Helena e Elena

2ef6936dce2699ab259630f34a0263af

Preparando as malas para a próxima temporada de férias, a família se assusta – Mas já? O tempo voa, mas não nos deixa esquecer que em junho, no século passado (1945), aconteceu o Dia D, assim chamada a Invasão da Normandia pelas forças aliadas, pondo fim à Segunda Grande Guerra. No entanto, o fato que encerrou um dos piores conflitos da história ganha pouco destaque na mídia, sempre ocupada com mazelas mais recentes.

 

Essa foi a maior operação de guerra já realizada até hoje , com 185 mil soldados americanos, ingleses e canadenses desembarcando em três praias da França. Mas guerras temos desde que o primeiro homídio cobiçou a mulher do vizinho, ou seja, a do segundo homídio. Ou vice-versa. Em 1184 AC, a cidade de Troia foi saqueada e queimada, de acordo com os cálculos de Eratóstenes, geógrafo e astrônomo grego, o primeiro a calcular com precisão a circunferência da Terra. Portanto, se ele disse…

Mas Troia teria mesmo existido ou é uma das maiores obras da ficção literária, que venceu o tempo e supera os best-sellers modernos? Talvez tenha existido uma cidade chamada Troia, que foi arrasada por uma guerra, uma vez que as guerras eram comuns entre as cidades-estados gregas. Mas a lenda superou a história. Esse foi o único conflito armado causado por uma rivalidade entre mulheres. Mesmo deusas, mas nessa guerra as mulheres tiveram papeis relevantes, como Helena.

Outra Elena, essa bem moderna, também provocou uma guerra, desta vez na área de marketing. Ou mais precisamente dos cosméticos, que vicejam no farto jardim da vaidade feminina. Modo de dizer, que os homens também. Parece distração de dondocas ociosas, mas a indústria dos cuidados da pele fatura por ano algo em torno de 121 bilhões no mundo todo. Só os americanos gastam 11 bilhões. Serão mais bonitos que nós? A Elena de hoje, bela como sua antecessora, foi ‘descoberta’ num shopping center, e não estava fazendo compras. Era faxineira.

Uma câmera distraída captou-lhe o rosto, e mais uma Cinderela faz história. O fotógrafo ocasional era um caça-talentos, gente que ganha a vida procurando gente para manter girando as engrenagrens do consumo desenfreado. Hoje isso se chama marketing, mas já se chamou reclame, anúncio, propaganda, publicidade. Rubem, fotógrafo mau caráter passando por uma crise de falta de sorte, percebe que seus dias de miséria chegaram ao fim. Não é a toda hora que se depara com uma Giselle pronta para a fama.

Convencendo a jovem a nomeá-lo seu agente exclusivo, Rubem vendeu o belo rosto não apenas para uma, mas duas empresas de cosméticos, obviamente rivais. Recebeu sua comissão adiantada e sumiu no mundo, deixando a bela com os nervos à flor da pele. A disputa foi parar nos tribunais, que como se sabe, são como o labirinto de Creta – depois que ali entram não saem mais. Após gastar horrores com propinas e advogados, a empresa mais esperta finalmente derrotou a rival, tirando-a sumariamente do mercado. Ou seja, queimando-a completamente.

Mas já era tarde demais para Elena – a eterna juventude existe, mas só para quem pode comprar bons cosméticos. Para compensar o prejuízo, a empresa vencedora lançou uma nova linha de creme rejuvenescedor, Helena de Troia, que está vendendo horrores. Enquanto isso, guerras piores nos afligem, como a invasão dos mosquitos. Procuro desesperadamente a vacina contra febre amarela nas farmácias, postos de saúde e clínicas médicas que nem Hermógenes – outro filósofo grego? – procurava um homem honesto: de lanterna na mão. As pessoas consultadas se espantam, “Febre amarela, o que é isso?” Pois é, em pleno século da tecnologia, tem muita gente que trabalha nas áreas de saúde e nunca ouviu falar em febre amarela. Se até Monteiro Lobato conhecia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *