Dólar Comercial: R$ 5,27 • Euro: R$ 6,22
Sábado, 19 Setembro 2020

‘A vida em primeiro lugar’, reivindicam trabalhadores da Garoto/Nestlé

‘A vida em primeiro lugar’, reivindicam trabalhadores da Garoto/Nestlé

“A vida em primeiro lugar”. Com este tema, os trabalhadores da Garoto/Nestlé realizaram, na manhã desta sexta-feira (30), o 40º protesto do ano em defesa de direitos trabalhistas já conquistados. O motivo de tamanha mobilização é a postura da multinacional, que insiste em não avançar nas negociações do acordo coletivo do triênio 2019-2021, em curso.



Com trio elétrico e panfletagem, o Sindicato dos Trabalhadores em Alimentação do Espírito Santo (Sindialimentação/ES) levou sua mensagem aos moradores e transeuntes dos bairros adjacentes à fábrica, na Glória, em Vila Velha.



A luta, ressalta a entidade, é pela valorização aos trabalhadores, acordos coletivos dignos e melhores condições de trabalho. “O ritmo alucinante nas linhas de produção, aliados à falta de mão de obra e redução de postos de trabalho, tem sido fatores que causam adoecimento aos trabalhadores”, denuncia. 



“Queremos que a Nestlé não insista em cortes de direitos e que avance na pauta dos acordos de cláusulas econômicas e de participação de lucros da categoria”, posiciona a presidente do Sindialimentação/ES, Linda Morais. “Precisamos de condições de trabalho. A sobrecarga está maltratando os trabalhadores”, denuncia.



Nos dez mil panfletos distribuídos à população, o sindicato elenca a rotina amarga dos trabalhadores dentro da fábrica de chocolates, que completou 90 anos no último dia 15 e é uma das dez maiores do grupo Nestlé, responsável pelo crescimento de 7% da multinacional, desde que foi comprada pela gigante suíça, em 2002.



“Nestlé impõe trabalho exaustivo, obrigatoriedade de horas extras e faz funcionário trabalhar por três”, denuncia o informativo. Os efeitos e as consequências que a sobrecarga traz para a vida dos trabalhadores, ressalta, são cansaço físico e mental, irritação, nervosismo, tensão, estresse, problemas de coluna, insônia, depressão, ansiedade, gerando um profundo sofrimento. “O Sindicato reivindica, acima de lucros, uma melhor divisão do trabalho, sem sobrecarga, e a garantia dos direitos trabalhistas”, assevera a entidade sindical.



Em um plebiscito realizado este ano, os trabalhadores manifestaram estarem dispostos a irem até as últimas consequências na defesa dos seus direitos.



Acordos



São dois acordos em negociação: um sobre cláusulas econômicas e sociais, incluindo tíquete-alimentação, farmácia, auxílio-creche e outros benefícios; e outro sobre a PLR.



No acordo socioeconômico, a Nestlé não quis nem ouvir a reivindicação dos trabalhadores com relação a reajuste e avanços nas cláusulas sociais, relata a presidente da entidade. E, ao mesmo tempo, quer retroceder nesses benefícios, como a redução de 25% no tíquete-alimentação, eliminação do adicional de férias, da gratuidade das consultas pediátricas e das folgas do Carnaval, Natal e Ano Novo, conquistas já estabelecidas em acordos coletivos anteriores. Somente sobre as perdas salariais houve avanço, com a concessão do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do período.



Já no acordo de PLR, a multinacional insiste em impor metas, conta Linda. O sindicato argumenta que metas têm que ser debatidas com os trabalhadores e apresentar valores que realmente atendam à categoria. “Ela não quer avançar na PLR, não quer partilhar de forma digna essa participação”, avalia Linda Morais.

Veja mais notícias sobre Sindicato.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 19 Setembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection