Dólar Comercial: R$ 5,47 • Euro: R$ 6,40
Quarta, 23 Setembro 2020

A barbárie anda à solta

O Deus de amor foi vilipendiado pela ação maléfica de multidões empunhando bandeiras cruéis e desumanas, como se fossem seus mensageiros, muitos carregando a Bíblia debaixo do braço. Investiram contra uma menina, de 10 anos, na cidade de São Mateus, norte do Estado, estuprada pelo próprio tio, grávida, e milhões de vezes violentada por vozes que se dizem santas.

Na ponta de todo esse movimento, emissários da chamada pastora Damares Alves, ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, a extremista bolsonarista Sara Giromini, a Sara Winter, outros agentes públicos, entre policiais e profissionais da área de saúde, padres, pastores e religiosos tresloucados, hipnotizados pelo viés ideológico da extrema-direita, autoritária e desumana. Todos envolvidos na guerra santa, que explodiu em maior dimensão, mais uma vez, na marcha iniciada desde a reeleição de Dilma Rousseff.

O caso serviu para demonstrar a irracionalidade que o País atravessa e coloca no centro da questão, além da ministra e do grupo que acompanhou os desastrosos procedimentos adotados, o Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes (Hucam), o conhecido Hospital de Clínicas, que se recusou a fazer a intervenção cirúrgica autorizada pela Justiça para interromper a gravidez, alegando falta de preparo técnico, o que exigiu que a vítima fosse para Pernambuco.

"É uma hipocrisia violenta", desabafa a doutora em Bioética e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Bioética, Elda Bussinger, ao destacar que a unidade hospitalar, mesmo sendo referência na área, se negou a atender à emergência. A especialista aponta ainda a omissão da equipe do Programa de Atendimento às Mulheres Vítimas de Violência Sexual (Pavivis), programa nacional que, no Espírito Santo, é executado no Hucam desde 1998.

A postura dos responsáveis pelo Hucam e de igual modo a de todos os envolvidos na barbárie que caracterizou o caso da menina de São Mateus, não pode, simplesmente, cair no esquecimento ou ficar rolando nos canais burocráticos. 

Nesta sexta-feira (21), o 
Fórum de Mulheres do Espírito Santo (Fomes) e a Frente pela Liberação do Aborto do Espírito Santo (Flaes) realizou protesto em frente à unidade para cobrar explicações e reivindicar estrutura digna de atendimento para abortamento legal, em Vitória, às mulheres, meninas, homens trans e pessoas não binárias. 

Os Ministérios Públicos Estadual e Federal, que já adotaram os procedimentos apropriados, a Polícia Civil e instituições de defesa dos direitos humanos devem passar a limpo as responsabilidades e punir exemplarmente os que extrapolaram de suas competências e, de forma especial, os que buscaram o aproveitamento eleitoral do caso.

Usando o nome de Deus e escudando-se por trás do fanatismo religioso com pesada carga ideológica, resultante de mecanismos cognitivos impostos à sociedade, os algozes da menina levam adiante distorções de ensinamentos seculares, que provocam conflitos com legislações vigentes em defesa da valorização da vida. Esse caso de barbárie, pela sua repercussão e considerando o elevado número de crianças abusadas no Espírito Santo e no País, merece um tratamento sério, que não cabe nenhuma impunidade.

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários: 1

Robson em Sexta, 21 Agosto 2020 20:38

Imaginem, só imaginem... se a criança que foi barbaramente violentada fosse branca e de classe média? Essa tal de Sara Winter ainda estaria à solta, depois da barbaridade que fez?

Imaginem, só imaginem... se a criança que foi barbaramente violentada fosse branca e de classe média? Essa tal de Sara Winter ainda estaria à solta, depois da barbaridade que fez?
Visitante
Quarta, 23 Setembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection