Seculo

 

Concessionária da BR 101 no ES vence licitação da concessão de trecho do Rodoanel em SP


10/01/2018 às 21:33
A Ecorodovias, que faz parte da ECO 101, empresa que administra a BR 101 no Espírito Santo, é agora titular da concessão do trecho Norte do Rodoanel paulista, pelo que pagou R$ 883 milhões. A Ecorodovias  é a maior acionista da ECO 101, através da EcoRodovias Concessões e Serviços S.A. (ECS). 
O resultado do leilão foi anunciado nesta quarta-feira (10). A Ecorodovias venceu a  oferta de R$ 517,8 milhões, da italiana Atlantia.
 
A Ecorodovias, com sua oferta de R$ 883 milhões, pagou um ágio de 90,97% em relação ao valor mínimo fixado pela outorga, de R$ 462,3 milhões, segundo a B3, que realizou o leilão. 
 
A entrega da primeira parte do trecho Norte do Rodoanel ocorrerá no primeiro semestre e o restante, no segundo semestre, de acordo com o governo de São Paulo. 
 
Com quatro trechos, o anel viário foi iniciado em 2002. Com a entrada em operação do trecho leiloado agora, o Rodoanel completará o trajeto no entorno da região metropolitana da capital. 
 
O projeto compreende a concessão de cerca de 45 quilômetros do trecho por 30 anos. Os investimentos previstos a cargo da concessionária vencedora são calculados pelo governo paulista em R$ 600 milhões, além de um pouco mais de R$ 1 bilhão para a operação ao longo do contrato. 
 
No Espírito Santo, a Ecorodovias, juntamente com os outros acionistas no consórcio ECO 101, é acusada de não cumprir o contrato de concessão, particularmente em relação à duplicação de parte da BR 101. Estreita e com tráfego intenso, são comuns os acidentes, muitos deles verdadeiras tragédias, pelo elevado número de mortes. 
 
A EcoRodovias Concessões e Serviços S.A. (ECS) é titular de 58% das ações da ECO 101, que tinha também em seu quadro os consórcios Centauros Participações Ltda (formado por empresas capixabas), com 27,50% das ações, e o grupo gaúcho Grant Concessões e Participações Ltda, com 14,5% das ações. Até maio de 2017, a concessionária havia arrecadado um total de R$ 550 milhões, segundo a própria empresa, e R$ 800 milhões, aproximadamente, segundo observadores, como deputados que cobram dela obrigações.
 
Em dezembro passado, porém, os consórcios capixaba e gaúcho anunciaram que venderam suas ações. Foram considerados irresponsáveis por arrecadarem dinheiro com o pedágio, sem fazer sua parte na melhoria da rodovia.
 
O contrato que privatizou a BR-101 foi assinado em 2013. Já no ano seguinte, começou a cobrança de pedágio, com suscessivos reajustes, mesmo sem a contrapartida prevista.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

De demolidor a demolido

Até outro dia, o MDB era o partido mais importante do Estado, mas entrou em agonia com a interferência de PH

OPINIÃO
Editorial
2017 que se arrasta
Manifestação da procuradora-geral da República não poupa críticas ao governo Hartung na condução da greve da PM do ano passado
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Quarenta e um presos morreram entre março de 2015 e fevereiro de 2018 no Estado

Ato pela legalização do aborto será realizado na próxima segunda-feira em Vitória

Etapa Vitória

Pommercine: uma mostra de filmes pomeranos no Espírito Santo

Parques de Vitória recebem R$ 13 milhões de compensações ambientais