Brasileira expulsa de Miami

Primeiro de abril
Primeiro de abril

Fechamos o mês de março com uma terrível apreensão: quem vai me pegar nesse auspicioso dia primeiro de abril de sol e ventos brandos? Caindo num sábado, mais tempo terão os engraçadinhos de fazer graça às minhas custas, o que não será nem um pouco engraçado para mim. Não foi por falta do que fazer que criaram o dia dos tolos – somos todos tolos, na verdade, e um dia a mais ou a menos não faz muita diferença.

Nos meus tempos de criança o dia era levado a sério, e a gente saía de casa em estado de alerta, sabendo que uma pegadinha poderia acontecer a qualquer momento. Mesmo porque, na véspera a gente ia pra cama tarde, bolando quem pegar, e como. Hoje, com tantos aparelhinhos nos distraindo, o evento está caindo em desuso. Ou estamos perdendo a criatividade. Há várias versões das origens do dia dos tolos, portanto pesco na Internet a que mais me agrada. Ou a que considerei mais plausível.

Depois de intensas pesquisas, um professor da Universidade de Boston, em Massachusetts – onde minha neta se prepara para ser médica – encontrou uma versão até então ignorada. O dia dos tolos começou no reinado de Constantino, quando um grupo de bobos da corte disse ao imperador que eles poderiam administrar Roma melhor que ele. Constantino achou a ideia tão engraçada que nomeou um dos palhaços, chamado Kugel, rei dos romanos por um dia.

Um parenteses aqui para lembrar que Constantino criou Constantinopla, que foi capital do Império Romano; do Império Bizantino, também chamado Império Romano do Oriente; do Império Latino; e quando tomada pelos turcos, do Império Otomano. Na Idade Média, Constantinopla foi a maior e mais rica cidade da Europa. Nesse primeiríssimo primeiro de abril, Kugel determinou que o povo fizesse coisas absurdas. A brincadeira agradou e se tornou um evento anual, que depressa se espalhou pelo resto do mundo.

Essa explicação foi publicada em vários jornais no dia primeiro de abril de 1983, e bem aceita nos meios acadêmicos. Levou uma semana para a Associated Press descobrir que a história foi inventada – eles haviam caído num primeiro de abril. Mas ninguém foi executado, porque essas pegadinhas nos jornais eram comuns em tempos antanhos. Uma das mais antigas e famosas ocorreu em Londres, em 1698, quando publicaram a notícia de que ocorreria na Torre de Londres a cerimônia anual da lavagem dos leões.

O povo acorreu para assistir, mas obviamente não havia leões sendo lavados. A brincadeira agradou tanto que o povo a adotou, e a cada primeiro de abril as pessoas avisavam outras sobre o evento, principalmente turistas e visitantes estrangeiros. E uma multidão se formava no local – os que iam para ver a lavagem dos leões, e os que iam para rir deles. Mas aí os espertinhos começaram a vender bilhetes para a cerimônia.

Mas abril, espremido entre o esplendor de maio e a suavidade de março, tem outros encantos
e foi eleito o mês da poesia! E ainda dizem que a vida está perdendo a poesia, ou que a lira poética esteja se extinguido. Digitando ‘poesia’ no Google.br, encontrei 71 milhões de resultados. digitando ‘Poetry’, surgiram 160 milhões. O que não significa que uns sejam mais poéticos que os outros. Para comemorar, encerro a coluna com um trecho do poema Motivo, de Cecília Meirelles: “Eu canto porque o instante existe / e a minha vida está completa. Não sou alegre nem sou triste: sou poeta”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *