Dia da gente

Ogente4 O ano precisaria se esticar para 720 dias para caber todos os que merecem ser homenageados – dia desse e dia daquele, dia dessa e dia daquela. Como ninguém quer mudar o calendário, consagro o dia 31 de fevereiro como o dia da pessoa. Ou seja, nosotros. O ser anônimo e sempre presente, seja para consertar a torneira pingando ou para inventar a vacina contra preconceitos. Eu, você, a vizinha, o padeiro. O chefe e o subordinado, o patrão e o empregado, o inquilino e o proprietário, o assaltante e o assaltado.  Tudo gente boa.

 

Onde encontrar? Fora situações especiais ou de risco, a pessoa pode ser encontrada em qualquer lugar e em qualquer das 24 horas horas marcadas nos relógios. Mais frequentemente, porém, são vistas nas ruas nos horários diurnos, escasseando mas não desaparecendo nos horários noturnos. Variam porém nas formas de locomoção, podendo usar veículos, animais, ou caminhar por conta própria. Sozinhas ou em grupos, também varianndo em quantidade e qualidade. Ou estarem juntas mas sozinhas, cada uma por si mas nos mesmos lugares.

 

O que fazem? Em tendo alcançado a exagerada casa do bilhão, poderíamos dizer que fazem de tudo e mais um pouco. Mas a resposta correta seria: vivem. Se a Escola de Sagres decretou: Navegar é preciso, Confúcio disse antes: Viver é preciso, navegar faz parte e depende das marés do acaso. John Lennon disse: “Viver é o que acontece enquanto estamos ocupados fazendo outros planos”. Viver é o tempo que nos foi concedido entre o nascer e o morrer – entre esses dois polos, tudo que a lei e os bons costumes permitirem. Idealmente.

 

Como acessar? Existem métodos naturais e artificiais. Contato visual, oral, manual, olfativo, corporal, do primeiro ao quinto grau. Sons, cheiros, imagens. Mas as técnicas naturais estão sendo gradualmente eliminadas, por medo de contágios, assaltos e assédio sexual. O método mais usado atualmente é o celular. Olhando ao redor em qualquer local e momento, nove entre dez pessoas estão grudadas no celular. Marilyn Monroe disse: “Durmo com Chanel número 5.” A pessoa diz, “Durmo com meu celular.” Essencial como muleta para o capenga, bombinha para o asmático.

 

 

Filha de haitianos, Ashley (foto acima) nasceu na Florida e está na faculdade. Vai se formar em Pre-Law. Ou seja, Pré-Advocacia, um curso que a deixa no meio do caminho. A meta é ser advogada, mas não existe faculdade de advocacia no país, tem que seguir em frente e fazer três anos de especialização numa Law School. Tal como acontece com os cursos de medicina. Mas qualquer diploma universitário é aceito para a pós-graduações.

 

A pessoa é feita de emoções,  água e sangue. A água deveria ser de graça, uma vez que o H2O domina o planeta. Mas não é bem assim. Na África do Sul estão chegando no Day Zero, totalmente sem água. Essa é a primeira vez que uma cidade grande e desenvolvida enfrenta tal crise. Em fevereiro, a pessoa em Cape Town recebia o equivalente a 25 litros/dia – banho, beber, cozinhar, escovar os dentes, lavar as mãos, limpar o vaso. Quanto ao sangue a pessoa dá de graça e paga caro para receber uma transfusão. A pessoa deveria ter condições de armazenar seu próprio sangue para reposição quando dele precisar. No futuro, cada pessoa estará carregando bolsinhas com seu sangue e sua ração diária de água.

 

gente2

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *