Seculo

 

Associação contesta aumento no tempo de formação de soldados no Estado


10/08/2017 às 16:00
A nova Lei de Promoção da Polícia Militar do Estado traz, entre as alterações propostas pelo governo do Estado, através da Lei Complementar 864/17, publicada na última quinta-feira (3), o aumento no tempo de formação do soldado, sem, contudo, haver mudanças nesta formação. Desta forma, uma pessoa que ingresse na Polícia Militar – entre aprovação e inicio do trabalho nas ruas – poderá levar até dois anos e meio para efetivamente iniciar o serviço.
 
O presidente da Associação de Cabos e Soldados do Estado (ACS/PMBM-ES), o sargento Renato Martins Conceição, questiona os métodos do governo em aumentar o tempo de formação de um soldado sem mexer na qualidade do curso de formação.
 
A partir da nova lei, os candidatos terão que fazer dez meses de academia e outros dez na rua, no estágio operacional, quando serão avaliados e, concluída esta etapa o aluno será promovido a soldado ou desligado após avaliação, ou seja, serão quase dois anos só de formação, sem contar o período de espera entre a aprovação em concurso e os trâmites para ingresso na corporação.
 
Segundo o sargento, só o aumento no tempo de formação isolado é um engodo. Ele ressalta que a posição da associação sempre foi de que mudar apenas o tempo de formação não iria melhorar em nada, mas o governo optou por essa via. Apesar do aumento no tempo de formação, não houve qualquer reformulação na grade curricular do curso.
 
Para garantir uma melhor formação aos soldados é preciso observar aspectos como estrutura da academia, métodos de ensino, grade curricular e processo de seleção dos instrutores, não somente o tempo de curso.
 
Estados como Minas Gerais, Santa Catarina e o Distrito Federal formam um soldado em sete meses de curso, em média. Inclusive, Minas Gerais tem uma das policias mais respeitadas do País e é referência na formação dos militares.
 
O corpo docente do curso de formação daquele estado é designado a partir do banco de docentes credenciados pela Academia de Polícia Militar e a grade curricular é estruturada a partir de áreas temáticas, previstas na Matriz Curricular Nacional.
 
O presidente da ACS ressalta que o tempo de formação dos militares no Estado se assemelha ao do estado de São Paulo, com a diferença que naquele estado se sai com um diploma de curso superior da Academia.
 
O aumento na formação também pode refletir no policiamento das ruas. A partir da nova lei, não haverá mais turmas com efetivo superior a 350 alunos, sendo que o Estado já tem déficit de 1,4 mil policiais militares.
 
Enquanto a formação se prolonga, as aposentadorias de militares são contínuas, o que deve agravar ainda mais esse déficit. “A população vai pagar o preço, como sempre”, diz Renato.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Declaração de guerra

Luciano Rezende inflou tanto a candidatura de Denninho, para se livrar da única oposição que sofria na Câmara, que acabou arrumando um problemão dentro de casa

OPINIÃO
Editorial
Operação seletiva
Mandado de busca coletivo cumprido nesta quinta (17) em Jesus de Nazareth viola Estado Democrático de Direito
Renata Oliveira
A escolha de Sofia
Os prefeitos do Estado têm de escolher entre Rose de Freitas ou Paulo Hartung
Geraldo Hasse
Pedalando rumo ao Norte
Até quando os brasileiros se deixarão governar por quem não os representa?
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Sopa de Letrinhas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Nós não conseguimos passar duas eleições com a mesma regra'

Placar ambiental da minuta do PDU de Vitória está empatado

A escolha de Sofia

Debate sobre o serviço de limpeza deve dominar eleição extemporânea em Fundão

Resultado final de concurso para cartórios no Espírito Santo é ratificado