Seculo

 

Editora Cousa lança duas novas obras na próxima semana


11/08/2017 às 10:36
De um lado, poesia. Do outro, prosa. Dois autores que, geograficamente, ocupam polos opostos no Espírito Santo: Jorge Verly, de São Mateus, Norte do estado, e Danyel Sueth, de Alegre, ao Sul. Separados por mais de 400 quilômetros de distância e por gêneros literários distintos, eles têm em comum o fato de terem sido contemplados, no ano passado, pelo edital de literatura da Secretaria de Estado da Cultura (Secult-ES). 
 
Voz, de Jorge Verly, e Os Dalmarco, de Danyel Sueth, integram agora a coleção Safra ’17, da Editora Cousa, e têm lançamento marcado para esta terça-feira (15) no espaço Cousa Bar Café, Centro de Vitória.
 
Na obra de Verly, que reúne 67 poemas, a temática central é a voz e suas polissêmicas possibilidades de leitura: a beleza da voz humana, a palavra escrita como corpo da voz, a voz individual do poeta, o diálogo com outras vozes poéticas. Dividido em três partes, o livro tem como ponto de partida a ideia de que há uma voz silenciosa (mas bastante potente) por detrás das letras impressas no papel e que também constitui o poema. Com seus versos, Verly se lança na captura do sentido e da beleza (e também do horror) que há no ato de falar, vocalizar, emitir guturais sons ou delicados sussurros.
 
Os Dalmarco, por sua vez, marca a estreia de Danyel Sueth como romancista (muito embora sua experiência com as letras venha de longa data, como músico e também dramaturgo). Em seu primeiro romance, narra a saga de uma família consumida por uma revelação do patriarca, feita em seu testamento, de acontecimentos insólitos relacionados ao seu sucesso empresarial, dando início a uma história envolvente.
 
Com uma linguagem rápida e contemporânea, explorando ora o humor, ora o lirismo, a trama percorre o seio da boemia carioca, a vida no samba, a luxúria dos bordéis e mergulha em um mar turbulento de relações humanas complexas.
 
Em Os Dalmarco, Sueth expõe sem pudores a natureza humana, tão imperfeita quanto atraente. Imprevisível como a vida, a obra se aprofunda em investigações inerentes ao pensamento contemporâneo, numa roupagem quase cinematográfica. 
 
Sobre os autores
Jorge Verly nasceu em 1981, em São Mateus, onde mora. Licenciado em História, é mestre em Letras e doutorando em Letras. Leciona História na rede estadual do desde 2000. Escreve e publica artigos e trabalhos na área de Estudos Literários em periódicos e livros, tendo especial interesse pelas interfaces entre a literatura e a música popular. Está concluindo uma tese de doutorado sobre o cancioneiro de Sérgio Sampaio à luz da filosofia de Theodor W. Adorno. Publicou, em 2014, o livro de poemas Calendário, editado pela Secult e fruto do edital do Funcultura de 2013.
 
Danyel Sueth nasceu em 1982, em Bom Jesus do Itabapoana (RJ). Reside em Alegre há mais de 14 anos. Formado em Direito, é advogado, dramaturgo e ator. Como músico, é guitarrista e vocalista da banda Estado de Sítio, com a qual já lançou os álbuns Aparências (2006) e Estiagem (2017). No ano passado, estreou ainda um projeto musical solo, chamado Voxer.
 
Serviço
Voz, de Jorge Verly, e Os Dalmarco, de Danyel Sueth, serão lançados nesta terça-feira (15), a partir das 19h, no espaço Cousa Bar Café. R. Sete de Setembro, Centro, Vitória. Quanto: R$ 20 (cada livro).

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato