Seculo

 

APTA lança campanha para recuperação de nascentes no norte do Estado


17/10/2017 às 17:15
Uma oportunidade para quem quiser apoiar a recuperação de nascentes em comunidades quilombolas, camponesa e em assentamentos no norte do Espírito Santo foi aberta pela Associação de Programas em Tecnologias Alternativas (APTA), por meio de um projeto de financiamento colaborativo na Plataforma Catarse.
Até o dia 11 de dezembro, os interessados podem fazer suas doações e apoiar a ong, uma das mais antigas e atuantes do Estado nessa empreitada. O objetivo é beneficiar pelo menos duas comunidades quilombolas em Conceição da Barra, um assentamento em São Mateus e uma comunidade camponesa em Boa Esperança. Mas outras também estão na expectativa, caso a campanha consiga arrecadar mais fundos e mais parceiros se somem.
As mudas serão compradas no viveiro da comunidade quilombola Angelim 2, que é tocado por um grupo de mulheres há cerca de dez anos, e sempre doa mudas para os mutirões de reflorestamento realizados pelos moradores do Sapê do Norte, formados pelos municípios de Conceição da Barra e São Mateus.
Na divulgação da Campanha, o chamado para os doadores é para, juntos, “construirem áreas de preservação, produção de alimentos saudáveis e garantirem água para as gerações futuras”. Trabalho que já vem sendo feito pela ong há 27 anos e que, em vários momentos, contou com o apoio do Ministério do Meio Ambiente, de agências financiadoras de crédito e outros órgãos municipais, estaduais e federais.

Atualmente, no entanto, o Estado tem se eximido de ajudar e as comunidades e a APTA tem encontrado muita dificuldade para dar continuidade aos mutirões de reflorestamento, à produção agroecológica e à comercialização em feiras livres.
Na última reunião com a Prefeitura de Conceição da Barra, em agosto, por exemplo, os representantes do prefeito admitiram que o Poder Público municipal “não vê necessidade” de apoiar o trabalho da ong e que em 2018 irá mapear as comunidades com as quais a entidade atua para começar a prestar algum tipo de apoio.

Já o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) disse que a instituição não tem recursos “nem gasolina” para chegar até o Território Quilombola. Além disso, criticou a ong por fazer esse trabalho, sem o devido mapeamento de todo o território e um projeto formal de reflorestamento. Ou seja, “nem apoia nem deixa a gente fazer”, reclama a coordenadora geral da APTA, Gessi Cassiano, liderança na comunidade quilombola de Linharinho.
As comunidades quilombolas e os camponeses são um público invisível aos olhos do Estado. E os acampados e assentados da Reforma Agrária criminalizados pelo mesmo Estado que deveria lhes prover direitos fundamentais. São eles, justamente, o público prioritário de atuação da APTA, que tem, entre seus principais parceiros o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).
“Nosso objetivo é manter a APTA funcionando e dar continuidade aos projetos na qual ela atua em cinco municípios”, informa a divulgação do projeto, destacando ainda a campanha permanente no combate ao uso de agrotóxicos. “Estudos indicam que cada brasileiro consome, via alimentos, uma média de cinco litros de agrotóxicos por ano”, diz.
A entidade não tem fins lucrativos e entre seus associados estão agricultores, professores universitários, estudantes, profissionais liberais e voluntários, todos ligados à agroecologia. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'O Cara'

Hartung tirou esse restinho de ano para tentar emplacar, de vez, a imagem de político probo e que não tolera a corrupção. Não pode ver uma brecha, que logo sobe no palco...

OPINIÃO
Editorial
Fadiga de material
Com a CPI dos Maus-tratos ameaçada, Magno Malta pode perder sua mais nova bandeira eleitoral
Piero Ruschi
Perseguição à honra de Ruschi
Infelizmente, de nada valeram meus 14 anos de contribuição mediante a minha postura de defender o Museu Mello Leitão, criado por meu pai
Renata Oliveira
Assunto sério
Até que ponto entrar em assuntos polêmicos é uma boa pedida para o processo eleitoral?
Gustavo Bastos
A adolescência e o mal
Crianças doces podem se tornar verdadeiros celerados na adolescência
Geraldo Hasse
Solta a bola, Gilmar
Memoráveis contradições envolvem o uso de cargos públicos no Brasil
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Voto em branco
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Ato em Colatina marcará dois anos do ''mar de lama'' da Samarco/Vale-BHP

Hartung tenta entrar no debate nacional dando conselhos a Temer

STF nega suspensão da ordem de prisão contra Valci Ferreira

Justiça proíbe transferência dos alunos de escolas rurais em Alegre

Mantida execução da pena de ex-presidente da Assembleia Legislativa