Seculo

 

Deputado questiona terceirização da gestão do Himaba


17/07/2017 às 15:28
Na sessão ordinária da manhã desta segunda-feira (17), na Assembleia Legislativa, o deputado Sergio Majeski (PSDB) fez um discurso a respeito da iminente entrega do Hospital Estadual Infantil e Maternidade Alzir Bernardino Alves (Himaba), em Vila Velha, para gestão da organização social (OS) Instituto de Gestão e Humanização. De acordo com o deputado, há um esforço da Secretaria de Estado de Saúde (Sesa) para transferir a gestão para a OS, sem a discussão no Conselho Estadual de Saúde (CES).

Majeski disse que o Conselho foi apenas comunicado da intenção de terceirização da gestão do hospital, mas não foi convocado para participar das discussões.

O processo para terceirização da gestão do Himaba teve início em abril deste ano, com o lançamento do Edital 001/2017, da Sesa. Depois do lançamento, o Ministério Público Estadual (MPES) ingressou com ação civil pública pedindo anulação do certame até que o Estado adotasse as providências necessárias para sanar as irregularidades.

O pedido foi acatado pelo juiz Aldary Nunes Júnior, da Vara de Fazenda Pública de Vila Velha, que determinou a suspensão do edital.

De acordo com o diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Saúde do Estado (Sindsaúde-ES), Daniel Pereira da Silva, o Estado alegou que sanou as irregularidades, embora não seja possível comprovar, e seguiu com o processo, que teve o IGH como vencedor.

Proclamado o resultado, o sindicato e o conselho gestor do hospital protocolaram nova denúncia no Ministério Público em virtude das irregularidades cometidas pelo IGH em outros estados.

A OS administra unidades em diversos municípios e acumula denúncias de quebra de contrato. No estado do Piauí, por exemplo, o Tribunal Regional do Trabalho da 22ª Região (TRT-PI) determinou a suspensão do contrato entre a Secretaria de Saúde do Piauí (Sesapi) e o IGH que tornava a OS responsável pela gestão do Hospital Justino Luz, no município de Picos.

O contrato havia sido firmado sem a discussão e participação dos atores envolvidos. Uma comissão parlamentar descobriu diversas irregularidades no contrato e, junto com sindicatos de servidores, ingressaram com a ação questionando a contratação.

Em 2016, funcionários do IGH que atuavam no Hospital Roberto Santos, em Salvador, chegaram a paralisar as atividades por falta de pagamento de salários.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'O Cara'

Hartung tirou esse restinho de ano para tentar emplacar, de vez, a imagem de político probo e que não tolera a corrupção. Não pode ver uma brecha, que logo sobe no palco...

OPINIÃO
Editorial
Fadiga de material
Com a CPI dos Maus-tratos ameaçada, Magno Malta pode perder sua mais nova bandeira eleitoral
Piero Ruschi
Perseguição à honra de Ruschi
Infelizmente, de nada valeram meus 14 anos de contribuição mediante a minha postura de defender o Museu Mello Leitão, criado por meu pai
Renata Oliveira
Assunto sério
Até que ponto entrar em assuntos polêmicos é uma boa pedida para o processo eleitoral?
Gustavo Bastos
A adolescência e o mal
Crianças doces podem se tornar verdadeiros celerados na adolescência
Geraldo Hasse
Solta a bola, Gilmar
Memoráveis contradições envolvem o uso de cargos públicos no Brasil
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Voto em branco
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Ato em Colatina marcará dois anos do ''mar de lama'' da Samarco/Vale-BHP

Hartung tenta entrar no debate nacional dando conselhos a Temer

STF nega suspensão da ordem de prisão contra Valci Ferreira

Justiça proíbe transferência dos alunos de escolas rurais em Alegre

Mantida execução da pena de ex-presidente da Assembleia Legislativa