Vitamina C e ingratidão

Apesar de todos os avanços da tecnologia, a gripe continua desafiando a decantada sabedoria humana. Pisamos na lua, já descobriram até as causas do mal de Alzeihmer, quase tudo no corpo humano pode ser trocado por outro órgão em melhores condições, mas a gripe continua desmoralizando a ciência, inabalável e teimosa. A prateleiras das farmácias estão cheias de ofertas tentadoras, que aliviam mas não evitam, e todas as vacinas já inventadas previnem a doença, menos a da gripe.

Vitamina C e cama, diz o povo, e os antigos diziam que canja de galinha era um santo remédio. No tempo da famigerada gripe espanhola, que nem espanhola era, os médicos apelaram para o caldo de galinha, por falta do que receitar. Em pouco tempo já não havia galinácio disponível, até galo virava sopa. Hoje a medicina moderna confirma a sabedoria popular: sopa de galinha é, de fato, um santo remédio para encurtar e amenizar os efeitos da gripe. E mais zinco e probióticos, mas só no começo.

Se gripe é ruim em todos os dias do ano, imagina no dia do casamento do filho único, quer dizer, nunca mais outra chance de brilhar na passarela. Foi o que aconteceu com Gladys, e embora todos acorressem com fórmulas mágicas infalíveis, nada conseguiu desligar o chafariz do nariz e interromper a tosse constante, que seriam agravados pelo excesso de flores no altar. A sugestão de remover as flores quase acabou com o noivado pouco antes de virar vida-a-dois.

De jeito nenhum, onde já se viu casamento sem flores? grita a noiva. Onde já se viu casamento sem a mãe do noivo? Vamos ter que adiar, ameaça o noivo. Tô indo pra igreja, quem quiser que me siga, ela determina. E todos a seguiram, a mãe sob uma dose cavalar de alguma poção que a deixou meio grogue, levando o filho para o altar sem tossir e assoar o nariz. Melhor dizendo, sendo arrastada. Gladys esperou o padre declarar diante de 200 testemunhas que o filho estava definitivamente casado, e desmaiou.

O filho a levou para o hospital e a festa se realizou num clube elegante, afinal já estava tudo pago e sem direito a reembolso. Sem o noivo, mas a noiva se divertiu bastante. Por pouco, esse seria o primeiro casamento desfeito por causa de uma gripe. O filho quis cancelar a lua de mel, Não posso deixar minha mãe no hospital com pneumonia, sou filho único. Outra vez a noiva fica irredutível, O hotel tá pago e sem direito a cancelamento, portanto, vou sozinha. Foi, e se divertiu bastante.

Assim como a gripe tem resistido aos avanços da medicina, o amor também tem resistido a muitos desafios. O casamento do filho da Gladys vai indo bem, e embora ela tenha pago a lua de mel do casal, não guardou rancores. Talvez no futuro criem uma vacina que erradique a gripe definitivamente, ou que elimine a ingratidão no coração humano. Difícil decidir qual das duas é pior. Gladys nunca reclamou da nora, mas comenta lá com seus bordados, Se fosse a mãe dela, meu filho teria ido sozinho pra lua de mel?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *