Seculo

 

Sindiupes recorrerá ao MP e à Câmara contra militarização de escola em Montanha


09/01/2018 às 16:42
A intervenção do Ministério Público do Espírito Santo (MPES) será pedida na próxima semana visando impedir a concretização da proposta da prefeita de Montanha, Iracy Baltar (DEM), de transformar uma escola fundamental do município em escola militar. 
A informação é do professor Ildebrando José Paranhos, da Secretaria de Comunicação e Divulgação do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Espírito Santo (Sindiupes). Ele anunciou que uma outra providência do sindicato será recorrer à Câmara Municipal, visando alertar os vereadores da gravidade da medida, e pedindo rejeição do projeto da prefeita. 
 
No caso de a prefeita Iracy Baltar apresentar seu projeto para criação da escola militar e houver reunião extraordinária da Câmara Municipal no atual recesso legislativo, o Sindiupes se fará presente. Havendo risco de votação, o magistério se mobilizará, e também convidará a sociedade local a participar dos protestos. Vigilantes sobre os passos da prefeita estão os representantes do Sindiupes em Pinheiros e Mucurici. 
 
Ildelbrando José Paranhos informou que o projeto de militarização das escolas no Brasil  surgiu a partir  da criação das chamadas Escolas Sem Partido. E se trata de projetos que visam afastar do processo educacional disciplinas como sociologia e filosofia, que têm a função de possibilitar ao educando fazer suas opções de vida. 
 
Em lugar de conteúdos que tornam o aluno atuante, capaz de fazer escolhas, os estudantes são doutrinados a obedecer, dentro da concepção dos militares de disciplina e hierarquia, que são os pilares da doutrina militar. 
 
O dirigente do Sindiupes lembra que a sociedade não quer uma educação como a praticadas nas escolas militares. E que para barrar projetos desta natureza, os professores estão mobilizados.
 
No caso da proposta da prefeita de Montanha, criticas à prefeita Iracy Baltar foram disparadas pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE)  e também pela direção estadual do Psol no Espirito Santo. O Psol argumenta que a  militarização de escola em Montanha  afronta a Constituição Federal.
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Editorial
2017 que se arrasta
Manifestação da procuradora-geral da República não poupa críticas ao governo Hartung na condução da greve da PM do ano passado
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Quarenta e um presos morreram entre março de 2015 e fevereiro de 2018 no Estado

Ato pela legalização do aborto será realizado na próxima segunda-feira em Vitória

Etapa Vitória

Pommercine: uma mostra de filmes pomeranos no Espírito Santo

Parques de Vitória recebem R$ 13 milhões de compensações ambientais