Dólar Comercial: R$ 5,02 • Euro: R$ 6,11
Terça, 26 Janeiro 2021

Como nos velhos tempos

 

Assim como aconteceu no governo Paulo Hartung, o ex-chefe do Ministério Público Estadual, Fernando Zardini, mesmo na posição de procurador especial, volta à cena para mudar o curso de uma investigação. O objetivo do grupo de Zardini, que reza na cartilha de Hartung, é esvaziar as investigações da força-tarefa que apura as denúncias de corrupção no sistema estadual de internação de adolescentes em conflito com a lei (Iases).
 
Desde a última quinta-feira (6), quando o delegado Rodolfo Laterza entregou o relatório final das investigações ao MPES, o grupo de Zardini iniciou uma manobra para desqualificar as investigações da Polícia Civil. 
 
Enciumado com o trabalho do delegado, que diga-se de passagem tem sido bem feito, os membros do MPES ligados a Hartung, que sempre agiram com parcialidade para atender ao jogo do ex-governador, voltaram a se movimentar para reassumir o controle das investigações. 
 
A exemplo da época em que o MPES estava nas mãos de Zardini e Hartung era o governador, a investigação pode acabar encalacrada em uma gaveta perdida da instituição. Assim como o seu antecessor, Casagrande parece estar guinado a jogar na regra velha. Nessa regra, os membros cooptados do MPES represam os casos dos aliados que precisam de proteção e perseguem os desafetos políticos do ex-governador. 
 
No caso da Operação Pixote, o secretário de Justiça Ângelo Roncalli, o deputado estadual Josias Da Vitória e o juiz Alexandre Farina são os próximos da fila. Com a senha na mão, eles estão na porta do MPES à espera de proteção. 
 
Talvez o próprio Casagrande, quando nomeou Laterza para comandar as investigações, não imaginasse que o delegado, sem qualquer estrutura, conseguisse chegar tão longe e envolver nas investigações figuras importantes. 
 
As declarações do governador, no feriado de Sete de Setembro, reforçam a manobra de blindagem. Ele deixou isso evidente ao afirmar que Roncalli permaneceria no cargo, pelo menos até que o MPES apresentasse o seu parecer sobre o caso. 
 
Ora, com essa declaração Casagrande desqualifica o trabalho da sua própria criação, a força-tarefa, para pôr o MPES à frente das investigações. Em outras palavras, o parecer final sobre as investigações foi entregue de bandeja ao MPES, que passa a ter todas as condições para dar “um novo” encaminhamento ao caso. Provavelmente, na contramão da linha de investigação traçada pelo delegado. 
 
Entretanto, o arranjo de Hartung, reproduzido agora por Casagrande, já não conta mais com os serviços do Tribunal de Justiça, que sob o comando de Pedro Valls, vive outros tempos. 
 
O arranjo, agora claudicante, pode tropeçar justamente no TJES, que passa a ser a última reserva de moralidade neste Estado capaz de evitar que essa investigação não termine em pizza, assada, como nos velhos tempos, nos fornos do MPES. 
 
 
 
 
 
 
 
 

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 26 Janeiro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection