Alô, telefonista?

Alô, telefonista?

tele

Acordo com o suave piiiim do Whats’app familiar, e ao invés das habituais informações sobre as banalidades do dia, deparo com uma estranha mensagem: ‘Estejam todos informados que o telefone fixo de minha residência foi definitivamente desativado – a linha cancelada e o aparelho doado ao GoodWill, onde espero que outros dele façam bom uso. Desculpem o transtorno mas garanto que nenhum animal foi sacrificado no processo’.

Enquanto os demais recipientes dessa alarmante mensagem simplesmente apagaram o referido número de seus celulares, sem sequer derramar uma lágrima, essa que rabisca essas linhas ficou, e ainda está, em estado de choque, por razões fáceis de entender. O telefone ora inexistente estava em nossas agendas há 17 anos, colaborando ativamente na comunicação familiar. Atado a outros números constantemente usados, era quase um membro da família, extrapolando sua missão comunicante.

Quando enguiçava era um deus-nos-acuda; quando não atendido era uma ofensa. Muitas vezes um tira-teima, Mas te liguei mil vezes, diz um; Chequei a memória e não tem nehuma mensagem… diz o outro. Ou o contrário, Liguei, Não ligou… Checa seu telefone, tem 8 chamadas minhas não atendidas. E um frio aparelho eletrônico tem o poder de prova em juizo. Tinha, porque está morrendo, como o fogão a lenha e o aparelho de barbear com lâminas descartáveis gilete.

Com essa deserção fico sendo a última da família a manter um telefone fixo, hoje considerado obsoleto e acusado de ocupar muito espaço. Todos da minha descendência já aderiram ao celular como forma de interagir com o mundo, auxiliados pela parafernália de emails, mensagens de texto, redes sociais. Faço uma rápida pesquisa entre amigos e habituais suspeitos, e todos se espantam com meu espanto, “Qual o problema com seu celular?” Mudou o mundo ou não mudei eu?

O telefone fixo que hoje ocupa 15 cm da minha estante nada tem a ver com os telefones que ocuparam espaços bem maiores nos muitos locais onde me acomodei nesses anos que vou desfrutando, repletos de outros espantos. No Alegre da minha infância não havia telefone – para comunicações urgentes ia-se à estação ferroviária, cujo aparelho se comunicava com as estações
de trem mais próximas.

No outro lado da linha, o agente mandava um moleque de recados levar a mensagem e trazer a resposta. Ou a passava para a próxima estação. Pelo menos esse serviço era gratuito. Fora isso, as comunicações importantes eram feitas por telegramas cobrados por palavra, eficientes mas caros. Quando o mensageiro chegava com a entrega, havia sempre uma expectativa –boa ou má notícia? Por telegrama fui informada que meu romance, O longo amanhecer azul, ganhou o 1o. Prêmio São Paulo de Literatura.

De surpresa em surpresa os telefones foram invadindo nossas vidas, e nos tornamos cada vez mais dependentes desse truque de Mandrake. Por que ir pessoalmente se posso usar o telefone? Mas quando Alexander Grahan Bell foi ao banco pedir financiamento para seu ‘mecanismo para transmitir voz e outros sons telegraficamente’, o motivo da recusa foi, “Por que usar um aparelho se posso falar pessoalmente? Frase essa listada entre os grandes erros da história.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *