Dólar Comercial: R$ 5,31 • Euro: R$ 6,00
Sexta, 14 Agosto 2020

​Cultura e cidadania

Foi tímido, quase inaudível, o grito de protesto diante do anúncio de que o Centro Cultural Carmélia Maria de Souza está para ser transformado em um depósito de café. O sentimento de perda, manifestado apenas por reduzido grupo de artistas, produtores culturais e agentes públicos, traduz o nível de importância dispensado à arte e à cultura na construção de políticas públicas visando maior integração social, privilegiando a cidadania. 

O abandono a que está relegado o Centro Cultural Carmélia Maria de Souza confirma que a cultura, por meio de manifestações artísticas, é vista, na maioria das vezes, como mercadoria supérflua, plenamente dispensável. Nesse contexto, é jogada junto às ações de lazer e diversão, que podem ser deixadas para depois. 

Essa é exatamente o que mostra a situação atual, gerada no decorrer de anos de abandono, desde quando o vistoso galpão foi cedido ao governo do Estado e à Prefeitura de Vitória pela Secretaria do Patrimônio da União (SPU). Desde 2013, o espaço não é usado pela prefeitura, que pretendia transformá-lo em centro cultural, restrito, no entanto, ao Carnaval. 

Os agentes públicos parecem desconhecer que a cultura está presente em todos os aspectos da vida social e suas manifestações intrinsecamente ligadas ao exercício da cidadania, necessitando que seja facilitado o acesso ao público, como forma de ampliar direitos, inclusive, e principalmente, em áreas mais afastadas, habitada por camadas de média e baixa renda.

O protesto foi tímido, insuficiente para barrar o processo do governo federal em seu programa de privatizações, que alcança os armazéns do Instituto Brasileiro do Café (IBC), em Jardim da Penha, o que motivou a transformação do Centro Cultural Carmélia Maria de Souza em depósito, escolhido por estar abandonado, prestes a desabar.

O poder público passa indiferente à história. O Carmélia virou coisa sem valor e a partir da gestão Paulo Hartung, o governo passou a investir em outras ações culturais, incluindo o inacabado Cais das Artes, que já consumiu mais de R$ 130 milhões e está com as obras paralisadas. Faltou vontade política no sentido de formalizar mecanismos legais, a fim de garantir ao Estado a posse do Carmélia, mediante o compromisso de mantê-lo em funcionamento.

O abandono do espaço não encontra justificativa aceitável, nem da parte do governo do Estado, muito menos da Prefeitura de Vitória, que aceita transformá-lo em espaço restrito ao Carnaval. É hora de juntar forças, visando mudar os planos do governo federal, que não está nem um pouco preocupado com a arte e cultura. Esses gestores sabem que nessas manifestações há o estímulo ao sentimento crítico, ao contraditório, que abominam.

Caso isso não seja mais possível, fica mais um exemplo de descaso para com um setor tão importante da vida nacional. A cidadania lamenta.

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários: 1

manuela santos neves em Terça, 04 Agosto 2020 14:49

Acho lamentável a destinação do Carmélia para depósito. Mas acho também que precisou disso para a classe artística e cultural se mobilizar em torno da defesa do espaço depois de anos e anos de inatividade.

Acho lamentável a destinação do Carmélia para depósito. Mas acho também que precisou disso para a classe artística e cultural se mobilizar em torno da defesa do espaço depois de anos e anos de inatividade.
Visitante
Sexta, 14 Agosto 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection