O caso da pequena felicidade

flor

O caso da pequena felicidade

Quando iniciei no emprego atual, há 11 anos, encontrei na lixeira um vaso com uma planta meio murcha, descartado pela antecessora ao desocupar o recinto e voltar para a Venezuela. No depósito de descartáveis encontrei uma simpática mesinha de canto, e tive a feliz ideia de unir as duas desprezadas – a mesa e o vaso foram enfeitar o corredor. Não tenho o chamado dedo-verde e minhas plantas sofrem de morte súbita, mas essa planta aceitou meus desvelos e continua verde e viva.

Fim da primavera no hemisfério rico, verão quase chegando, e de repente minha planta adotada, após 11 anos de estéril convivência, elabora uma flor. Tem planta que floresce o ano todo, tem planta que floresce uma vez no ano, e tem planta que só floresce uma vez na vida. Não estarei outros 11 anos nesse emprego para saber se minha planta vai florescer em 2028 ou se essa foi sua única manifestação de felicidade.

A foto que hoje ilustra minhas tolices filosóficas comprova o fato narrado acima: minha bela flor existe, não é uma quimera. E não brotou de um dia para o outro, desde o final de maio a plantinha veio elaborando esse parto complicado, e agora conto os dias que ela vai durar. Já tem mais de uma semana. Por estranho que possa parecer, embora esteja instalada no corredor onde muita gente transita, os colegas nas outras salas do corredor até agora não perceberam o fenômeno.

Tal como as flores, a felicidade também tem muitos jeitos de se manifestar. Algumas são poderosas e só acontecem uma vez na vida; grandes felicidades podem acontecer uma vez no ano; as pequenas felicidades florescem em qualquer tempo e lugar. Mas são discretas, e para percebê-las temos que estar atentos. Essas pequenas manifestações diárias de contentamento são altamente contagiosas, e podemos espalhá-las ao nosso redor sem diminuir seus efeitos benéficos. Sim, estar feliz traz benefícios para a saúde.

Buda nos ensinou, “Milhares de velas podem ser acesas com uma única vela, sem diminuir seu tempo de vida. A felicidade também não diminui quando compartilhada”. Os grandes momentos felizes em nossas vidas são catalogados e armazenados nos escaninhos do coração, mas se não for resgatada, a pequena felicidade se dilui nas frivolidades do dia-a-dia. Tal como essa primeira vela, que se não for acesa, sua luz e a de outras mil velas se perderão.

O Google me informa que minha planta é uma variedade do lírio-da-paz, chamada Spathiphyllum Sensation, que raramente dá flores. Raramente pode indicar que floresce quando bem entende, ou nunca. Talvez precise de um pouco mais de luz. Essa planta é muito apreciada nos escritórios por sua bela folhagem verde escuro e porque exige poucos cuidados. Ah, entendi… Também é muito usada nas residências porque funciona como purificador do ar, removendo as toxinas do ambiente.

E para acender a primeira vela de hoje trago um provérbio esquimó: “Talvez não existam estrelas, mas pequenos buracos no céu por onde o amor das pessoas que perdemos transpasse e brilhe sobre nós, para sabermos que elas são felizes”. Uma explicação mais feliz que a dos astrônomos, sobre imensos globos-suicidas incandescentes correndo no firmamento para se atirarem em um buraco negro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *