Sábado, 27 Novembro 2021

Boi voador não pode

Maurício de Nassau, conde alemão, governou Pernambuco entre 1637 e 1644, e como na Holanda, sempre avançada em seu tempo, uma vez que a capitania de Pernambuco estava no contexto das invasões holandesas, que era um país com um bom conhecimento de navegação e de ambições coloniais. A capitania passou a ter liberdade religiosa, algo inconcebível no domínio português no Brasil, que era católico e assim o foi até a concepção republicana de um Estado laico.

Houve uma transformação urbana de Recife, e foi na Cidade Maurícia (Mauritsstad, em holandês) onde ele mandou construir a Ponte do Recife, atual Ponte Maurício de Nassau. Foi neste evento que aconteceu a tal história do "boi voador". O conde, além da inauguração da ponte, anunciou que ali um boi voaria. O objetivo era chamar a atenção do público para cobrir os custos da construção da ponte.

No dia 28 de fevereiro de 1644, o administrador cumpriu a promessa, e a versão mais aceita é que tal fenômeno foi produzido por cordas e roldanas, com um boi empalhado passando de um lado ao outro da ponte.

O domínio holandês na região durou 24 anos, mas foi bem marcante, pois Maurício de Nassau trouxe grandes progressos para Recife, que foi de povoado pequeno a se tornar uma cidade por causa de Maurício de Nassau.

Esta história do boi voador atravessou gerações e virou tema de uma das canções do musical Calabar – o elogio da traição, peça escrita em 1973 por Chico Buarque e Ruy Guerra. A música se chama "Boi voador não pode".

A letra, muito bem-humorada, é a seguinte: "Quem foi, quem foi que falou do boi voador? Manda prender esse boi, seja esse boi o que for. O boi ainda dá bode. Qual é a do boi que revoa? Boi realmente não pode voar à toa. É fora, é fora, é fora, é fora da lei, é fora do ar. É fora, é fora, é fora, segura esse boi. Proibido voar".

A marchinha carnavalesca de Chico Buarque, Boi Voador, composta para sua peça Calabar: o elogio da traição (1973), é sucesso popular e muito cantada no Recife. A letra, falando do proibido, era uma alusão à censura da ditadura militar. A história do boi voador foi relatada pelo frei português Manuel Calado (1584-1654), ele que foi testemunha dos acontecimentos que se deram durante o domínio holandês.

Frei Manuel Calado foi confessor de Calabar antes de sua condenação à morte, este que foi garroteado e esquartejado em 1635, tendo o frei convivido bem com Maurício de Nassau e com os holandeses invasores, mas na insurreição pernambucana, se voltou contra os holandeses, apoiando os colonos na expulsão dos invasores. O período em que houve o domínio holandês em Pernambuco durou, por fim, de 1630 a 1654.

Maurício de Nassau, diante dos desafios da construção da ponte, chamou atenção para o dia da inauguração da mesma em que um boi voaria. O boi vai voar! Recife preparou-se para a grande festa de inauguração da ponte, marcada para um domingo, dia 28 de fevereiro de 1644.

Nassau anunciou que um boi voaria pela ponte, e avisou qual seria o animal: o boi pertencente a Melchior Álvares, conhecido entre os populares por sua mansidão. A notícia correu os engenhos e arredores e muitos se perguntavam: "Seria possível um boi voar?".

Durante o evento de inauguração da ponte, o boi voador ficou para o final, dez da noite, em que surgiram Melchior e seu boi, estes entraram num sobrado, reaparecendo na janela mais alta, e o boi foi saindo pela janela, com os populares que olhavam para o alto, e o boi foi flutuando no ar, passando pela cabeça das pessoas, fascinadas com a visão.

Os populares logo entenderam o truque, era um boi empalhado suspenso por cordas e movido por um sistema de roldanas operado por marinheiros holandeses. A ponte inaugurada por Maurício de Nassau se chamaria Ponte do Recife.

Primeira ponte de madeira sobre o rio Capibaribe, a Ponte do Recife já foi bem mais extensa do que é hoje, com uma obra de engenharia de ponta para a época, que incluía uma parte levadiça para a passagem de embarcações.

A ponte de madeira foi substituída por uma de ferro em 1865, que enferrujou, tendo sido feita outra de concreto armado, que recebeu o nome de Ponte Maurício de Nassau.

Link recomendado: Chico Buarque: Não Existe Pecado Ao Sul Do Equador/Boi Voador Não Pode

Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog
: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários: 1

Ecyr domingos Santos em Segunda, 21 Junho 2021 09:00

essa marchinha do boi voador,serve para lembrar do episodio que envolveu o Senador renan calheiros, que em 2007 foi flagrado sustentando uma jornalista, com quem mantinha um caso extra conjugal, com dinheiro pago pela empreiteitera mendes junior, no valor de 30 mil reais por mes, e foi feito pedido de cassacao do mandato pelo Psol, o mesmo do senador randolfe Rodrigues, que hoje esta sentado ao lado do corrupto Idolatrado pela esquerda......lembre disso jornalista.......

essa marchinha do boi voador,serve para lembrar do episodio que envolveu o Senador renan calheiros, que em 2007 foi flagrado sustentando uma jornalista, com quem mantinha um caso extra conjugal, com dinheiro pago pela empreiteitera mendes junior, no valor de 30 mil reais por mes, e foi feito pedido de cassacao do mandato pelo Psol, o mesmo do senador randolfe Rodrigues, que hoje esta sentado ao lado do corrupto Idolatrado pela esquerda......lembre disso jornalista.......
Visitante
Sábado, 27 Novembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/