Lua azul e som de guitarras

As coisas do amor que ninguém sabe explicar. Sentimentos que podem alterar vidas – e quase sempre alteram – são no entanto influenciados por pequenos nadas, as coisas corriqueiras do dia a dia. O som de uma guitarra, por exemplo. Elvis foi mesmo o maior cantor de todos os tempos? Teve um irmão gêmeo idêntico que morreu ao nascer. Se tivesse vivido, o que seria do mundo com dois Elvis? Elvis odiava os Beatles e amava as armas – Tinha um arsenal. Até revólver de ouro.

 

Março tem Páscoa, e nas escolas americanas tem o Spring Break – uma semana sem aulas em todos os estabelecimentos de ensino do país comemorando a primavera. Tempo de ipês dourando o mundo com sua  beleza breve. Felizmente cada escola determina sua semana, assim o feriado fica bem dividido. Juntando a Semana Santa com o Spring Break, a quantidade de turistas em Orlando vira calamidade pública.


Arrumamos as malas para um final de semana, Disney, Universal, as atrações de sempre e  mais as novas. Alguns amigos que lá estavam voltaram correndo – gente demais, provocando uma divisão desigual de tempo: 80% nas filas, 20%  nos brinquedos. Não vale a pena, embora Orlando hoje tenha tantas atrações que até os hotéis viraram atrações. Valem a viagem. Mesmo assim, desfazemos as malas. Talvez no meio da semana.  Difícil foi consolar a criançada.

 

Março encerra seu ciclo com brilho extra, nos encantando com a famosa lua azul – duas luas cheias no mês. Ocorrerá no dia 31, homenageando a Páscoa da Ressurreição. Apesar do nome, essa lua não é azul, mas existe ainda uma rara cor azul em algumas luas, motivadas por efeitos especiais em Hollywood. No entanto, sabemos: qualquer uma das cinco luas tem fluidos românticos que influenciam os mares e os relacionamentos afetivos  na terra.

 

 

A lua cheia, porém, abusa do charme, e seu brilho indiscreto tem o mesmo efeito de uma flechada de Cupido. Que dizer então de uma lua especial, por acaso azul? O amor dança no ar como o pólen das flores, contaminando os incautos, os descuidados, os distraídos, os solitáriose afins. Juntando as influências holísticas, com a primavera bordando flores por toda parte e uma lua cheia, inda mais azul, não tem emoção nem dor de dente que resista. Haja coração!

São coisas do amor que ninguém sabe explicar, que o amor não foi feito para dar explicações. Bom mesmo é sentir. Um sentimento abstrato e indefinido, às vezes eterno, às vezes volúvel, com o poder de alterar vidas, provocar guerras, derrubar impérios e mudar a história da humanidade.  No entanto, influenciado por pequenos nadas – como o som de uma guitarra ou uma lua rindo de nós lá em cima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *