Até o rio é verde

downloadSe a festa não é nossa, devemos traduzir? Os imigrantes riem, zombam, mas aos poucos vamos adotando os costumes alheios. O Halloween já é bem comemorado no Brasil, embora seja um evento tipicamente americano. Fico sabendo que também tem festa de Saint Patrick na boa terra brasilis, que já é verde de natureza. Nesse fim de semana estou desengavetando algo verde para ir ao brunch na casa da filha (almoço e lanche). Quem diria, pela primeira vez nosso pequeno núcleo familiar comemora a data, graças à adesão de festivos descendentes irlandeses.

 

Resta saber se vem para ficar, como aconteceu no Thanksgiving, que acabou se instalando definitivamente e sem cerimônia no nosso calendário. Na vida do imigrante os hábitos aos poucos vão mudando, como a panqueca e o cereal no café da manhã, embora no almoço não se dispense o feijão com arroz.  Creme cheese em vez de requeijão cremoso, purê de batata com a casca. Os mais velhos fazem festa quando tem polenta, os mais novos torcem o nariz.

 

A data que homenageia o santo padroeiro da Irlanda é comemorada em todos os países de língua inglesa. Os temas dessa data são o trevo, por ser também símbolo da Santíssima Trindade, e um duende gorducho vestido de verde, escondendo seu pote de ouro. Quem não esconderia? O trevo de quatro folhas  indica sorte, mas na verdade qualquer coisa verde está valendo. Uma bonita tradição é  as águas do Rio Chicago, que corta a cidade do mesmo nome, mudar de cor: tingem de verde. Outra tradição é a parada, sendo que a de Nova York, desfilando em frente da catedral de Saint Patrick, é considerada a maior do mundo.

 

Como tem acontecido frequentemente nos anais da história, um feriado religioso acaba virando mundano. O Natal virou festival de compras, a Páscoa ganhou coelhos e ovos de chocolate. Olha o que deu no carnaval. No dia de Saint Patrick, haja cerveja. Mesmo se Miami não tem uma forte colônia de descendentes irlandeses, os pubs da cidade estarão lotados neste final de semana. Afinal, o santo era irlandês e cerveja não vai faltar.

 

O que tem cerveja a ver com um santo a história explica: propaganda intensiva para incrementar o turismo. Transformar as águas de um grande rio, que nem fez Moisés no Mar Vermelho, partiu da necessidade de combater a poluição –  o produto químico usado tornou o rio verde por uma semana. Aí alguém teve a brilhante ideia de unir o útil ao lucrativo: usar o antipoluente no dia do santo verde. Felizmente, hoje em dia o produto usado é orgânico, e dura apenas cinco horas. Bom fim de semana e um trevo de quatro folhas pra você. Se achar um pote de ouro, melhor ainda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *