Sábado, 04 Dezembro 2021

Famoc aciona Ministério Público após derrubada de árvores em Campo Grande

praca_campogrande_cariacica_FotoCarlosAlbertoAmorim Carlos Alberto Amorim

Quem passar pela praça José Maria Ferreira, em Campo Grande, Cariacica, não verá mais "a mesma praça, o mesmo banco, as mesmas flores, o mesmo jardim". Na manhã desse domingo (5), as árvores foram cortadas pela gestão de Euclério Sampaio (DEM), o que motivou a Federação das Associações de Moradores de Cariacica (Famoc) a acionar o Ministério Público do Espírito Santo (MPES).

Praça depois da derrubada das árvores. Foto: Carlos Alberto Amorim

A decisão foi "equivocada", acredita o coordenador da Famoc, Dauri Correa, pois a praça está localizada na Avenida Expedito Garcia, uma das principais da cidade. "É um lugar com enorme fluxo de veículos, emissão de dióxido de carbono o tempo todo, vai tirar árvore para que?", questiona. Dauri informa que entre as árvores retiradas estavam o Pau Ferro, a Palmeira, o Oiti e a Sibipiruna, que de acordo com ele, é nativa da Mata Atlântica e pertence à família do Pau Brasil.

O coordenador da Famoc afirma que a atitude da gestão municipal altera a paisagem da cidade. "É uma paisagem alterada a bel prazer do prefeito, que não dialogou com a comunidade", destaca. Dauri salienta que a retirada das árvores se deu por causa da reforma da praça, cuja ordem de serviço foi assinada em 20 de agosto, com a presença do governador Renato Casagrande (PSB) e outras autoridades, como o deputado estadual Marcelo Santos (Podemos) e a vice governadora, Jaqueline Moraes (PSB). 

Ordem de serviço da reforma da praça. Foto: PMC

"Não houve audiência pública para um projeto de tamanha envergadura", aponta o coordenador da Famoc, acrescentando que o Código Municipal de Meio Ambiente prevê que haja debate em iniciativas como essa, "pois mexe com a paisagem e os arranjos produtivos da região". Um desses arranjos, recorda Dauri, é a banca de jornal, que, de acordo com ele, está no local há mais de 40 anos e passa de pai para filho. De acordo com o líder comunitário, o projeto de reforma da praça não prevê a manutenção da banca. "Ela deve continuar ali, pois é uma tradição. A praça José Maria Ferreira sem a banca não existe", afirma.

Na representação que a Famoc fez junto ao MPES, a entidade afirma que por considerar que "a história da Praça José Maria Ferreira acompanha o loteamento Campo Grande, iniciado na década de 1950 do século XX e está incutida na memória da cidade", acredita que há infrações "ao conjunto normativo que trata a questão". Segundo a Famoc, "o município até o presente momento não implantou o seu Plano Diretor de Arborização e Áreas Verdes, conforme preconiza o artigo 90 da Lei Complementar nº 5/2002. Certamente, 'esse vácuo' derrota a cidade no avanço à sustentabilidade.

Na representação a entidade também destaca que "a Lei Complementar nº 18/2007, que instituiu o Plano Diretor Municipal de Cariacica, em seu inciso VIII, do artigo 7º, define como objetivo 'preservar e conservar o patrimônio de interesse histórico, arquitetônico, cultural e paisagístico'".

A Famoc não foi a única a acionar o MPES. Nascido e criado em Campo Grande, o advogado Carlos Alberto Amorim de Assis formalizou denúncia nessa quarta-feira (1), pois, de acordo com ele, após a ordem de serviço da reforma soube da possibilidade de retirada das árvores. Carlos Alberto relata que morou grande parte da sua vida em frente à praça, mas ainda hoje a avista todos os dias, pois seu escritório fica no mesmo local.

"Eu vi as árvores crescerem, vi ser plantadas. Elas fazem parte da nossa história. Tem que respeitar nossa história, pois povo sem história não é ninguém", diz. 

Padre Gabriel

Outra polêmica em torno da reforma da praça é sobre a manutenção do busto de Padre Gabriel Maire, sacerdote francês assassinado em 1989 e que teve grande atuação nos movimentos populares de Cariacica. No local há um busto em sua homenagem, colocado quando seu assassinato completou 20 anos. "Padre Gabriel faz parte da cultura da cidade. Essa cultura, essa lembrança, a memória da luta do povo de Cariacica", diz Dauri.
Foto: Ecos de Gaby

A Câmara Municipal chegou a aprovar na Câmara uma indicação ao executivo de autoria do vereador André Lopes (PT), para manutenção do busto. "Agora cabe ao prefeito acatar ou não", diz, afirmando também que "padre Gabriel é uma figura ímpar para a história de Cariacica" e que a indicação foi uma demanda dos movimentos populares. Em sua indicação, o vereador destaca que o sacerdote "foi um padre francês que atuou por nove anos em comunidades empobrecidas nas periferias de Cariacica".

Nome da praça

Outro padre já falecido também está envolvido na polêmica da reforma da praça. Segundo Dauri, de José Maria Ferreira a praça passará a se chamar Monsenhor Rômulo Neves Balestrero. Trata-se de uma homenagem ao sacerdote falecido em 2008, de câncer, que dedicou 30 anos de sua vida sacerdotal à Paróquia Bom Pastor, em Campo Grande, e também a projetos sociais da região. A Famoc discorda da mudança no nome.

"Reconhecemos o Monsenhor pelo seu carisma, pela sua militância, pela preocupação com as pessoas, inclusive com os mais vulneráveis, mas ele já foi homenageado com seu nome em uma das principais avenidas do bairro. A antiga avenida Campo Grande hoje se chama avenida Monsenhor Rômulo Neves Balestrero. O Pronto Atendimento do Trevo de Alto Lage também", informa Dauri.

O advogado Carlos Alberto também defende a manutenção do nome atual. De acordo com ele, José Maria Ferreira merece a homenagem por ter sido "um dos primeiros grandes empreendedores de Cariacica".

Reforma

A Prefeitura Municipal de Cariacica, por meio da Secretaria Municipal de Obras, informou que "iniciou neste domingo (5), a obra da nova praça de Campo Grande". Ainda segundo a gestão municipal, a praça "será construída ao lado da calçada, ou seja, não ficará no meio da avenida. Com isso, o local terá mais segurança para as crianças, por exemplo".
Projeto da praça. Foto: Divulgação

A gestão de Euclério Sampaio afirma que "a praça irá contemplar academia popular, playground, iluminação LED, espaço de convivência, paisagismo e calçada cidadã. Diante disso, foi necessária a retirada das árvores, contudo serão plantadas mais árvores, incluindo ipês. Quanto à manutenção do busto de Padre Gabriel, será preservado na nova praça". A Prefeitura comunicou ainda que "a banca de jornal permanecerá na nova praça de Campo Grande".

Veja mais notícias sobre Cidades.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 04 Dezembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/