Dólar Comercial: R$ 5,56 • Euro: R$ 6,58
Quinta, 22 Outubro 2020

Festival Varilux em casa

Comédia francesa do Festival Varilux em casa, também disponível no Looke, o modo de acesso é o mesmo do BIFF, basta seguir os tutoriais. O capitão Neuville visita o palácio da rica família Beaugrand depois de uma temporada no Exército, para esposar a filha caçula. 

Elisabeth, sua irmã mais velha, percebe na hora que o capitão não passa de um sedutor oportunista, no entanto, as tentativas de dissuasão de Elisabeth são frustradas pelo entusiasmo de seus pais, mas especialmente da caçula Pauline.

Os dias passam sem que Pauline receba nenhuma missiva do noivo. Ela fica desesperada quando contraí pneumonia. Após passar o dia choramingando e correndo na chuva, o médico diz que sua recuperação depende das consolações de Neuville.
Elisabeth se preocupa e antevê a morte da irmã por pneumonia e depressão profunda. Ela começa por conta própria a escrever cartas fazendo se passar pelo Capitão Neuville. A caçula recupera a saúde e começa imediatamente a corresponder o noivo imaginário.

Os dias seguem normais, até o momento em que a França entra em guerra com a Áustria e Elisabeth encontra a oportunidade perfeita para "matar" o malandro e livrar a irmã de uma péssimo casamento, para que ela esqueça o capitão e se junte a alguém mais íntegro.
A estratégia funciona, Pauline já está casada e a vila inteira conhece as façanhas do herói de guerra Charles-Grégoire Neuville. Enquanto caminha pelo mercado, Elisabeth avista um sujeito sujo, fedido e mal vestido sendo arremessado para fora de uma carroça.

Ela acompanha-o sorrateira pelo mercado, porque o homem parece familiar, então se aproxima e os dois se reconhecem. Elisabeth sabe que Neuville é mau-caráter, por isso, tenta suborná-lo com dinheiro, para que suma para sempre. Ele aceita, mas ao invés de pegar o primeiro comboio para algum lugar longe dali, Neuville regressa ao solar para anunciar sua volta triunfal da Áustria.

Elisabeth se enfurece no início, mas, mesmo conhecendo sua personalidade, se rende à tentação criativa e logo começa a reescrever suas histórias. De forma contraditória e paradoxal, ela tenta convencê-lo a abandonar o palácio sem, é claro, deixar de ajudá-lo nas mirabolantes histórias, e ela continua a escrevê-las enquanto a fama e estima do capitão só aumentam, gerando um misto cômico e estranho de felicidade, ódio e raiva em Elisabeth.

Se ela queria expulsá-lo, por que continuar a escrever as cartas? Talvez pelo reconhecimento indireto do público?

Este filme é politicamente incorreto, mas é bem superior a Um Amante Francês, de 2018.

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 22 Outubro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/

No Internet Connection