Seculo

 

Comunidade quilombola lança projeto de produção de banana, farinha, mel e viveiro


18/05/2017 às 18:13
Banana, Farinha, mel e viveiro de plantas medicinais e madeiras-de-lei (Bafamel Viver). Essa é a receita da garantia de “emprego e liberdade” reivindicada pela Associação Quilombola de Pequenos Produtores Rurais do Córrego da Angélica (AQPCA).

A comunidade, localizada em Conceição da Barra (norte do Estado), luta para receber o reconhecimento formal como quilombola pela Fundação Palmares, entidade do governo federal responsável por certificar as comunidades quilombolas. Em visita oficial à localidade, no entanto, o representante da Fundação anunciou o arquivamento do pedido feito pela AQPCA, com justificativas contestadas pela entidade, em requerimento encaminhado à presidência da Fundação.

Em paralelo à luta pelo devido reconhecimento oficial, a AQPCA trabalha na preparação de meios de subsistência futuros da comunidade, tendo o Projeto Bafamel Viver como principal estratégia.

Com apoio de voluntários, o projeto tem sido desenvolvido há pouco mais de um ano e já tem estudos agronômicos que indicam ser suficiente para empregar todas as famílias da comunidade e mais cerca de 20 famílias de comunidades vizinhas.

“A banana pra nós vai ser o carro-chefe, que vai dar emprego e liberdade”, explica a presidente da Associação, Jurema Gonçalves. A proposta é fazer um cinturão de bananeiras próximo ao Córrego, para recuperá-lo da grave crise hídrica, beirando a mata. E produzir de forma agroecológica, livre de agrotóxicos.

Da banana a ideia é aproveitar tudo: do tronco, extrair a fibra e, do fruto, produzir o capelete, o pudim, a farinha de banana verde, o pão, a biomassa pra fazer o macarrão, e, claro, o próprio fruto in natura e maduro.

A farinha de mandioca já é tradicional na comunidade. “Mesmo quem não tem farinheira, faz a sua farinha em casa. Rala a mandioca, torce na toalha e torra. Já é uma coisa natural do quilombola”, conta Jurema. O projeto, no entanto, prevê a construção de uma farinheira comunitária, para uma produção comercial.

O mel já tem um produtor no Córrego da Angélica, de abelha sem ferrão. “É bom pras plantas”, explica Jurema. Além disso, o produto tem alto valor no mercado, em torno de R$ 120,00 o litro.

Já o viveiro irá produzir plantas medicinais, fornecendo matéria-prima para medicamentos já fabricados pelos moradores, como xarope, remédio de verme e pomadas. E também “toda aquela madeira que a gente hoje só ouve falar”, diz a líder quilombola, citando madeiras-de-lei que não praticamente se encontra mais na região, como peroba, jacarandá, macanaíba e jequitibá.

O lançamento do projeto será realizado na próxima quinta-feira (25), a partir das 14h, no CRAS Quilombola Negro Rugério, em Santana. Foram confirmadas presenças de políticos de esfera estadual e federal, que, como espera a comunidade, poderão se somar não só à viabilização, mas também à luta da comunidade pelo seu reconhecimento formal como quilombola do Sapê do Norte.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Espelho democrático

PH, com certeza, vai jogar pra frente dúvida sobre candidatura à reeleição. Mas não o vejo fora da disputa e sem mandato

OPINIÃO
Editorial
MPES omisso
Ministério Público decidiu não participar das audiências de custódia. Um dos prejuízos: denúncias contra tortura, comumente relatada por presos
JR Mignone
Enganosos
Fazendo uma comparação corajosa e dispersa, tanto as eleições do Brasil quanto a Copa do Mundo terão muita surpresas e varias decepções
Geraldo Hasse
Vampirismo neoliberal
O governo oferece refrescos aos trabalhadores enquanto suga seu sangue
Roberto Junquilho
Quem governa?
Um novo porto na região de Aracruz demonstra que, para as corporações, as minorias não importam
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Espelho democrático

Condenados por tortura continuam trabalhando no sistema penitenciário capixaba

Junta de Impugnação Fiscal do Meio Ambiente de Vitória tem novo presidente em menos de quatro meses

Professora cobra do MEC cumprimento da lei de ensino de cultura afro-brasileira

Gestão do prefeito Chicão na Saúde é denunciada pelo Ministério Público