Sábado, 15 Junho 2024

Lula errou

Depois de o Brasil passar por pária internacional, numa decadência diplomática sem precedentes, com a dupla Jair Bolsonaro e Ernesto Araújo, depois do convescote com embaixadores do dito "mito" fora de qualquer estatuto ou regramento do que se instituiu como diplomacia, temos este erro de Lula.

Não, Lula não tem razão, não está certo. Ele se utilizou de uma, digamos, flexibilidade semântica de aloprado, e que dizem que foi de improviso, e se não foi, pior ainda. Tomar por base de comparação o holocausto com qualquer genocídio que tenha ocorrido na História é um erro de interpretação da História e de semântica. O genocídio ocorrido em Ruanda, em Srebrenica, e agora na Faixa de Gaza, não se compara com o termo holocausto, pois este se refere ao extermínio sistemático de seis milhões de judeus na Segunda Guerra Mundial.

Sim, ocorre um genocídio na Faixa de Gaza, e Benjamin Netanyahu deveria ser julgado como genocida pelo Tribunal Penal Internacional, e o Estado de Israel também por crime de genocídio pela Corte Internacional de Justiça, mas daí a comparar, até em escala, este genocídio com o holocausto judeu, é um erro de interpretação histórica e uma ofensa a maior parte da comunidade judaica.

O erro de escala, pois começa pelo holocausto nazista ter sido um projeto de extermínio racial, um projeto de poder mundial, de dominação geopolítica do planeta, e a escala deste extermínio só não foi muito maior, pois o Eixo foi derrotado pelos aliados, deixando em seu lugar a Guerra Fria entre os Estados Unidos e a União Soviética.

O projeto do Nazismo era, a princípio, o extermínio de judeus, ciganos e homossexuais, e a dominação territorial do continente europeu. Mais adiante, o extermínio se estenderia como um projeto racista de caráter geral e de supremacia de uma suposta raça pura, a raça ariana. O projeto eugênico, por fim, tinha um caráter disruptivo, e a ideia de extermínio sistemático de raças e etnias e de grupos de orientações sexuais não aceitas, além de pessoas com deficiência física e intelectual, ou ainda os chamados alienados, loucos etc, e que se chama holocausto, não tem precedentes na História.

O discurso aloprado como o de Lula, que tenta equalizar tudo, como se o inominável, o holocausto, pudesse dar nome a várias coisas, numa operação semântica que banaliza o Mal Absoluto do Nazismo e o estende a qualquer tentativa genocida que ocorrer na História, é um erro absurdo.

O fato é que não há, nem conceitualmente, nem em escala, a comparação de genocídio de um grupo, com o genocídio nazista, o holocausto. Como projeto racista, o holocausto tanto tinha um caráter muito mais sistemático que qualquer outro genocídio no mundo, o que muda seu conceito, como era de uma escala astronômica, muito maior que qualquer guerra local em que houve ou haja genocídio.

Lula já tinha derrapado com seu companheirismo alucinado com o criminoso de guerra Vladimir Putin, e agora, às vésperas de liderar uma reunião do G20, vai além de uma gafe comum, dando um salto escalafobético, tanto na semântica, como na sua logorreia que, muitas vezes, pode causar danos. O dano agora provoca, neste caso, a formação de um gabinete de crise, enquanto a sua claque de sabujos, pessoais e de redes sociais, depois desta declaração "bombástica", já deve o tomar por candidato ao Nobel da Paz e arauto de uma nova era de entendimento entre os povos no século XXI.

Sim, Lula errou, e agora nos deparamos com uma ruptura diplomática com Israel, numa escalada verbal de desinteligências, e mais uma vez caímos na mediocridade diplomática, que só não ultrapassa os tempos de piada de alemão que foi o período bolsonarista. Contudo, estamos diante de um Lula que insiste, por diversas vezes, em se tornar uma espécie de liderança diplomática internacional, um ator relevante de geopolítica, o seu sonho dourado, mas derrapa em cascas de banana criadas por ele mesmo, e os esforços de uma diplomacia sóbria, nos modos da que foi erguida pelo Barão do Rio Branco, vai pelos ares.

