Seculo

 

Em Vitória, Boulos faz críticas ao poder imobiliário, ao governo Temer e às esquerdas


10/08/2017 às 19:34
Em palestra para cerca de 100 pessoas no auditório do Museu Capixaba do Negro (Mucane), no Centro de Vitória, o dirigente do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e liderança nacional da luta por moradia, Guilherme Boulos, explicou limpidamente por que tantas famílias ocupam terrenos e prédios vazios Brasil afora. 
 
“Não é uma escolha, é uma falta de escolha”, sintetizou, na tarde desta quinta-feira (10). O evento foi promovido pela Frente Povo Sem Medo. 
 
“As pessoas pouco se dispõem a perguntar o que é que leva alguém a ir para uma ocupação. Morar de favor, num cômodo de fundo, não ter como pagar um aluguel, ser despejado. Morar numa área de risco. Essa é uma situação de milhões de brasileiros”, começou.
 
Para Boulos, a moradia precária não são casos isolados. São, antes, frutos de uma forma específica de organização das cidades. “Desde a formação das cidades brasileiras, sempre que há uma expansão urbana, uma expansão imobiliária, isso é apropriado por poucos e expulsa a maioria. A expansão na maioria das vezes significa expulsão”, completou.
 
A introdução preparou o terreno para ele desvendar a lógica ainda vigente do desenvolvimento urbano no Brasil, que coloca o planejamento das cidades a cargo do poder imobiliário e não do poder público. Boulos reconheceu o crescimento econômico registrado nos anos dos governos petistas. Mas ressalvou que, do ponto de vista habitacional e urbano, a prosperidade foi desigual.
 
“Quando se tem um modelo de desenvolvimento em que o centro é dar crédito para as construtoras, para as empreiteiras, essa turma pega a grana que ganha e compra terra - hoje no Brasil praticamente não há terra pública nas cidades, porque foi ou grilada, lá atrás, ou comprada pelas grandes construtoras. O que acontece quando só o setor privado, só as construtoras, têm a terra? Acontece que elas mandam o que vai acontecer nas cidades. Porque a condição de fazer política urbana é ter terra. Isso é o básico”.
 
Um processo que engendrou a brutal especulação imobiliária registrada no Brasil entre 2008 e 2014. Segundo Boulos, a valorização da terra nas capitais brasileiras chegou a 200% em média. Uma valorização que expulsa os mais pobres. Em especial, quem não tem moradia própria e paga aluguel.
 


“Se valoriza uma região e chega um transporte público, um metrô, numa região que antes era na periferia, para quem não tem casa própria, a primeira coisa que vai acontecer é a expulsão. Quando o metrô chega na periferia, a periferia foge do metrô, porque o aluguel aumenta, todo o custo de vida naquela região aumenta”.
 
Resultado: as famílias são lançadas para as bordas das cidades e novas periferias se formam.
 
Boulos destaca a importância de instrumentos de controle e regulação social como o Estatuo da Cidade e o IPTU progressivo para conter a lógica vigente de desenvolvimento urbano no Brasil. 
 
“As cidades quando crescem desse jeito, sem que o poder público tenha controle, quem determina o crescimento é a construtora. E ela vai fazer isso com base no lucro, não na inclusão. A cidade termina por se formar uma grande máquina de criar sem-teto”. 
 
Ele teceu elogios com ressalvas a outro rebento da era petista. Agora para mostrar que se resolve o falta de moradia sem reconfigurar a lógica vigente de organização urbana. Embora com problemas, um dos quais ser fonte de lucro das construtoras, o Minha Casa, Minha Vida (MCMV) preencheu um vácuo de 20 anos nos programas federais de moradia popular. 
 
Em 2008, destacou, um ano antes do lançamento do programa, o déficit habitacional brasileiro registrava 5,3 milhões de famílias. Em 2012, quando o MCMV já havia erigido 1 milhão de casas, o déficit não recuara. Pelo contrário: saltou para 5,8 milhões de famílias. 
 
“O ritmo de produzir novos sem-teto - pelo despejo, pelo aumento do aluguel, pela lógica da especulação - foi mais alto do que o ritmo de construir moradias. Então, não adianta pensar só em construir moradia sem combater a lógica que tira moradia das pessoas”.
 
Por isso, concluir, as ocupações cresceram tanto no Brasil. Em São Paulo, os movimentos triplicaram entre 2013 e 2014 em relação aos anos anteriores.
 
Governo Temer e as esquerdas 
 
“O golpe foi para aplicar um projeto, aplicar uma agenda, que não foi eleita pelo povo brasileiro e não seria eleita pelo povo brasileiro. Imagine vocês o sujeito chegar e falar: o meu projeto é acabar com a aposentadoria, é destruir direito trabalhista e é congelar gasto com saúde e educação. Alguém votaria nesse cidadão?”.
 
Boulos também pintou um cenário desalentador para as demandas sociais no governo Michel Temer (PMDB). Ao mesmo tempo, apontou a saída para a esquerda nacional se reconciliar com os eleitores: retornar às bases. Ou, popularmente, sujar o pé de barro.
 
