Dólar Comercial: R$ 5,47 • Euro: R$ 6,40
Quarta, 23 Setembro 2020

À flor da pele

As novelas americanas, que duram anos e passam nos horários menos nobres, ou seja, à tarde, levam o estranho nome de ópera do sabonete, porque eram mantidas pelos comerciais de sabonete. Melhor dizer no singular, pois eram comerciais de apenas um sabonete, e as novelas foram criadas com o fim específico de divulgar e motivar as pessoas a usar essa grande novidade do mercado - o sabonete. Quer dizer, a televisão nos States já entrava em todas as casas, mas o uso diário do sabonete veio muito depois.

*

De volta ao passado: em 1937 havia uma novela de rádio para promover um sabonete - muito popular, a novela resistiu até 2009, sendo o programa de mais longa duração na história do rádio. O programa não pertencia à emissora, mas ao fabricante do sabonete, que lançou mais de 20 novelas de rádio e televisão, com o fim específico de ensinar os americanos a usarem sabonetes para o banho e a lavagem das mãos, principalmente os homens. De acordo com um estudo não muito antigo, apenas 31% dos homens lavavam as mãos ao usar o banheiro. Num tempo sem pesquisas, conheci uma pessoa que jamais aceitava um aperto de mãos masculino.

*

Isso não quer dizer que o sabonete e o sabão não existiam, mas eram pouco usados. Em suas viagens à China e Índia, Marco Polo ficou pasmo em ver que as pessoas tomavam banho frequentemente, em oposição aos europeus. O historiador francês Jules Michelet descreveu a Idade Média na Europa como "Os mil anos sem banho". Por isso os leques eram moda: ninguém aguentava o cecê. O que não nos surpreende, porque os portugueses que aqui chegaram nos primórdios do genocídio indígena, ficaram também surpresos com o costume dos silvícolas de se banharem diariamente. Aprendemos com eles.

*

O mercado de higiene pessoal nos States hoje alcança os cem bilhões de dólares, mais às vezes nos empurrando produtos totalmente desnecessários - óleos essenciais, hidratantes, amaciantes, limpeza, conservação… a lista é longa. Lembro dos anúncios do sabonete Lux com as estrelas mais famosas de Hollywood: nove entre dez estrelas de cinema usam Lux". Apareciam em todas as revistas, no Brasil e no mundo todo - a gente acreditava e queria usar também. A Lever faturou anos em cima da novidade, sem pagar nem um centavo a nenhuma dessas faces famosas, de pele impecável, porque nenhuma delas pensou em reclamar ou exigir compensação.

*

A gente se debatia sobre qual comprar: Lever ou Gessy? Sem saber que eram farinha do mesmo saco. Na atual conjuntura, dizem que as filas nas pias dos banheiros masculinos estão cada dia mais longas. O sabonete virou produto essencial, e aprendemos como lavar as mãos do jeito certo,- 20 segundos, ou cante o parabéns-pra-você duas vezes. Um hábito que com certeza veio para ficar. Eu canto três vezes, seguro morreu de velho. Perguntaram a Einstein porque não usava creme de barbear: "Usar dois sabonetes? Muito complicado".

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários: 1

Vinícius em Domingo, 30 Agosto 2020 09:37

Minha cara, se o problema é masculino coletivo, a solução imediata pode ser ir morar na Europa, ou melhor, nos Estados Unidos da América. Quiçá se relacionar, preferencialmente, em termos de convívio social, com homens das camadas médias e altas sociais... Ou aderir a um "relativismo cultural", relacionar-se com homens e mulheres sócio-históricos e culturais concretos no nosso Brasil.

Minha cara, se o problema é masculino coletivo, a solução imediata pode ser ir morar na Europa, ou melhor, nos Estados Unidos da América. Quiçá se relacionar, preferencialmente, em termos de convívio social, com homens das camadas médias e altas sociais... Ou aderir a um "relativismo cultural", relacionar-se com homens e mulheres sócio-históricos e culturais concretos no nosso Brasil.
Visitante
Quarta, 23 Setembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection