Dólar Comercial: R$ 5,56 • Euro: R$ 6,58
Sexta, 23 Outubro 2020

Conheça projeto de WikiHouse que será implantado em Vitória

casa_modular_divulgacao_br_cidades Divulgação
Divulgação

Buscando ajudar um morador que vivia em condições habitacionais precárias no bairro Consolação, em Vitória, um grupo de arquitetos apresentou uma proposta de construção rápida, barata e replicável.

"Vimos que não era caso de reformar, mas de fazer uma nova casa. Então pensamos como resolver o problema por meio de uma solução que fosse replicável, uma tecnologia que uma vez desenvolvida e dominada por nós, poderia ajudar em outras situações desse tipo", conta Augusto Alvarenga, professor do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

Enquanto se tenta arrecadar os recursos necessários por meio de doações em uma campanha de financiamento coletivo em parceria com o Coletivo Beco e o núcleo BR Cidades do Espírito Santo, o protótipo da futura casa de Seu Manoel vem sendo desenvolvido por meio de um projeto de extensão universitária que envolve professores e estudantes da Ufes.

A nova casa se baseia no sistema WikiHouse, projeto de fonte aberta, ou seja, que disponibiliza livremente na internet a forma de planejar e construir casas com estruturas de madeira compensada. Além do WikiHouse, que mantém uma fundação de mesmo nome, outra inspiração vem da CAUH, uma empresa social argentina que realiza este tipo de construção, como mostra no vídeo abaixo.

Para realizar o projeto, a equipe da Ufes usa uma fresadora CNC, uma máquina de corte que funciona por computador e já fez os primeiros materiais para teste. A casa não tem parafusos ou cimento, apenas encaixes, não necessitando tampouco materiais elétricos para sua construção. Leva também um revestimento e telhados feitos de material reciclado a partir de caixas TetraPack prensadas, o que amplia o conforto térmico.

Participante do projeto, a professora Clara Miranda, também do departamento de Arquitetura e Urbanismo da Ufes, aponta que ainda há preconceito sobre o uso de madeira para as construções, mas que é um recurso com muitas vantagens, dependendo do caso. "Esse material é mais leve do que alvenaria para carregar e construir em cima do morro. É renovável. Contribui mais para o ciclo regenerativo dos materiais", diz, lembrando de situações em que moradores precisam subir as escadarias dos morros carregando cada tijolo necessário para construir uma casa.

Infográfico: Augusto Alvarenga

De fato, Seu Manoel utilizou madeira, material mais leve e barato, para construir a casa precária que o abrigava, agora interditada pela Defesa Civil. Possuía fendas, infiltrações no telhado e não contava com banheiro e instalações elétricas e sanitárias, o que o colocava numa condição de vulnerabilidade ainda maior em momento de pandemia do coronavírus, em que se recomenda a lavagem constante das mãos.

Augusto Alvarenga explica que a nova casa projetada se adapta ao pouco espaço que Seu Manoel, contando com dois cômodos, com cozinha integrada, banheiro, área e varanda. "O espaço que ele tem para morar é muito pequeno, mas é possível ter uma situação de maior conforto e dignidade para a pessoa mesmo com espaço reduzido", afirma o professor.

A campanha já arrecadou 43% dos recursos necessários para a construção da casa do Seu Manoel em Consolação, restando mais 33 dias para tentar cumprir a meta total de R$ 26 mil. Outra vantagem do projeto é que desenvolvidos os materiais, a montagem das partes da casa pode ser feita mesmo por pessoas sem treinamento formal em construção.

Apesar de afirmar ainda serem necessários mais testes, o professor Augusto estima que em cerca de 15 dias de trabalho na montagem no local escolhido é possível ter uma dessas casas pronta.

Com a construção da primeira casa, além de ajudar Seu Manoel a ter uma condição mais digna de habitação, o grupo de arquitetos busca também ter o conhecimento do processo e o primeiro exemplo para apresentar esse tipo de construção e buscar recursos para que possam ser usado para apoiar outras pessoas que estejam em situação precária de moradia.

Veja mais notícias sobre Cidades.

Veja também:

 

Comentários: 8

LINDINALVA em Domingo, 16 Agosto 2020 15:47

Estou VIBRANDO COM ESSA POSSIBILIDADE! PARABÉNS AOS ENVOLVIDOS!!