Não se compara o holocausto a nada. Não se compara um projeto de dominação mundial racista com genocídios de guerras localizadas. A ignorância histórica sobre o maior crime que ocorreu na História não tem base de comparação com nada no mundo. Banalizar a palavra holocausto é muito mais grave do que o que vemos de aplicação generalizada das palavras nazista e fascista, pois esta palavra holocausto não se presta a esta flexibilidade semântica, nem em redes sociais, e muito menos através do discurso de um Chefe de Estado que, quando improvisa e erra, parece levar uma conversa séria para o balcão de um boteco.

Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog
: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Veja mais notícias sobre Colunas.

Veja também:

 

Comentários: 4

Marcelo Martins em Domingo, 25 Fevereiro 2024 07:40

Lula Tem Razão

Durante séculos, a palavra "holocausto" foi usada para designar grandes massacres, conotando tragédias populacionais. Portanto, não foi criado no contexto da Segunda Guerra. Existia antes. Os especialistas se dividem acerca do uso restrito ou ampliado do termo. A rigor, ninguém é obrigado a usar um conceito que existe há séculos num sentido específico referindo a uma só tragédia humanitária.

Mas, sem dúvida, o que o povo judeu e outras minorias sofreram sob o III Reich de Adolf Hitler não encontra paralelo em termos de crueldade, selvageria e magnitude. Até o momento. Isto não significa, porém, que existam simetrias em menor grau de escalada e/ou similaridades morais.

Lula Tem Razão Durante séculos, a palavra "holocausto" foi usada para designar grandes massacres, conotando tragédias populacionais. Portanto, não foi criado no contexto da Segunda Guerra. Existia antes. Os especialistas se dividem acerca do uso restrito ou ampliado do termo. A rigor, ninguém é obrigado a usar um conceito que existe há séculos num sentido específico referindo a uma só tragédia humanitária. Mas, sem dúvida, o que o povo judeu e outras minorias sofreram sob o III Reich de Adolf Hitler não encontra paralelo em termos de crueldade, selvageria e magnitude. Até o momento. Isto não significa, porém, que existam simetrias em menor grau de escalada e/ou similaridades morais.
Marcelo Martins em Domingo, 25 Fevereiro 2024 10:42

Como bem definiu o diplomata e ex-chanceler, Celso Amorim, "Gaza e Holocausto são iguais na essência". Os objetivos, tanto no século XX quanto no século XXI, são exatamente os mesmos, idênticos: a limpeza étnica de povos. Não se trata, portanto, de "flexibilidade semântica" como supõe o respeitável filósofo/escritor.

Como bem definiu o diplomata e ex-chanceler, Celso Amorim, "Gaza e Holocausto são iguais na essência". Os objetivos, tanto no século XX quanto no século XXI, são exatamente os mesmos, idênticos: a limpeza étnica de povos. Não se trata, portanto, de "flexibilidade semântica" como supõe o respeitável filósofo/escritor.
Alexandre Imoraes em Segunda, 26 Fevereiro 2024 04:50

Lula errou? E quando acertou? O ladrãozinho só faz m….

Lula errou? E quando acertou? O ladrãozinho só faz m….
Visitante em Quarta, 28 Fevereiro 2024 23:07

Esta é apenas a sua opinião.
Tudo nesta vida se compara, principalmente crimes contra a humanidade. Infelizmente, como disse o Marcelo, "Os objetivos, tanto no século XX quanto no século XXI, são exatamente os mesmos, idênticos: a limpeza étnica de povos. Não se trata, portanto, de "flexibilidade semântica" como supõe o respeitável filósofo/escritor."

Esta é apenas a sua opinião. Tudo nesta vida se compara, principalmente crimes contra a humanidade. Infelizmente, como disse o Marcelo, "Os objetivos, tanto no século XX quanto no século XXI, são exatamente os mesmos, idênticos: a limpeza étnica de povos. Não se trata, portanto, de "flexibilidade semântica" como supõe o respeitável filósofo/escritor."
Visitante
Sábado, 15 Junho 2024

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://www.seculodiario.com.br/