Seculo

 

Servidores decidem fiscalizar indícios de ilegalidades cometidas pela direção do Iema


12/01/2018 às 21:05
Uma série de constatações e indícios de irregularidades cometidas pela direção do Instituto Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) terão um acompanhamento mais próximo pelos servidores da instituição, segundo deliberações da assembleia da categoria realizada nessa quinta-feira (11), a pedido do Sindicato dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Estado (Sindipúblicos).

Os itens levantados foram a contratação de DTs, cujo edital está em elaboração, a licitação do restaurante, a regulamentação do banco de horas, a reestruturação da autarquia e a ação civil pública impetrada pelo Ministério Público do Trabalho, referente a condições de trabalho na instituição.

Em sua página na internet, o Sindipúblicos informa que irá solicitar uma reunião com a gestão da autarquia para que a mesma discuta, junto com os servidores, as limitações e especificidades de cada setor, como as unidades de conservação e a fiscalização, evitando que servidores venham ser prejudicados no estabelecimento do Bando de Horas.

Os servidores também decidiram por melhor acompanhar o processo licitatório cobrando transparência e participação desses junto à direção do Iema.

A assembleia determinou ainda que a entidade encaminhará as medidas jurídicas necessárias, em caso de publicação de edital de contratação de DT’s que fujam às normais legais.

Sobre os processos judiciais em curso contra o órgão, foram mencionadas a ação civil pública em que o Sindipúblicos questiona a reestruturação do Iema e a Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adi) em que o Ministério Público (MPES) reconhece a ilegalidade da mesma. O sindicato entrará como amicus curiae na ação civil pública em que o Ministério Público do Trabalho questiona as condições do trabalho dos servidores do Iema após denúncias do Sindicato.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Atlas da Violência: Serra e São Mateus registraram o maior índice de homicídios

As novas roupagens da censura

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura

A raposa cuidando do galinheiro