Seculo

 

Grupo de deputados quer ter protagonismo no processo eleitoral de 2018


10/08/2017 às 13:43
De olho no processo eleitoral do próximo ano, um grupo de deputados se une na Assembleia Legislativa para conquistar o protagonismo na disputa. Para isso, os parlamentares contam com um trunfo para as articulações, projetando o nome do deputado Amaro Neto (SD) para o pleito ao Senado, em 2018. 
 
Outro nome na manga seria o de Erick Musso (PMDB). O presidente da Casa pode compor chapa como vice do governador Paulo Hartung, caso ele dispute mesmo a reeleição para o governo do Estado.
 
O grupo reúne mais da metade do plenário, com chances de atrair mais deputados. Além de Erick Musso e Amaro Neto, também fazem parte da composição os deputados Dary Pagung (PRP), Rafael Favatto (PEN), Eliana Dadalto (PTC), Enivaldo Dos Anjos (PSD), Gildevan Fernandes (PMDB), Gilsinho Lopes (PR), Hudson Leal (Podemos), Jamir Malini (PP), Janete de Sá (PMN), José Esmeraldo (PMDB), Marcelo Santos (PMDB), Marcos Mansur (PSDB), Raquel Lessa (SD), Rodrigo Coelho (PDT)  e Sandro Locutor (PROS). 
 
Os deputados entendem que o capital político de Amaro Neto cria condições de fortalecer o grupo no processo do próximo ano, garantindo uma boa ocupação de espaços, mesmo com as incertezas do cenário e das regras eleitorais do próximo ano. 
 
O deputado também parece disposto a entrar na disputa ao Senado. Essa movimentação assusta os ocupantes das vagas atuais, principalmente o senador Magno Malta (PR), que tem um eleitorado com perfil parecido com os dos eleitores de Amaro. Embora não tenha muito traquejo político e um apagado desempenho parlamentar, Amaro Neto tem uma grande popularidade graças ao programa policialesco que apresenta. 
 
A presença dele no palanque puxando uma candidatura ao Senado, levaria o grupo de deputados juntos, fortalecendo suas disputas à reeleição para a Assembleia no ano que vem. O nome ao lado de Amaro deverá ser o do senador Ricardo Ferraço (PSDB), mas o deputado do SD não deve fazer campanha conjunta como geralmente acontece nas disputas ao Senado. O parlamentar tem uma popularidade intransferível e tem se descolado cada vez mais de aliados. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato