Seculo

 

GEF Mar contrata consultores para criação de UCs marinhas no Espírito Santo


12/08/2017 às 10:43
A cadeia submersa de montanhas Vitória-Trindade e a Foz do Rio Doce são dois dos maiores patrimônios ambientais do mundo e estão entre as quatro áreas selecionadas pelo governo federal para apoiar a criação de unidades de conservação (UCs) marinhas.

A fase atual é de análises dos currículos dos consultores individuais que se candidataram a levantar e compilar dados que subsidiarão os estudos para as UCs. Função que está a cargo de uma comissão a ser formada pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio).
 
As duas futuras UCs capixabas já acumulam um processo de discussões e estudos preliminares desenvolvidos por universidades, organizações não governamentais e outros coletivos. “O que se quer é um ordenamento e compatibilização dos usos”, resume Heloisa Dias, coordenadora do Colegiado Mar da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (RBMA/Unesco) e do Grupo Conexão Abrolhos–Trindade, junto com a ONG capixaba Voz da Natureza.

A fala de Heloisa se refere ao processo de Vitória-Trindade, que ela coordena, mas é válida também para a Foz do Rio Doce, onde os estudos se iniciaram formalmente em 2001, também com recursos do Funbio e realização da Fundação Pró-Tamar, e com objetivo de compatibilizar os diversos usos em curso, a princípio conflitantes entre si.

As embrionárias unidades de conservação nascerão com a delicada missão de conciliar a proteção de uma das maiores biodiversidades do mundo – tartarugas marinhas, baleias jubarte, espécies de peixes recifais e algas calcáreas – com interesses econômicos poderosos relacionados à exploração de petróleo e minerais e à navegação, além da soberania nacional, no caso específico da ilha oceânica de Trindade, a 1.200 km da costa.
 
A contratação dos consultores será feita pelo Projeto Áreas Marinhas Protegidas (GEF Mar), desenvolvido desde 2014 pelo governo federal e tem um investimento inicial de US$ 18,2 milhões, a serem aplicados até 2019. O recurso é oriundo do Fundo Ambiental Global (GEF, na sigla em inglês), via Banco Mundial, e conta com contrapartidas do governo brasileiro, por meio do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Funbio.

A decisão veio logo após a participação do Brasil em um encontro da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Na ocasião, a delegação brasileira destacou o ODS 14, referente aos Oceanos.

Abrolhos capixaba

A região da Foz do Rio Doce já faz parte do Banco de Abrolhos, mais famoso pelo Parque Nacional localizado no sul da Bahia, mas cujas características únicas de berçário, alimentação e abrigo de inúmeras espécies, muitas delas ameaçadas de extinção, já se iniciam no litoral norte do Espírito Santo, onde a plataforma continental se alarga abruptamente.

Em 2001, os primeiros estudos indicaram a criação de uma Reserva de Desenvolvimento Sustentável. Em seguida, o amadurecimento das discussões desaguou para outra categoria dentro do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (Snuc): Área de Proteção Ambiental (APA), sugestão que até o momento prevalece, mas que pode ser alterada à medida que novos estudos forem feitos, agora com financiamento do GEF Mar.

Os recursos para a construção da futura UC estão previstos no Termo de Transação e Ajuste de Conduta (TTAC) relativo ao crime da Samarco/Vale-BHP, como uma das formas de compensação aos danos causados na Bacia do Rio Doce e no litoral capixaba, após o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), no dia cinco de novembro de 2015.

Divisor nacional de águas

Na divisa entre o norte e o sul capixaba, a cadeia montanhosa submersa Vitória-Trindade na verdade estabelece um divisor de águas nacional, pois é um ponto de bifurcação de correntes marítimas, que geram condições únicas nos ecossistemas locais.

A região é considerada Hotspot (classificação dada às regiões no planeta de maior biodiversidade e também maior ameaça por ações humanas) e é citada em decretos de conservação da biodiversidades e documentos internacionais.

Apesar do enorme viés conservacionistas que circunda essas montanhas submarinas, o objetivo final é a sustentabilidade ampliada, inclusive econômica. Pois as unidades de conservação marinha, via de regra, exercem a função de manutenção dos estoques pesqueiros. São locais mais protegidos para a reprodução dos peixes e outros organismos marinhos, que repovoam as regiões do entorno, favorecendo a pesca.

Heloisa Dias conta que a partir de 2007, os estudos sobre a região se intensificaram, a partir da decisão de declará-la a primeira Reserva da Biosfera Marinha no Brasil. Como toda Reserva da Biosfera, o objetivo é promover a articulação de políticas públicas voltadas ao uso sustentável e à promoção de conhecimento científico, conciliando exploração econômica e proteção da natureza, daí porque as Reservas são o principal instrumento do Programa Homem e Natureza (MAB) da Unesco.

A partir de 2010, as expedições científicas avançaram muito, colocando informações estratégicas à disposição. “Os estudos mostram que é viável conciliar esses usos do setor produtivo e a conservação. Basta localizar e adotar as tecnologias adequadas”, afirma a coordenadora.

Uma Grécia protegida no mar

Além das duas UCs capixabas, está prevista a criação de uma unidade em Albardão, no Rio Grande do Sul, e uma nos Recifes da Foz do Rio amazonas, no Pará, e a ampliação do Parque Nacional Marinho de Abrolhos, no sul da Bahia.

O objetivo do Projeto GEF Mar é aumentar para 5% a superfície protegida do bioma marinho, totalizando 175 mil km², área maior do que a Grécia. As ações devem beneficiar em torno de 43 milhões de pessoas, ao longo de 514 mil km² do litoral brasileiros.

As medidas trarão melhorias sociais e econômicas decorrentes da proteção da capacidade dos ecossistemas costeiros e marinhos de produzir alimentos e manterão a boa qualidade da água, além de potencializarem as condições de resistência e recuperação da degradação.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mesa aberta

Sergio Majeski não deve definir, agora, seu destino partidário. Mas já tem duas certezas: não fica no PSDB, nem aceita compor numa vice em chapa majoritária

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Os pequenos se movem
Para garantir verba do fundo partidário, siglas como o PCdoB têm que apresentar chapa majoritária em 2018. E, no Estado, como fica?
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Com festa no Palácio Anchieta, governador sanciona lei de socorro aos municípios

Militares do Estado contestam governo Hartung em ADI protocolada no Supremo

Os pequenos se movem

Vereador de Vitória aponta manobra para reduzir R$ 12 milhões da Educação em 2018

Greve vai parar ônibus da Grande Vitória na terça-feira, anuncia sindicato