“É um projeto de desmonte nacional para destruir o país e destruir direitos sociais. è isso que está sendo aplicado no Brasil. Não podemos ter meias palavras no momento porque é gravíssimo o momento histórico que estamos vivendo. Em um ano, eles estão demolindo os três pactos nacionais que foram construídos durante um século”, disse, sobre a gestão Temer.
 
O primeiro pacto se refere aos programas sociais e às políticas de valorização do salário mínimo dos governos petistas - “com todos os seus limites, não tocaram nos privilégios históricos da nossa classe dominante”. Ressaltou que, este ano, os dissídios de quase todas as categorias foram fechados abaixo da inflação.
 
O segundo pacto solapado é a Constituição de 1988, que garantia uma oferta pelo estado de uma rede mínima de proteção social, como saúde pública, educação pública e previdência social. Classificou como “Des-Constituinte”, a PEC 55, aprovada ano passado e que restringe gastos públicos por 20 anos. “Aquilo revogou a Constituição de 88”.
 
O terceiro é o pacto varguista, com o desmonte da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada por Getúlio Vargas, pela Reforma Trabalhista aprovada mês passado. “Foi revogada a CLT com a Reforma Trabalhista. Vão completar, se conseguirem, com a Reforma da Previdência, que querem votar de novo”.
 
Boulos alertou que o cenário de recessão jogou para mais longe reivindicações que já pareciam distantes. “A crise social agrava a crise urbana. Se já estava difícil quando tinha algum tipo de investimento, em transporte, por exemplo, embora muito abaixo do necessário... E agora que secou tudo? As cidades brasileiras pouco a pouco vão virando um barril de pólvora”.
 
O líder do MTST crê que as reformas do governo Temer acenderam um pavio que inexoravelmente vai estourar. “A crise social vai estourar no Brasil e vai estourar essencilamernte a partir das periferias. Há um bolsão de desempregados cercando as cidades”. Os movimentos por moradia sentem os efeitos: Boulos conta que, em maio, mil pessoas ocuparam um terreno em Guarulhos, região metropolitana de São Paulo, em uma ação do MTST. Três semanas depois a ocupação registrava seis mil pessoas.
 
“Não sei se vai acontecer daqui a um ano, daqui a cinco anos. O que eu sei é que nós temos que estar no lugar certo e preparados para essa história”, disse.
 
Ao final, convocou a esquerda a uma autocrítica. “Nós fizemos a lição de casa nos últimos anos? Nós fomos fazer o trabalho de base? A maioria não”, questionou, após reconhecer que o processo de impeachment de Dilma Rousseff transcorreu sem resistências significativas. “A maior parte da esquerda, e mesmo dos movimentos sociais, ficou querendo disputar espaço em governo, achando que eleição resolvia todo o problema”.
 
A esquerda, em suma, abandonou a luta “pelas pequenas demandas dos bairros”: aqui avultou o papel das igrejas evangélicas e neopetencostais nas periferias. 
 
“E na política não existe espaço vazio. Quem ocupou os espaços nas periferias foram essencialmente as igrejas evangélicas e neopetencostais. Fez o que a esquerda deixou de fazer. Foram, algumas com interesses inconfessáveis, se enraizar no povo. Olha o resultado. Hoje mobilizam e se tornaram uma força incrível na sociedade brasileira”.
 
Boulos sublinhou que a maioria das famílias das ocupações do MTST são evangélicas. “E vejam, não é evangélico que fica esperando as coisas caírem do céu. São daqueles que levam pneu para as rodovias para lutar contra o Temer, para lutar por moradia”.
 
Ele também criticou com elegância o preconceito das esquerdas com os evangélicos. Certo dia, perguntou a uma companheira de ocupação de 60 anos: “Por que você está na igreja?”. Simples. “Estou na igreja porque nunca na minha vida tinham lembrado do meu aniversário”, respondeu a mulher. 
 
“A gente pode achar isso pouco coisa, uma besteira. Mas enquanto a gente está achando isso uma besteira, a maioria do povão lá fora está achando nossas conversas uma besteira”. Foi aplaudido. Para ele, a esquerda tem uma dificuldade incrível: construir espaços onde as pessoas se sintam bem.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Declaração de guerra

Luciano Rezende inflou tanto a candidatura de Denninho, para se livrar da única oposição que sofria na Câmara, que acabou arrumando um problemão dentro de casa

OPINIÃO
Editorial
Operação seletiva
Mandado de busca coletivo cumprido nesta quinta (17) em Jesus de Nazareth viola Estado Democrático de Direito
Renata Oliveira
A escolha de Sofia
Os prefeitos do Estado têm de escolher entre Rose de Freitas ou Paulo Hartung
Geraldo Hasse
Pedalando rumo ao Norte
Até quando os brasileiros se deixarão governar por quem não os representa?
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Sopa de Letrinhas
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Nós não conseguimos passar duas eleições com a mesma regra'

Placar ambiental da minuta do PDU de Vitória está empatado

A escolha de Sofia

Debate sobre o serviço de limpeza deve dominar eleição extemporânea em Fundão

Resultado final de concurso para cartórios no Espírito Santo é ratificado