Couve e caipirinha

Post_pitu_Brazilian_fest_1080x1080_finalr-ng5j3y737xgvrrygvrcv041u9uj2f76sn1kcboygjc

Estando a Flórida rodeada de mares e lagos por todos os lados menos um, é da natureza geográfica deste globo conceder-lhe belas praias nesses três lados. Quem disse que só os humanos concedem privilégios? E seria injustiça não dedicar pelo menos uma delas aos brasucas que a elegeram como segunda pátria – Pompano Beach, também conhecida como Little Brazil.  Passando por perto, resolvi matar as saudades almoçando em um dos muitos a-quilo da área. Simples, mas tudo fresquinho e gostoso, com o churrasco incluído no preço: $8,00 a libra. O que daria o preço dos mais sofisticados no Brasil, não?

 

Alegria maior: couve no prato e suco de maracujá no copo. Sobremesa de papa de milho verde. Por mais que tentem incrementar, a couve não consegue chegar à mesa dos  americanos. Amiga almoçando na minha casa: ‘Isso é couve? Comi pensando que era kale.’ Comeu, mas não repetiu na segunda rodada. A-seguir, passagem obrigatória por um dos supermercados brasileiros, que por acaso é de portugueses. Em sendo longe de onde habito, ligo para os filhos perguntando o que querem. Os mais solicitados: bom-bom Garoto, ‘Mas confere a validade’, guaraná litrão, Panettone Bauduco na metade do preço do Publix, requeijão cremoso, suco de maracujá, farinha de mandioca.

 

Informo que tem ainda uma montanha de ovos de páscoa, o que indica que não venderam bem. Ninguém pediu. Captado em um filme no canal da Amazon: ‘Li a Bíblia todinha duas vezes e não achei nenhuma indicação de que coelhos e ovos de chocolate são símbolos da Páscoa’. Embora Pompano Beach seja considerada território brasileiro, toda a região litorânea entre Pompano e Deerfield Beach tem grande concentração de brasucas. Dos 3 milhões de brasileiros vivendo fora do Brasil, ⅓ estão nos US e Miami é a região preferida, com cerca de 300 mil. Entre esses, meu pequeno núcleo familiar, que se compunha de 9 deslocados, agora são 13. E prometendo crescer: mais 2 esse ano.  

 

Nos anos 80 e 90, a maioria dos imigrantes brasileiros era de classe média baixa tentando melhorar de vida. Atualmente, os ricos formam a maioria dos que estão chegando. Se antes vinham em busca de uma vida melhor, hoje a segurança é o fator mais importante. Quanto a preferirem o sul da Flórida, a razão é o clima, muito parecido com o nosso. Mas um novo atrativo cresce com essa mudança de status no perfil do novo imigrante: o setor imobiliário. Os super-brasucas estão no terceiro lugar entre os estrangeiros que compram propriedades de alto nível na florida Flórida. As de mais de um milhão de dólares.

 

Embora ainda não esteja aparecendo nas estatísticas, acredito que um outro motivo esteja atraindo os muito ricos para as benesses do primeiro mundo: a cidadania americana pode livrar muita gente boa da cadeia. Pense nisso se você está perdendo o sono com tantas delações e investigações e CPIs abundando por toda parte. Mas se você está na base da pirâmide e quer vir sem documentos, em busca de segurança e um empreguinho na economia informal, cuidado. Mr. Trump aboliu o espanhol do site oficial da Casabranca. O que isso tem a ver conosco? Ah, tem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *