Terça, 19 Outubro 2021

'O sentimento é de revolta', afirma moradora sobre obras na orla de Meaípe

obras_meaipe_divulgacao Divulgação
Divulgação

Moradores de Meaípe, em Guarapari, colocaram placas na orla do município em protesto à lentidão da prefeitura para dar andamento à reforma e revitalização da região. Resultado de uma verba do governo federal, as obras se arrastam desde 2019, sem nenhum avanço efetivo. "O sentimento é de revolta", destaca a vice-presidente da associação local, Tatiane Gomes.

As placas foram levadas para a praia após uma audiência pública realizada na última quarta-feira (22) na Câmara de Guarapari. O tema do encontro foi um assunto antigo, discutido, pelo menos, desde 2017, quando a senadora Rose de Freitas (MDB) anunciou a destinação dos recursos para a revitalização por parte do Ministério do Turismo.

"É incrível como o poder público é eleito pra isso, tem o dinheiro para fazer, e não faz. Você se sente abandonado. A gente tem um bairro bonito. Meaípe tem um pôr do sol lindo, liberam casas de show no final do ano, mas continua sem ter condições de tráfego, porque está simplesmente abandonada", critica Tatiane.

Em junho de 2019, a gestão de Edson Magalhães (PSDB) anunciou que Meaípe iria receber obras de drenagem e pavimentação em diversas ruas, além da revitalização completa da orla, que contaria também com a construção de um calçadão e uma rua de lazer. No final do mesmo mês, o município publicou, no Diário Oficial, o resultado da licitação para escolha da empresa responsável pelas obras na orla, processo vencido pela S & A Serviços e Obras Ltda.

Dois anos após o anúncio, pouco mudou na paisagem local. Os moradores relatam que, apesar de algumas obras iniciais, como a concretagem da rua de lazer e alguns trechos próximos ao comércio, a revitalização nunca teve um andamento efetivo. "Praticamente nem começou. Eles 'futucaram' um pouco, mas não teve andamento. Começaram, mas aí fizeram mal feito. Tem lugares que abriram, aterraram e outros não, não tem nem um guarda corpo", denuncia Tatiane.

O presidente da Associação de Moradores, Vinicius Brina Gramiscelli, informa que, ao longo desse tempo, apenas 20% da obra foram executados. "Porque tem o acabamento do lado do passeio, o acabamento da rua de lazer, vai ter o guarda-corpo, tem que fazer a pavimentação e a drenagem das ruas (...) E não são só a pavimentação dessas ruas aqui da Beira-Mar não, tem umas ruas também aqui no contorno que serão beneficiadas com essa obra", explica.

Em audiência pública realizada na Câmara de Guarapari na última semana, representantes do município prometeram retomar as obras nesta terça-feira (28), considerando que o material da drenagem já tinha começado a chegar. O titular da Secretaria Municipal de Obras Públicas e Serviços Urbanos, Odivan Ferreira dos Santos, não compareceu, mas enviou um ofício anunciando a retomada em até 15 dias.

Presente no local, o coordenador de Obras Públicas da prefeitura, Ricardo César Ribeiro, disse que a empresa vencedora da licitação requereu uma correção no valor do contrato, em razão de uma defasagem financeira durante o período de paralisação das obras.

Para Vinicius, essa fase da obra já deveria ter sido iniciada há muito tempo. "A gente queria que o secretário de Obras tivesse mais transparência. Nós ficamos aflitos porque Meaípe vive de turismo, não tem outra atividade. As culinárias são umas das melhores do Estado, mas vemos muito descaso. A gente tem tentado, de todas as formas, conversar com quem tem entendimento sobre as obras, mas não conseguimos até hoje", destaca.

Os recursos para a obra são resultado de convênios com o governo federal, após diálogos com a senadora Rose de Freitas. Com um investimento total de mais de R$ 2,2 milhões, a maior parte dos valores foi concedida pelo Ministério do Turismo e tem sido repassada pela Caixa Econômica Federal.
Divulgação

Em agosto deste ano, a Associação de Moradores de Meaípe chegou a protocolar uma carta na Prefeitura de Guarapari pedindo explicações sobre a lentidão da obra. O documento cobrava a apresentação do contrato firmado com a empresa responsável pelo serviço, além de solicitar o cronograma de atividades.

"Eles não dão satisfação nem retorno, a gente não consegue falar com ninguém de lá. Você procura o secretário de Obras, ele fala uma coisa, aí vai e a empreiteira dá outra em informação", afirma Tatiane.

A carta também aponta que obras realizadas pela Prefeitura de Guarapari em outros bairros já foram iniciadas e finalizadas ou estão em fase de conclusão, enquanto a de Meaípe se arrasta. "São obras da comunidade, verbas que nós conseguimos. Queremos saber o que está acontecendo e também ter participado do projeto, mas desde o começo, não é possível", declara Vinicius, ressaltando que a carta não foi respondida pela gestão municipal. 

Veja mais notícias sobre Cidades.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 19 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/