Seculo

 

TJES mantém absolvição de ex-prefeita de Viana em ação de improbidade


10/08/2017 às 12:39
A 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado (TJES) confirmou a absolvição da ex-prefeita de Viana e ex-deputada estadual Solange Lube, que respondia à ação de improbidade por supostas irregularidades nas obras de reforma de um casarão no município, em 2007. Os desembargadores mantiveram a sentença de 1º grau, que inocentou a ex-prefeita de todas as acusações. O Ministério Público Estadual (MPES), autor da ação, sequer chegou a recorrer à segunda instância contra a absolvição.

No julgamento realizado no último dia 1º, o relator do caso, desembargador Dair José Bregunce de Oliveira, afastou a tese ministerial de que teriam ocorrido irregularidades na assinatura de um aditivo após o término da obra. “A necessidade de ampliação foi apontada durante a execução das obras por fiscal de obras públicas e não excedeu a 25% do valor total do contrato”, lembrou. Por conta disso, “não restando configurado o elemento subjetivo e nem a prática de atos ímprobos, a ação deve ser julgada improcedente”.

Na sentença de 1º grau, em julho de 2015, o juízo da 3ª Vara da Fazenda Pública Estadual absolveu a ex-prefeita e o ex-pregoeiro do município, Rômulo José da Rocha, também denunciado. O magistrado de piso até reconheceu que a solução encontrada pelos denunciados – de ampliar o valor do contrato após o encerramento da obra – não foi a mais adequada no âmbito legal, mas que o serviço foi “satisfatoriamente realizado pela construtora”, o que também afastaria a eventual alegação de lesão ao erário.

Consta nos autos que a empresa teria apresentado uma proposta inicial de R$ 231 mil, mas foram pagos mais R$ 48,89 mil à empresa AJCJ Construção Civil Ltda, responsável pela reforma e construção do anexo Casarão. A denúncia do MPES narra que a empresa teria dado continuidade à reforma mesmo sem cobertura orçamentária, valor que foi indenizado pelo município após a conclusão da obra.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato