Dólar Comercial: R$ 5,27 • Euro: R$ 6,40
Quinta, 05 Agosto 2021

Frente Única em Defesa da Vida é criada no Estado para enfrentamento à pandemia

pessoas_rua_mascara_tomaz_silva_agencia_brasi_20200815-134552_1 Tomaz Silva/Agência Brasil

O Espírito Santo ganhou mais um espaço de mobilização para o enfrentamento da pandemia da Covid-19. Foi lançada a Frente Única em Defesa da Vida, com adesão de entidades da sociedade civil, cientistas, pesquisadores e agentes políticos. De acordo com o advogado André Moreira, um dos integrantes, o grupo defende lockdown com auxílio, ampliação da vacinação, além de um consórcio entre os estados diante da omissão do Governo Bolsonaro (sem partido).

A Frente afirma, em nota, que busca "contribuir com a coordenação das ações que já vêm sendo desempenhadas pela sociedade civil em defesa da vida e no amparo dos que passam fome, mas que hoje se encontram dispersas". Essas ações, defendem, devem ser substituídas, em curto prazo, por políticas públicas, cabendo à Frente apontar os caminhos para garantir sua implantação e efetividade.

Outra finalidade é a estruturação de um sistema de informações e análises sobre os mais diversos aspectos da realidade capixaba, para, assim, propiciar a produção de conhecimentos sobre os impactos da pandemia nos campos social, econômico, político e cultural.

A Frente defende que o governo do Estado se empenhe na constituição do Comitê Nacional de Combate à Covid-19, na forma de consórcio público interestadual. 

A criação do consórcio se baseia na Lei 11.107/2005, que trata das normas gerais para a União, os estados, o Distrito Federal e os municípios contratarem consórcios públicos para a realização de objetivos de interesse comum. Por meio do consórcio podem ser adotadas, de acordo com a Frente, medidas como realização do lockdown de 21 dias, simultâneo entre todos os estados consorciados, além da criação de barreiras sanitárias relativas aos estados que não aderirem à ação comum.

"O lockdown deve ser conjugado, obrigatoriamente, com a garantia de auxílio financeiro aos trabalhadores, desempregados, micro, pequenos e médios negócios - de forma que os beneficiários possam atingir o valor necessário ao atendimento das necessidades básicas (alimentação, água, energia elétrica), além da ampliação do processo de vacinação, por meio de compra direta do imunizante", diz a nota.

O grupo destaca que o lockdown, seguido de auxílio econômico, foi a medida que garantiu o sucesso do combate à pandemia na Nova Zelândia. Menciona também o município de Araraquara, em São Paulo, recordando que a cidade chegou ao colapso no início de fevereiro deste ano, decretou 10 dias de lockdown e, semanas depois, começou a registrar queda de casos, internações e mortes pela doença, chegando, dois meses depois, a registrar queda de 74% na média móvel de casos.

Para a Frente, o Governo Federal "age na contramão do consenso cientifico". "Mais do que não adotar as políticas de prevenção da transmissão do vírus, o Presidente da República e o Ministério da Saúde sabotaram todos os esforços neste sentido e, ainda, desviaram recursos públicos para a aquisição de medicamentos sem comprovação científica, além de se posicionarem contra o uso de máscaras e vacinação", diz a nota. 

O documento apresenta dados sobre a pandemia no Brasil, como os mais de 14 milhões de casos de contaminação e as cerca de 380 mil mortes. No Espírito Santo, informam, são mais de 426 mil casos de contaminação e mais de 9 mil mortes, ocupando o sexto e sétimo lugares entre os estados em contaminação e mortes, respectivamente. "O Estado está acima da média nacional nas taxas de casos, com 10.617 casos por 100 mil habitantes, contra os 6.809 casos por 100 habitantes da taxa nacional. Aqui, até o momento, registraram-se 227 mortes por 100 mil habitantes, contra 185 mortes por 100 mil habitantes da taxa nacional", diz a nota, por meio da qual a Frente afirma que a postura da gestão de Renato Casagrande (PSB) "não vai muito além da postura negacionista presidencial, no que diz respeito à adoção de medidas cujo consenso cientifico reconhece como inadiáveis, dentre elas, o lockdown".

As entidades que assinam a nota são o Comitê Capixaba da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Transparência Capixaba, Sindicato Nacional dos Servidores da Educação Básica é Tecnológica (Sinasefe-Ifes), Coletivo Ordem Democrática e Partido Socialismo e Liberdade (Psol/ES). O documento, que ainda está aberto para adesão, conta também com assinatura de 18 pessoas.

Veja mais notícias sobre Cidades.

Veja também:

 

Comentários: 2

Dauri Correia da Silva em Domingo, 02 Mai 2021 17:45

#vidasimportam
#Bolsonarogenocida

#vidasimportam #Bolsonarogenocida
Seu Madruga em Segunda, 03 Mai 2021 13:30

O que essa turma defende é a quebra do país, só quem toma Rivotril deve achar que eles estão querendo salvar vidas. Rindo até 2026.

O que essa turma defende é a quebra do país, só quem toma Rivotril deve achar que eles estão querendo salvar vidas. Rindo até 2026.
Visitante
Quinta, 05 Agosto 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/