sol sobre seu carro abrasador,
Percorre as profundezas do céu; Na beira de nossas fontes
de um cristalino regato, despe tua túnica de
Seda e lança-te à corrente:
Nossos vales veneram o Verão em sua glória.
 
Nossos bardos, que tangem a corda de prata, são famosos
Nossa juventude é mais audaz que a do sul
Nossas donzelas são mais vivazes nas danças alegres
Não nos faltam canções ou instrumentos de prazer,
Nem doces ecos, nem águas claras como o céu
Nem coroas de louros frente teu calor sufocante.
 
À PRIMAVERA
 
Ó tu com anéis úmidos de orvalho, que contemplas
Por entre os claros vitrais da manhã, volve
Teus olhos angélicos à nossa ilha ocidental,
Que repleta de coros saúda tua vinda, ó Primavera!
 
As colinas contam umas às outras, os atentos
Vales escutam, nossos olhos ardentes elevam-se
A teus resplandecentes pavilhões: Vem,
Deixa teus pés sagrados percorrerem nossa terra.
 
Descobre as colinas do Leste, e deixa nossos ventos
Beijar tuas perfumadas vestes; Deixa-nos degustar
Teu alento da manhã e da noite; esparge tuas pérolas
Sobre nossa terra carente de amor que por ti chora.
 
Ó, veste-a com teus dedos encantados; espalha
Teus ternos beijos sobre seu seio; coloca
Tua coroa dourada sobre sua lânguida cabeça,
Cujos cachos modestos foram feitos para ti!
 
INTRODUÇÃO DE CANÇÕES DA EXPERIÊNCIA
 
(fragmento)
 
Ouça a voz do Bardo!
Que vislumbra as Imagens;
E cujos ouvidos têm escutado
O Verbo Sagrado
Pelas remotas paragens,
 
“Não mais se afasta;
E por que se afastaria?
O chão estrelado
A imensa costa
São seus até romper o dia.”
 
CANÇÃO LOUCA
 
O vento selvagem chora,
E a noite é tão fria;
Ó sono, vem sem demora,
E abraça minha agonia;
Mas olha! Chega a manhã
Ao leste sobre a montanha,
E os pássaros cantores da aurora
A terra desdenham agora.
 
Olha! Pelas alturas
Do céu azuladas,
Cheias de desventuras
Minhas notas são levadas:
Batem nos ouvidos das noites escuras,
Os olhos dos dias lacrimejam
Enlouquecem os ventos que rugem,
E com as tormentas pelejam.
 
Qual demônio esvoaçante
Que na nuvem, uiva e chora,
Persigo a noite neste instante,
E com a noite vou embora;
Darei as costas ao nascente,
Onde o consolo é crescente;
Pois a luz agarra minha mente
Com uma dor lancinante.

Gustavo Bastos, filósofo e escritor 
Blog: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Menino do Rio

Melhor para os fluminenses/cariocas, só se Hartung levar seu time todo de ‘craques’ para salvar o Rio de Janeiro. Receita de sucesso, mas pode chamar também de cilada...

OPINIÃO
Editorial
Vendedor de ilusões
Em recente entrevista, Hartung alertou sobre o risco dos ''vendedores de terrenos na Lua''. Estaria o governador fazendo uma autoreflexão?
Renata Oliveira
Fica Majeski?
O resultado da eleição interna do PSDB pode ser fundamental para o destino do deputado Sergio Majeski
Caetano Roque
Movimento oculto
Em vez de enfrentar a luta, alguns sindicatos evitam se expor para não sofrer críticas
Geraldo Hasse
Recuerdos de Buenos Aires
''A leitura é o melhor exercício para a memória'', afirma o psiquiatra argentino Ivan Izquierdo
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Novo comando estadual do PSDB vai definir se partido segue no projeto de Hartung ou lança candidatura própria

Tribunal de Justiça vai decidir sobre pedido de prisão do prefeito de Irupi

Conselho de Educação da Ufes repudia parceria entre governo e Ensina Brasil

Credores vão decidir sobre fim de recuperação judicial das lojas Eletrocity

Menino do Rio