Seculo

 

Movimentos Sociais se unem à luta dos defensores públicos capixabas


13/04/2018 às 14:58
Em Plenária realizada nessa quinta-feira (12), representantes de entidades da sociedade civil engrossaram o apoio aos defensores públicos capixabas. Como resultado do encontro, foi construída uma agenda de mobilizações de apoio à valorização da categoria; a primeira delas será uma audiência pública, cuja data será anunciada e deverá acontecer na Assembleia Legislativa na próxima semana. Além disso, um novo documento será divulgado repudiando o sucateamento da instituição. 
Atualmente, são 167 defensores que atendem apenas 26 dos 78 municípios, com remuneração que é a metade das demais carreiras jurídicas. 
 
Convocada pela Associação dos Defensores Públicos do Espírito Santo (Adepes), a plenária, realizada na Cúria Metropolitana de Vitoria, contou com a presença de mais de 30 entidades que abraçaram a causa da categoria. “Nem foi preciso realizar a fala inicial, que era a de sensibilizar sobre a necessidade de valorização dos defensores. Ficamos muito felizes porque os próprios movimentos sociais já estão convencidos disso e querem partir para a mobilização”, explicou o diretor jurídico da Adepes, o defensor Rafael Mello Portella, que atua no Núcleo de Defesa Agrária e Moradia (Nudam). 
 
Portella completou: “Eles se mostraram até preocupados com a saúde dos defensores e têm razão. Estamos no limite e, se nada for feito, vários serviços de atendimento serão desestruturados”, alertou.  
 
Eixos
Na reunião, foi consenso de que existem quatro eixos a serem trabalhados para fortalecimento da Defensoria Pública do Espírito Santo (DPES): a democratização, a estruturação, a qualificação e a autonomia financeira. Dessa forma, a entidade estaria mais apta e fortalecida para cumprir seus deveres constitucionais. No caso do Espírito Santo, a instituição atua em áreas fundamentais e em defesa de comunidades mais vulneráveis, exemplo: os atingidos pelo crime ambiental da Samarco/Vale-BHP, em defesa dos direitos humanos dos presos e de adolescentes do sistema socioeducativo, pelo direito à moradia, em defesa dos idosos, da juventude e da comunidade LGBTT. 
 
Para o coordenador do Círculo Palmarino-ES, Lula Rocha, as entidades do movimento social estão convencidas de que a desvalorização da Defensoria também é um problema político, em função dos trabalhos que os profissionais realizam que, muitas vezes, colidem com os próprios interesses do governo. "Vamos mobilizar a sociedade e também realizar um trabalho de conscientização para esclarecer sobre o importante trabalho que a Defensoria realiza".  
 
O presidente da Adepes, Pedro Paulo Coelho, reforça as informações já amplamente divulgadas e que demonstram o sucateamento da DPES. Segundo ele, 13 profissionais foram nomeados recentemente; no entanto, 20 deixaram a Defensoria no último ano. Outro dado preocupante: o governo estadual reduziu a participação da Defensoria Pública no orçamento estadual de 0,44% (em 1999) para míseros 0,397% (2017)”.  
 
O atendimento da DPES nos municípios capixabas também poderia ser ampliado com a nomeação de mais defensores, tendo em vista que a DPES possui mais de 100 cargos vagos e que dependem de aumento do oçamento. Ao todo, 102 aprovados no último concurso do órgão aguardam por suas nomeações. O representante da comissão dos defensores aprovados, Vitor Ramalho, ressalta que a defasagem de profissionais no Estado gera morosidade no andamento dos processos. 
 
Um projeto de lei – o PLC 17/2018 – foi protocolado no último dia 10 na Assembleia Legislativa para redefinir a remuneração inicial de defensor para R$ 22,7 mil (atualmente, o salário inicial da categoria é R$ 10,4 mil). O projeto está sendo apreciado pelas comissões de Justiça, Cidadania e Finanças. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Secom
'Esquenta'

Com a a abertura das convenções partidárias, nesta sexta-feira, o mercado ganhou maior intensidade com o racha na base de Hartung

OPINIÃO
Editorial
Mais uma porta na cara
O racismo institucional do Palácio Anchieta ficou ainda mais claro com a presença do jornalista Willian Waack, demitido da Rede Globo por comentários racistas
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

Chapa de deputados estaduais do PCdoB se arma para fortalecer Givaldo Vieira

A importância das eleições

Comando da PM não comparece em audiência de conciliação no Tribunal de Justiça

Largada embolada

'Esquenta'