Sábado, 15 Junho 2024

Fufuquismo e janonismo

O fufuquismo é um derivado político do atual ministro dos Esportes e deputado federal licenciado, André Fufuca. Por sua vez, o janonismo, que também foi chamado de janonismo cultural, vem da atuação do atual deputado federal André Janones.

Para explicar melhor, o fufuquismo é uma das versões fisiológicas e clientelistas da política tradicional. O janonismo cultural, por sua vez, virou um flanco de combate contra a extrema direita, desde que Janones abdicou de sua candidatura à presidência da República em 2022 e passou a apoiar a candidatura de Lula, indo para a área de comunicação da campanha, com adoção de métodos heterodoxos de enfrentamento, muitas vezes fazendo com que o bolsonarismo e a campanha de Bolsonaro à Presidência da República provasse do próprio veneno, com fake news polêmicas plantadas nas redes sociais e viralizando.

O grande feito do fufuquismo foi empurrar para fora do Ministério dos Esportes a ex-jogadora de vôlei Ana Moser, que até então ia bem na função, já tecendo projetos, mas que se deparou com um dos arranjos mais postiços e forçados dos últimos tempos, meio que numa pressão do Centrão, para colocar André Fufuca como novo ministro dos Esportes. Nunca se viu um clientelismo e um fisiologismo tão mal ajambrado, chegou a ser constrangedor, parecendo mais um arranjo de casta que joga pela janela amores autênticos, uma pagaiada e a foto de aperto de mãos etc.

André Fufuca foi o deputado estadual mais jovem a ser eleito. O fufuquismo pode se estender como expressão para arranjos políticos forçados e de fancaria. Tudo ali é postiço, a vermelhidão das bochechas remete a um ventriloquismo em que o jogo do poder passa por cima de disposições verdadeiras e autênticas e, da noite para o dia, temos ministérios republicanos sendo tomados por uma clientela que vive dessa dança das cadeiras interminável, movida a pressões chantagistas e regateios superficiais, eis a essência do que podemos batizar como fufuquismo.

Por outro lado, as rachadinhas do janonismo cultural, por seu turno, revelam o mesmo arranjo esquemático de sempre, mas com um verniz midiático e polemista que, se convenceu alguém um dia, hoje não passa da produção barulhenta com métodos colhidos da baixa política, de um bullying até bem direcionado contra figuras como chupetinha e quetais, mas que se limita a esta característica histriônica, tão séria como um sketche para parvos.

O janonismo cultural patina na falta de uma seriedade maior e tropeça nas próprias pernas com denúncias recentes de rachadinhas no gabinete do deputado federal André Janones, este que faz muito barulho desde a fatídica greve de caminhoneiros. Esta pretensa pecha de cultura não sobrevive a uma primeira ventania, pois o caráter do janonismo está mais para uma comicidade de gosto duvidoso do que algo que possa ser chamado, até numa conversa de botequim, como cultura ou "cultural".

O que se vê é que tanto o fufuquismo como o janonismo jamais serão contribuições sérias e sólidas para o espírito republicano que deveria inspirar nosso parlamento, pois é mais do mesmo, reflexo de uma turba fisiológica e que também arrisca uma versão midiática, polemista e, no frigir dos ovos, ambos sucumbindo a um superficialismo que vai de um arranjo de casta forçado e uma grita de fake news tão escancarada como de seus alvos preferenciais.

O fufuquismo e o janonismo padecem de um mesmo mal essencial anti-republicano, ceifando horizontes do que deveria evoluir para um Estadismo de fato, com uma política democrática para o bem comum e não para produzir ministros de fancaria e figuras histriônicas que se limitam ao bullying de uma quinta série engraçadinha, e que logo em seguida passa por denúncias de facilidades e práticas que se repetem ad nauseam de rachadinhas, ambos reforçando a versão bananeira que conspurca a Nova República.

O fufuquismo, por sua vez, também não poderia ser diferente, e também teve denúncias de corrupção, desde um apoiador de Fufuca, anos antes dele virar ministro dos Esportes, ter negociado um par de chuteiras em troca de voto, até pelo fato de seu desempenho nas eleições para deputado federal no Maranhão ter sido produzido por compra de votos.

Ou seja, o fufuquismo e o janonismo vivem de uma mesma mediocridade essencial, razão de ser, e se instalam na República através de apadrinhamentos, no caso do fufuquismo, e de polêmicas midiáticas, no caso do janonismo, e de sua versão cultural, o que é bem contestável, uma vez que o janonismo como cultura não passa de uma expressão para o histrionismo do dito deputado federal do que qualquer outra coisa.

Espero que a Nova República, depois de ter se livrado da versão bolsonarista no Poder Executivo, possa também se ver livre destes pastiches de ocasião como o fufuquismo e o janonismo, pois temos que estar atentos. "O preço da liberdade é a eterna vigilância", como disse o orador irlandês John Philpot Curran, que viveu de 1750 até 1817.

Ou seja, o espírito republicano não pode tolerar mais apadrinhamentos de ocasião como o do fufuquismo ou uma imaturidade histriônica que busca a polêmica, que é o pretenso janonismo cultural, uma infantilização política que já teve que aguentar personagens como Tiririca, por exemplo. Que o Brasil, sua democracia e sua República possam ter um espírito estadista pelo bem comum, se livrando do pastiche e do fisiologismo.

Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog
: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários: 1

José Costa em Sábado, 09 Março 2024 08:04

Sobre o fufuquismo, o janonismo, o bananismo e outros quetais, o pior é que está cheio de gente que acredita e curte.

Sobre o fufuquismo, o janonismo, o bananismo e outros quetais, o pior é que está cheio de gente que acredita e curte.
Visitante
Domingo, 16 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/