Estou VIBRANDO COM ESSA POSSIBILIDADE! PARABÉNS AOS ENVOLVIDOS!!
Oswaldir em Domingo, 16 Agosto 2020 16:30

Achei interessante, mas, uma casa de madeira para ser construída mim morro, por 26 mil reais, não vi muita vantagem.
Se entregar este projeto nas mais de um Governador ou Prefeito, jamais construirão por este preço e iria contratar empresas para construir ou montar, vão superfaturar e aí a vantagem do barato sai cara para os bolsos do povo.
Outra situação, é a vulnerabilidade de um morador numa casa dessa, no meio de um tiroteio e acabam mortos.
Estas casinhas, seriam interessante para campings, pousadas e balneários em áreas para temporadas dentro de áreas particulares.

Achei interessante, mas, uma casa de madeira para ser construída mim morro, por 26 mil reais, não vi muita vantagem. Se entregar este projeto nas mais de um Governador ou Prefeito, jamais construirão por este preço e iria contratar empresas para construir ou montar, vão superfaturar e aí a vantagem do barato sai cara para os bolsos do povo. Outra situação, é a vulnerabilidade de um morador numa casa dessa, no meio de um tiroteio e acabam mortos. Estas casinhas, seriam interessante para campings, pousadas e balneários em áreas para temporadas dentro de áreas particulares.
Andre Luiz dos Passos Ribeiro Alves em Domingo, 16 Agosto 2020 22:13

Ela suporta chuva. Vendaval, ventos forte granizo.

Ela suporta chuva. Vendaval, ventos forte granizo.
Nélia Paula Pires Barreto em Segunda, 17 Agosto 2020 07:57

Excelente! Uma boa idéia para espaços reduzidos no casos de famílias maiores, seria construir um segundo piso! Parabéns a todos os envolvidos por essa maravilhosa iniciativa!

Excelente! Uma boa idéia para espaços reduzidos no casos de famílias maiores, seria construir um segundo piso! Parabéns a todos os envolvidos por essa maravilhosa iniciativa!
Eumesmo em Segunda, 17 Agosto 2020 08:27

Então as etapas seriam demolir o barraco existente, remover todo o entulho, levar esse material até o alto do morro e realizar a execução com adequação da base... Não é mais viável determinar uma região na GV com estrutura de transporte, edução, saúde e negociar a saída das pessoas dessas regiões? Futuramente a sociedade (governo) pode até leiloar essas áreas para a iniciativa privada ou recuperar a mata atlântica, impensável alguém morar nessas condições que tanto oneram suas vidas e a sociedade (levar água, mantimentos, energia, etc para o alto de escadas, trezentos oi mais degraus)

Então as etapas seriam demolir o barraco existente, remover todo o entulho, levar esse material até o alto do morro e realizar a execução com adequação da base... Não é mais viável determinar uma região na GV com estrutura de transporte, edução, saúde e negociar a saída das pessoas dessas regiões? Futuramente a sociedade (governo) pode até leiloar essas áreas para a iniciativa privada ou recuperar a mata atlântica, impensável alguém morar nessas condições que tanto oneram suas vidas e a sociedade (levar água, mantimentos, energia, etc para o alto de escadas, trezentos oi mais degraus)
Maria Tereza Bemquerer Pereira em Segunda, 17 Agosto 2020 11:17

Amei o projeto! Parabéns alunos e professores. Uma bela iniciativa cheia de humanidade tanto no aspecto de projeto social como no desenvolvimento intelectual.

Amei o projeto! Parabéns alunos e professores. Uma bela iniciativa cheia de humanidade tanto no aspecto de projeto social como no desenvolvimento intelectual.
Marcilene em Segunda, 17 Agosto 2020 13:49

gostaria de sabe qual a vida util dessa casa.

gostaria de sabe qual a vida util dessa casa.
Izanildo Sabino em Terça, 18 Agosto 2020 08:06

Também me preocupa a situação de uma casa de madeira compensada em área de risco e que deveria ser de preservação ambiental, até porque essas áreas tem cupim, traças... e outros insetos que logo acabarão com a casa, e claro a chuva e vendaval.

Mas é bum debate, pois a questão da moradia precisa se tratada como política pública.

Também me preocupa a situação de uma casa de madeira compensada em área de risco e que deveria ser de preservação ambiental, até porque essas áreas tem cupim, traças... e outros insetos que logo acabarão com a casa, e claro a chuva e vendaval. Mas é bum debate, pois a questão da moradia precisa se tratada como política pública.
Visitante
Sexta, 23 Outubro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection