Seculo

 

Concessionária da BR 101 no ES vence licitação da concessão de trecho do Rodoanel em SP


10/01/2018 às 21:33
A Ecorodovias, que faz parte da ECO 101, empresa que administra a BR 101 no Espírito Santo, é agora titular da concessão do trecho Norte do Rodoanel paulista, pelo que pagou R$ 883 milhões. A Ecorodovias  é a maior acionista da ECO 101, através da EcoRodovias Concessões e Serviços S.A. (ECS). 
O resultado do leilão foi anunciado nesta quarta-feira (10). A Ecorodovias venceu a  oferta de R$ 517,8 milhões, da italiana Atlantia.
 
A Ecorodovias, com sua oferta de R$ 883 milhões, pagou um ágio de 90,97% em relação ao valor mínimo fixado pela outorga, de R$ 462,3 milhões, segundo a B3, que realizou o leilão. 
 
A entrega da primeira parte do trecho Norte do Rodoanel ocorrerá no primeiro semestre e o restante, no segundo semestre, de acordo com o governo de São Paulo. 
 
Com quatro trechos, o anel viário foi iniciado em 2002. Com a entrada em operação do trecho leiloado agora, o Rodoanel completará o trajeto no entorno da região metropolitana da capital. 
 
O projeto compreende a concessão de cerca de 45 quilômetros do trecho por 30 anos. Os investimentos previstos a cargo da concessionária vencedora são calculados pelo governo paulista em R$ 600 milhões, além de um pouco mais de R$ 1 bilhão para a operação ao longo do contrato. 
 
No Espírito Santo, a Ecorodovias, juntamente com os outros acionistas no consórcio ECO 101, é acusada de não cumprir o contrato de concessão, particularmente em relação à duplicação de parte da BR 101. Estreita e com tráfego intenso, são comuns os acidentes, muitos deles verdadeiras tragédias, pelo elevado número de mortes. 
 
A EcoRodovias Concessões e Serviços S.A. (ECS) é titular de 58% das ações da ECO 101, que tinha também em seu quadro os consórcios Centauros Participações Ltda (formado por empresas capixabas), com 27,50% das ações, e o grupo gaúcho Grant Concessões e Participações Ltda, com 14,5% das ações. Até maio de 2017, a concessionária havia arrecadado um total de R$ 550 milhões, segundo a própria empresa, e R$ 800 milhões, aproximadamente, segundo observadores, como deputados que cobram dela obrigações.
 
Em dezembro passado, porém, os consórcios capixaba e gaúcho anunciaram que venderam suas ações. Foram considerados irresponsáveis por arrecadarem dinheiro com o pedágio, sem fazer sua parte na melhoria da rodovia.
 
O contrato que privatizou a BR-101 foi assinado em 2013. Já no ano seguinte, começou a cobrança de pedágio, com suscessivos reajustes, mesmo sem a contrapartida prevista.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Lá e cá

Enquanto Rose volta a se movimentar em Brasília, Casagrande delimita território no Estado. Cada um no seu quadrado...

OPINIÃO
Geraldo Hasse
Vendilhões no comando
Os governos petistas deram mole aos Mercados, mas o MDB escancara a prática do entreguismo
Roberto Junquilho
Os calos da esquerda
Apesar de possuir lideranças bem posicionadas, a esquerda só aparece quando os fatos são diretamente ligados ao cenário político partidário
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Admirável mundo novo
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Diretora-presidente do Iema é exonerada do cargo

Os calos da esquerda

Comitê em Defesa de Lula é criado no Estado

Atílio Vivácqua decreta luto oficial de três dias por morte de prefeito

Relatório internacional de Direitos Humanos destaca violência policial no Brasil