Deus foi ao cinema

Gastando-se mais tempo no ir e vir do trabalho do que trabalhando, a distração é identificar e decifrar as placas personalizadas dos carros. Nova tela onde tudo é possível, desde que se pague um pouquinho mais. Ajudam a passar o tempo e para o usuário têm múltiplas funções: prestam homenagens, transmitem recados, ideias e conceitos e são fáceis de memorizar. Com tantos carros iguais no estacionamento do shopping,  como identificar o seu?

 

Os mais comuns são nomes de pessoas ou mix de nomes, como JOHNISA, de John e Isa; nomes de times esportivos e países –  tem BRASIL 1 e BRASIL 2, pois se o nome é repetido põem números.  Meu favorito, I FORGOT. O que foi esquecido de tão importante pra gravar numa placa que dura a  vida toda? E é bom lembrar disto antes de pôr o nome da pessoa amada, nesses tempos em que os amores acabam mais depressa que sorvete.  Quem não perdoou: MORON. Os pedidos de casamento aqui tentam surpreender, portanto, não foi surpresa deparar com essa joia: MARRYME.

 

Tem manifestações religiosas, como BUDA, e como não poderia faltar, GOD. Acho que Deus é o mais popular, porque já vi GOD 666. Portanto, alegrai-vos: a fé ainda resiste a tempos tão materialistas. Mesmo quem não reza lembra dele toda hora: Ai meu Deus, Deus nos acuda, Deus ajuda quem cedo madruga, Deus é testemunha, Juro por Deus, Só Deus sabe,  Fé em Deus e pé na tábua; o homem põe e Deus dispõe, Deus é grande, Deus é pai… Sem falar que ainda vemos muitos carros com terços pendurados no espelho retrovisor, mesmo se Deus nunca andou de carro.

 

E embora sem nunca ter ido ao cinema, Deus é um dos personagens favoritos da sétima arte, sempre muito lembrado e explorado, como O Todo Poderoso (2003), Êxodo (2004); A volta do Todo Poderoso (2007); Noé (2014), para citar apenas alguns mais recentes. Tem até Deus é brasileiro (2003), um segredo bem guardado pelos brasileiros. Em 2016 foram lançados vários filmes sobre Deus, com destaque para O Jovem Messias. Mas ter Deus como personagem não garante as bênçãos divinas: o filme Deus não morreu (2016), é um pecado mortal.

 

Mesmo confiando em Deus, sugiro trancar as portas e dirigir com cuidado. Não esqueça o cinto de segurança e se beber não dirija nem digite. “Melhor deixar sem resposta do que morto”, gritam os outodoors das  highways, lembrando que a dobradinha volante e celular está expressamente proibida pela lei de Deus. Mas quem é Deus? A Bíblia diz que é o criador do universo, o que Camões lindamente explica: “Quem fez esse rotundo globo / e sua superfície tão limada / é Deus, mas quem é Deus ninguém entende / que a tanto o engenho humano não alcança”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *